A FANTASIA DO REAL NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTI: ENTRE SONHOS E POSSIBILIDADES DE TRANFORMAÇÃO

Autores

  • Tony Aparecido Moreira UNESP
  • Denise Watanabe UNESP
  • José Milton de Lima UNESP
  • Márcia Regina Canhoto de Lima UNESP

Palavras-chave:

Fantasia do real, Culturas da Infância, Sociologia da Infância, Imaginário infantil, Educação Infantil

Resumo

Esta pesquisa surgiu a partir da constatação de que há uma carência de saberes sólidos em relação ao imaginário infantil, sobretudo, na perspectiva educacional. Os professores desconhecem a real importância da fantasia da criança e as maneiras de se trabalhar essa linguagem. O objetivo desta investigação consistiu em levantar dados sobre a fantasia do real, que representa a linguagem imaginária da criança, e ainda encontrar caminhos para sua contemplação no âmbito da Educação Infantil. A pesquisa teve natureza qualitativa e utilizou como método a Pesquisa-intervenção, tendo em vista a necessidade de introduzir as atividades imaginativas na realidade da instituição e comprovar as hipóteses de acordo com as experiências vividas e observadas. Os dados foram coletados por meio de um estreito acompanhamento de uma turma de crianças de Pré II em uma instituição de Educação Infantil do município de Presidente Prudente –SP, contando com a participação de outros sujeitos. A Sociologia da Infância representa o principal respaldo teórico desta investigação. Os resultados gerados representam a transformação de concepções a cerca da fantasia infantil, a obtenção de caminhos para sua valorização dentro da prática pedagógica e a comprovação da importância das experiências imaginárias na vida e educação das crianças da instituição investigada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-04-23

Como Citar

Moreira, T. A., Watanabe, D., Lima, J. M. de, & Lima, M. R. C. de. (2014). A FANTASIA DO REAL NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTI: ENTRE SONHOS E POSSIBILIDADES DE TRANFORMAÇÃO. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 10(2), 17–35. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/994