O TRABALHO COMO CATEGORIA ONTOLÓGICA: UMA ANÁLISE A PARTIR DA OBRA CINEMATOGRÁFICA “EU, DANIEL BLAKE”

uma análise a partir da obra cinematográfica “Eu, Daniel Blake”

  • Luis Henrique Zago FADAP/FAP
  • Neiva Solange Silva
  • Allan Alberto Ferreira
  • Rodrigo Nunes
  • Irineu Aliprando Tuim Viotto Filho
Palavras-chave: Ontologia; Trabalho; “Eu, Daniel Blake”.

Resumo

Realizamos neste artigo uma análise do filme “Eu Daniel Blake” tendo como base teórica a ontologia de Lukács e a teoria materialista histórico dialética. O trabalho é um requisito para aprovação no curso “A Ontologia de Lukács: Contribuições para a Pesquisa em Educação” da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Campus de Presidente Prudente. Ao longo do texto abordamos a relação entre os aspectos biológicos e culturais na formação e desenvolvimento humano; o importante papel do trabalho, essencial aos homens e mulheres como agentes teleológicos na construção de algo não dado de imediato pela natureza; o caráter libertador dessa atividade que ao contrário dos animais, presas da necessidade, nos potencializa a evoluir para além do imediato; as condições do trabalho alienado como ameaça produzida a essa liberdade e os impactos dessa forma de expropriação na subjetividade dos sujeitos. Apesar de termos construído através do trabalho as condições para que todos sejam livres e se desenvolvam, na sociedade atual observamos a precarização das condições de vida das classes que vivem do trabalho.  O estranhamento do trabalhador na relação com aquilo que produz estanca as possibilidades de transformações do indivíduo, sendo o conflito e o sofrimento as consequências dessa forma de relação. O filme “Eu Daniel Blake” demonstra de modo artístico a situação de conflito e sofrimento vivida por muitos trabalhadores na atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado: Notas sobre os aparelhos ideológicos de Estado. 7. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

CHESNAIS, François. A mundialização do Capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CORSI, Francisco Luiz. O plano real: um balanço crítico (1994-1998). Disponível em: http://globalization.cjb.net/. Acesso em: 10 jan.2005.

ENGELS Friedrich. Anti-Durhing Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cv000004.pdf Acesso em: 18 agosto. 2016.


GIDDENS, Anthony; BECK, Ulrich; LASH, Scott. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Unesp, 1997.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 8. ed. São Paulo: Loyola, 1992.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX 1914- 1991. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

JINKINGS, Nise. Trabalho e resistência na “Fonte Misteriosa”: os bancários no mundo da eletrônica e do dinheiro. Campinas: Editora da Unicamp; São Paulo, Imprensa Oficial 2002.

LEONTIEV, Alexei Nikolaevich. Atividad Conciencia y Personalidad. Habana: Pueblo y Educación, 1981.

LUKÁCS, György. As Bases Ontológicas do Pensamento e da Atividade do Homem. Temas de Ciências Humanas n. 4. Tr. C.N. Coutinho, São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1978.

MARINO FILHO, Armando. Dos cuidados à pessoa no processo terapêutico: afetividade e relações de poder na superação do sofrimento psicológico. Disponível em: http://www.aepc.es/psclinica_web/LIBRORESUMENES_2015.pdf. Acesso em: 10 dezembro. 2015.

MARX, Karl. O capital: Crítica da economia política. 19. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

MARX, Karl. Grundrisse: Manuscritos econômicos de 1857- 1858: Esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX,K e ENGELS, F. A ideologia alemã: Crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas 1845- 1846. São Paulo: Boitempo, 2007.

Marx, Karl. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. São Paulo : Boitempo, 2011.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: Rumo a uma teoria da transição. Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

PINO, Angel. As marcas do humano: às origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2005.

POLIZEL, Fatima Aparecida Palotti. Práticas pedagógicas do/a professor/a coordenador no contexto da política educacional paulista: 1995 – 2002/2003. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

RANIERI, Jesus. Sobre o conceito de ideologia. Estudos de Sociologia, Araraquara, v. 13/14: 7-36, 2002/2003.

RANIERI, Jesus. Alienação e estranhamento: a atualidade de Marx na crítica contemporânea do capital. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL KARL MARX Y LOS DESAFIOS DEL SIGLO XXI, 3., 2006, Havana. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/cuba/if/marx/documentos/22/Alienacao%20e%20estranhamento....pdf. Acesso em: 10 jun. 2015.

ROSSI, Rafael. Trabalho, Educação e Ontologia Marxiana. Revista Entreideias, Salvador, v. 6, n. 2, p. 45-66, jul./dez. 2017.

SOUSA, Vera Luisa. A trajetória de docentes no novo mundo de trabalho: resgatando algumas identidades. 2003. 00f. Dissertação (Mestrado em Educação)- Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2003.

VIGOTSKI, Lev Semyonovich. Obras escogidas, tomo III. Madri: Visor e MEC, 1995.
Publicado
2020-01-08
Como Citar
Zago, L. H., Silva, N. S., Ferreira, A. A., Nunes, R., & Viotto Filho, I. A. T. (2020). O TRABALHO COMO CATEGORIA ONTOLÓGICA: UMA ANÁLISE A PARTIR DA OBRA CINEMATOGRÁFICA “EU, DANIEL BLAKE”: uma análise a partir da obra cinematográfica “Eu, Daniel Blake”. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(4). Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3221