A CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA DO PROFESSOR PRESENTE NAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DE FORMAÇÃO INICIAL DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS

Autores

  • Tais Andrade dos Santos Universidade Estadual Paulista/Doutoranda em Educação para a Ciência
  • Moacir Pereira de Souza Filho UNESP - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Palavras-chave:

Formação inicial, Racionalidade docente, Política Nacional de formação de professores

Resumo

Este texto tem como objetivo analisar os currículos de formação inicial de professores determinados pelas legislações oriundas do Conselho Nacional de Educação (CNE), tendo como recorte o currículo proposto para as licenciaturas referentes ao ato de lecionar nos anos finais do Ensino Fundamental e Médio, e almejando compreender os modelos de autonomia, por meio das terminações desses documentos.  Para tanto, os autores analisaram de forma qualitativa, utilizando-se como metodologia a análise do conteúdo nas seguintes categorias: carga horária, competências e habilidades descritas nos documentos. Dispondo como referencial teórico as ideias de Contreras para a delimitação das condições de autonomia, as análises apontam que as legislações rumam em busca de uma autonomia reflexiva, com um estreitamento da relação teoria e prática. Porém mesmo após esses anos, as mesmas contemplam uma formação voltada para os conhecimentos da educação básica de forma diretiva e não emancipatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tais Andrade dos Santos, Universidade Estadual Paulista/Doutoranda em Educação para a Ciência

Licenciada em Física pela Universidade Estadual Paulista-UNESP, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, São Paulo.

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação para Ciência da Universidade Estadual Paulista-
UNESP, Faculdade de Ciências, Bauru, São Paulo.

Moacir Pereira de Souza Filho, UNESP - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Possui graduação em Licenciatura em Física (2001) e Tecnologia dos Sistemas Elétricos
- Modalidade Eletrônica (1987); Mestrado (2004) e Doutorado (2009) em Educação
para a Ciência pela Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho -
FC/Unesp/Bauru. Professor Assistente Doutor do Departamento Física e docente
credenciado no Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física
(FCT/Unesp/Presidente Prudente/SP), no Programa de Pós-Graduação em Educação
para a Ciência (FC/Unesp/Bauru/SP) e no Programa de Pós-Graduação em Ensino de
Ciências - Doutorado (Instituto de Física/UFMS/Campo Grande/MS). Atualmente é
Coordenador do curso de Licenciatura em Física - Unesp/Pres. Prudente. Têm
experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Física.

Referências

ALMEIDA, L. A. A.; MENDES, S.A.O.; AZEVEDI, A.P.L. A. O estágio supervisionado na formação de professores como um espaço de reflexão sobre a prática. Laplage em Revista, Sorocaba, v.4, n.1, p. 108-120, jan./abr., 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 1.ed. São Paulo: Edições 70, 1977.

BARRETO, E. S. Políticas de formação docente para a educação básica no Brasil: embates contemporâneos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 20, n. 62, jul./set. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Conselho Nacional de Educação [2017] Disponível em: asenacionalcomum.mec.gov.br. Acesso em: 21 de jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 3.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Congresso Nacional [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 22 de jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Presidência da Casa Civil [1971]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5692.htm. Acesso em: 22 de jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Congresso Nacional [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 22 de jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer nº 21, 6 de agosto de 2001. Duração e carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Conselho Nacional de Educação Pleno [2001]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/cnecp_212001.pdf. Acesso em: 22 de jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer nº 28, de outubro de 2001. Duração e carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Conselho Nacional de Educação Pleno [2001]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/cnecp_212001.pdf. Acesso em: 22 de jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer nº 9, 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Conselho Nacional de Educação Pleno [2001]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf. Acesso em: 22 de jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares para a educação básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação básica (BNC-Formação). Conselho Nacional de Educação Pleno [2020]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 22 de jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 1 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Conselho Nacional de Educação Pleno [2015]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 22 de jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Conselho Nacional de Educação Pleno [2002]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf. Acesso em: 22 de jan. 2020.

BRASIL. Mistério da Educação. Formação Superior para Docência na Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/escola-de-gestores-da-educacao-basica/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/12861-formacao-superior-para-a-docencia-na-educacao-basica. Acesso em 15 jun. 2020.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. 1. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

CORTELA; B. S. C.; NARDI, R. Expectativas de docentes formadores frente a um processo de reestruturação curricular num curso de licenciatura em Física. NARDI, R.; CORTELA, B. S. C. In: Formação inicial de professores de Física em universidades públicas: estudos realizados a partir de reestruturações curriculares. 1. ed. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015.

DOURADO, L. F. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 131, p. 299-324, abr./jun., 2015.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre:Artmed,2009.

HONÓRIO, Mirtes Gonçalves et al. As novas diretrizes curriculares nacionais para formação inicial e continuada de professores da educação básica: entre recorrências e novas inquietações. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. 3, p. 1736-1755, jul-set/2017.

MARCHAN, G. S. Discursos presentes nas políticas curriculares e no processo de formação docente: a configuração do perfil pedagógico. 2017. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

MIZUKAMI, M. G. N; Docência, Trajetórias Pessoas e Desenvolvimento Profissional. REALI, A. M. M. R.; MIZUKAMI, M. G. N. In: Formação de professores: tendências atuais. 1. Ed. São Carlos: EdUFSCAR, 1996.

PEREIRA, J. E. D. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade, Campinas, v.20, n. 68, 109-125, dec. 1999.

REIS, A. T.; ANDRÉ, M. E. D.; PASSOS, L. F. Políticas de formação de Professores no Brasil, pós LDB 9.394/96. Revista Brasileira de pesquisa sobre formação de professores, Belo Horizonte, v. 12, n.23, 33-52, jan./abr. 2020.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de educação, v. 14, n.40, jan./abr. 2009.

SCHÖN, Donald. The reflective practitioner: how professional think in action. New York: Basic Books, 1983.

VEIGA, I. P. A. Educação Superior: Projeto Político-Pedagógico. 5. ed. São Paulo: Papirus, 2004b.

VEIGA, I. P.A. Educação Superior: Projeto Político-Pedagógico. 5.ed. São Paulo: Papirus, 2010.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

ZAINKO, M. A. S; PINTO, M. L. A.; BETTEGA, M. O. P. A política de formação de professores para a escola básica no Brasil: novos rumos, nova prática? Revista Diálogo Educacional, v.2, n. 4, p. 35-46, jul./dez., 2001.

Publicado

2020-12-18

Como Citar

Andrade dos Santos, T., & Pereira de Souza Filho, M. (2020). A CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA DO PROFESSOR PRESENTE NAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DE FORMAÇÃO INICIAL DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS . Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 17, 277-294. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3720

Edição

Seção

Dossiê: Formação de Professores