METODOLOGIAS ATIVAS NO ENSINO DE FÍSICA: UM PANORAMA DA PESQUISA STRICTO SENSO BRASILEIRA

  • José Eugênio Brum da Rosa Universidade Federal de Roraima
  • Josefina Barrera Kalhil
Palavras-chave: Metodologias Ativas. Ensino de Física. Pesquisas Stricto Sensu.

Resumo

Este trabalho traz um estudo de cunho exploratório que teve como objetivo principal traçar um panorama das pesquisas stricto sensu realizadas no Brasil, abordando o uso de metodologias ativas no ensino de Física, no período compreendido entre 2009 e 2019. Para atingir esse objetivo analisamos teses e dissertações disponíveis no acervo da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações – BDTD. Nossa escolha recaiu sobre esta plataforma devido à sua abrangência. Após a análise do material selecionado, foi possível detectar um crescimento acentuado no número dessas pesquisas nos últimos anos, sendo a maioria composta por dissertações de mestrados profissionais. Constatamos, também, que há uma predominância da utilização da metodologia Peer Instruction. Outro dado que merece destaque é a concentração das pesquisas nas regiões Sudeste e Sul.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, J. ICT Transforming Education:a Regional Guide. Bangkok: UNESCO, 2010. Disponível em: . Acessado em: 20/07/2019.
ARAÚJO, S. M.; OLIVEIRA, A. C. Métodos Ativos de Aprendizagem: uma breve introdução. Jul., 2015. Disponível em: . Acesso em: 21/05/ 2019.
AUSUBEL, D. P. Educational psychology: a cognitive view. New York: Holt, Rineheart and Winston, 1968.
BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011. Disponível em:< http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/10326/10999>. Acessado em 15/07/2019.
BUENO, M.; KOEHLER, S.; SELLMANN, M.; SILVA, M.; PINTO, A. Inovação didática – projeto de reflexão e aplicação de metodologias ativas de Aprendizagem no ensino superior: uma experiência com “peer instruction”. Janus, Lorena, v. l9, n. 15, p. 75-87, 2012. Disponível em: . Acessado em: 08/07/2019.
COSTA, S. S. C; MOREIRA, M. A. A resolução de problemas como um tipo especial de aprendizagem significativa. Caderno Catarinense de Ensino de Física, Florianópolis, v. 18, n. 3, p. 263-277, 2001. Disponível em:https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/6663/19038. Acessado em: 20/07/2019.
CRISOSTIMO, A. L.; KIEL, C. A. O lúdico e o Ensino de Ciências: saberes do cotidiano. Guarapuava: Editora da Unientro, 2017.
DIAS, S. R.; CHAGA, M. M. Aprendizagem baseada em problema: um relato de experiência. In: DIAS, S. R.; VOLPATO, A. N. (org.). Práticas inovadoras em metodologias ativas, Florianópolis: Contexto Digital, 2017. p. 36 – 48. Disponível em:. Acessado em 20/07/2019.
ESTEVES, E.; COIMBRA, M.; MARTINS, P. A Aprendizagem da Física e Química Baseada na Resolução de Problemas: um estudo centrado na subunidade temática “Ozono na estratosfera”, 10º ano. Boletín das Ciencias, Santiago de Compostela, a. 19, v.61, p. 161-162, 2006. Disponível em: . Acessado em: 18/09/2017.
FÁVERO, M. H.; SOUSA, C. M. G. A Resolução de Problemas em Física: Revisão De Pesquisa, Análise E Proposta Metodológica. Investigação em Ensino de Ciências, Porto Alegre, V.6. n.2. p. 143-196, 2001. Disponível em: . Acessado em: 03/08/2017.
FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 59. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.
GEHLEN, S. T; AUTH, M. A.; AULER, D. Contribuições de Freire e Vygotsky no contexto de propostas curriculares para a Educação em Ciências. REEC – Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. Vigo, v. 7, n. 1, p. 65-83, 2008. Disponível em: .Acessado em: 05/08/2019.
