CONCEPÇÃO DE DOCÊNCIA: O QUE PENSAM OS PROFESSORES ALFABETIZADORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CAMPO GRANDE- MS?

Autores

  • Vilma Miranda de Brito Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul-UEMS
  • Rosangela Cristina Teixeira Fernandes Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)/ Programa de Pós-Graduação em Educação

Palavras-chave:

Formação de professores alfabetizadores. Concepção de docência. Formação continuada.

Resumo

Esse artigo apresenta os resultados da pesquisa realizada no ano de 2018, com o objetivo investigar a concepção de docência dos professores alfabetizadores a partir das políticas de formação continuada desenvolvidas na Rede Municipal de Ensino (REME) de Campo Grande/MS. Nessa perspectiva, adotou-se a pesquisa qualitativa para abordar e discutir as políticas públicas de formação de professores alfabetizadores, perpassando pelas legislações e programas de âmbito federal (Pró-Letramento e PNAIC) e municipal (Aposta no professor). A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas semiestruturadas com professores alfabetizadores nas escolas municipais de Campo Grande/MS. A pesquisa evidenciou que a concepção de docência do professor alfabetizador que atua na REME ora compreende a alfabetização como um processo gradual de aprendizagem, ora compreende a aprendizagem da alfabetização articulada com a maturidade. Identificamos, também, a concepção de docência permeada pela afetividade e pela aptidão, traçando, assim, um perfil de professor alfabetizador. E, por fim, a concepção de docência embasada na necessidade de dominar saberes sistematizados que permeiam o processo alfabetizador, o que nos possibilitou refletir e discutir sobre as formações continuadas ofertadas aos docentes da REME que centralizam as discussões nas práticas de ensino para alavancar índices educacionais. Concluiu-se que é urgente a reestruturação das formações de modo a viabilizar discussões que aliem teoria, prática e especificidades vivenciadas na sala de aula, possibilitando a aquisição de novos saberes e um olhar crítico sobre o processo de ensino-aprendizagem, proporcionando estudos e reflexões que se articulem e ressignifiquem a concepção de docência do professor alfabetizador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOLZAN, Doris Pires Vargas. MILLANI, Silvana Martins de Freitas. Aprendizagem da docência alfabetizadora: desafios à formação. Revista Contrapontos – Eletrônica. Vol. 13, n. 3, set-dez 2013. p. 186-194.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei Nº 13.005 de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União. DOU – Seção 1 - Edição Extra. Brasília/DF, 26 de junho de 2014. p. 1-7. Disponível para download em: http://portal.imprensanacional.gov.br/acervo-dou/2014/jun/26 Acesso em 21/04/2017.

BRASIL. Pró-Letramento: Programa de Formação Continuada de Professores dos Anos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental: alfabetização e linguagem. – Ed. rev. e ampl. incluindo SAEB/Prova Brasil matriz de referência/Secretaria de Educação Básica – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008. 364 p.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Formação do Professor Alfabetizador: caderno de apresentação. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. - Brasília: MEC, SEB, 2012. 40 p.

CAMPO GRANDE/MS. Lei nº 5.565 de 23 de junho de 2015. Aprova o Plano Municipal de Educação do Município de Campo Grande – MS e dá outras providências. PME 2015-2025. Diário Oficial de Campo Grande-MS, Suplemento I, Campo Grande/MS, 24 de junho de 2015. 46p. Disponível para download em: http://www.capital.ms.gov.br/cme/downloads/plano-municipal-de-educacao-campo-grandems-pme-2015-2025/ Acesso em 21/04/2017.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. A construção do campo de pesquisa sobre formação de professores. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade. Salvador/BA, vol. 22. n. 40. jul/dez, 2013. p. 145-154.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade, ano XX, nº 68, Dezembro/99 p. 109-125.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Da racionalidade técnica à racionalidade crítica: formação docente e transformação social. Perspectivas em diálogo: Revista de Educação e Sociedade. Naviraí, vol. 01, n.01, jan-jun, 2014. p. 34-42.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Formação de professores, trabalho docente e suas repercussões na escola e na sala de aula. Educação & Linguagem. ano 10, nº 15, jan.-jun. 2007. p. 82-98.

FERRARESI, P. D. Ensino fundamental de nove anos: uma ampliação de direitos? 213f. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015.

FRIGOTTO, Gaudêncio. CIAVATTA, Maria. Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educ. Soc. Campinas, vol. 24, n. 82. abril, 2003. p. 93-130.

HOÇA, Liliamar. Desenvolvimento profissional do professor alfabetizador. 37ª Reunião Nacional da ANPEd – 04 a 08 de outubro de 2015. UFSC – Florianópolis.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. et al. Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 21ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. História dos métodos de alfabetização no Brasil. Conferência proferida durante o Seminário "Alfabetização e letramento em debate", promovido pelo Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, realizado em Brasília, em 27/04/2006. p. 1-16.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Notas para uma história da formação do alfabetizador no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, n. 223, v. 89. set./dez. 2008. p. 467-476.

MOROSINI, Marilia Costa. et al. Enciclopédia de Pedagogia Universitária. 609p. Glossário. v. 2. INEP/RIES (Rede Sulbrasileira de Investigadores da Educação Superior). Brasília: INEP/MEC, 2006.

PANSINI, Flávia. MARIN, Aline Paula. O ingresso de crianças de 6 anos no ensino fundamental: uma pesquisa em Rondônia. Educação e Pesquisa. São Paulo, v.37, n.1. jan./abr. 2011. p. 87-103.

PASSOS, Tânia Maria Terra Serra dos. Análise da implementação do programa de formação continuada dos professores da rede municipal de ensino de Campo Grande/MS (2005-2012): investimento no desenvolvimento profissional docente? 137f. Dissertação. (Mestrado Profissional em Educação) – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Unidade Universitária de Campo Grande – MS. Campo Grande/MS, 2016.

SLAVEZ, Milka Helena Carrilho. Percursos identitários de Professores alfabetizadores no município de Paranaíba – MS. 182f. Tese. (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP. São Paulo/SP, 2012.

SOARES, Magda. A reinvenção da Alfabetização. Presença Pedagógica. v. 9, n. 52, jul./ago, 2003. p. 15-21.

TARDIF, Maurice. RAYMOND, Danielle. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, ano XXI, n. 73, dezembro/2000. p. 209-244.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VALLE, Rosane de Camillis Dalla. Professora Alfabetizadora: Saberes Docentes nos Anos Iniciais. 82 f. Dissertação (Mestrado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Porto Alegre/RS, 2014.

VIEGAS, Luciane Torezan. SIMIONATO, Margareth Fadanelli. BRIDI, Fabiani de Souza Romano. Formação de professores: uma análise preliminar do programa nacional de formação continuada dos professores da educação básica. Reflexão e ação. Revista do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação – Mestrado e Doutorado. v. 17, n. 2. jul-dez, 2009. p. 69-90.

VIEIRA, Suzane da Rocha. Docência, gestão e conhecimento: conceitos articuladores do novo perfil do pedagogo instituído pela resolução CNE/CP N. 01/2006. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 44. dez, 2011, p. 131-155.

Publicado

2020-12-18

Como Citar

Miranda de Brito, V., & Fernandes, R. C. T. . (2020). CONCEPÇÃO DE DOCÊNCIA: O QUE PENSAM OS PROFESSORES ALFABETIZADORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CAMPO GRANDE- MS? . Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 17, 248-261. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3689

Edição

Seção

Dossiê: Formação de Professores