GONZALES, C. G.; CAÑOTE, S. M. V. Aprendizaje basado en proyectos. Lima: Instituto de Docencia Universitaria, 2017. Disponível em:. Acessado em: 18/07/2019.
GOODMAN, B.; STIVERS, J. Project Based Learning. Clayton, 2010. Site. Disponível em: . Acessado em: 18/07/2019.
KIYA, M. C. S. O uso de Jogos e de atividades lúdicas como recurso pedagógico facilitador da aprendizagem. Universidade Estadual de Ponta Grossa. Programa de Desenvolvimento Educacional. Ortigueira. 2014. Disponível em:. Acessado em: 09/07/2019.
LIBÂNEO, J. C. Didática. 2ª ed., 1ª reimpressão. São Paulo: Cortez, 2013.
LOPES, M. da G. Jogos na Educação: criar, fazer e jogar.4º Edição revista, São Paulo: Cortez, 2001.
MASSON, T. J.; MIRANDA, L. F.; MUNHOZ JR., A. H.; CASTANHEIRA, A. M. P. Metodologia de Ensino: Aprendizagem Baseada em Projetos (PBL). In: COBENGE 2012 - XL CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, 2012, Belém. Anais […]. Belém: ABENGE, 2012. Disponível em: . Acessado em 24/07/2019.
MENEZES, P. H. D.; MIRANDA, L. M.; MATTOSO, V. C. Entre o lúdico e o didático: o que se aprende com brinquedos científicos. In: x ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CÊNCIAS, Águas de Lindoia. Anais […]. Águas de Lindoia, 2015. p. 1-8. Disponível em:. Acessado em: 22/07/2019.
Mitre, S. M. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, suppl. 2, p. 2133-2144, dez. 2008. Disponível em: . Acessado em: 30/07/2019.
PEDUZZI, L. O. Q. Sobre A Resolução de Problemas no Ensino da Física. Caderno Catarinense de Ensino de Física, Florianópolis, v. 14, n. 3, p.229-253, 1997. Disponível em:. Acessado em: 01/08/2019.
PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Trad. Patrícia Chitottoni Ramos. Porto Alegre: Artmed, 2000.
POZO, J.I. e ECHEVERRÍA, M.D. P. P. Aprender a resolver problemas e resolver problemas para aprender. Porto Alegre: Artes Médicas,1998.
RAU, M. C. T. D. A ludicidade na educação: uma atitude pedagógica. Curitiba: Ibpex, 2007.
RIBEIRO, L. R. C.; MIZUKAMI, M. G. An experiment with PBL in higher education as appraised by the teacher and students. Interface - Comunic Saude Educ., Botucatu, v. 9, n. 17, p. 357-68, 2005. Disponível em:. Acessado em: 25/06/2019.
SCHENEIDERS, L. A. Método da sala de aula invertida (flipped classroom). Lajeado: ed. da UNIVATES, 2018.
SIMON, E. et al. Metodologias ativas de ensino – aprendizagem e educação popular: encontros e desencontros no contexto da formação dos profissionais de saúde. Interface, Botucatu, v.18, supl.2, p.1355 – 1364, 2014. Disponível em: . Acessado em: 05/08/2019.
SOARES-LEITE, W. S.; NASCIMENTO-RIBEIRO, C. A. A inclusão das TICs na educação brasileira: problemas e desafios. magis, Revista Internacional de Investigación en Educación, Bogota, n.5, v.10, p. 173-187, 2012. Disponível em:. Acessado em: 24/07/2019.
TAJRA, S. F. Informática na educação: novas ferramentas pedagógicas para o professor na atualidade. 2. ed. São Paulo: Érica, 2000.
VIEIRA, J. A. Aprendizagem por projetos na educação superior: posições, tendências e possibilidades. Revista Travessias, Cascavel, v. 2, n. 3, 2008. Disponível em:. Acessado em: 31/07/2019.
YAMAZAKI, S. C.; YAMAZAKI, R. M. O. Jogos para o ensino de Física, Química e Biologia: elaboração e utilização espontânea ou método teoricamente fundamentado?. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia (R. B. E. C. T.), Ponta Grossa, v. 7, n. 1, p. 159-181, 2014. Disponível em: . Acessado em: 23/09/2017.
Publicado
2020-01-08
Como Citar
Brum da Rosa, J. E., & Barrera Kalhil, J. (2020). METODOLOGIAS ATIVAS NO ENSINO DE FÍSICA: UM PANORAMA DA PESQUISA STRICTO SENSO BRASILEIRA. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(4). Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3229