A FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: LEVANTAMENTO DE NUANCES

  • Jany Rodrigues Prado Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
  • Regivane dos Santos Brito Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)
  • Claudio Pinto Nunes Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)
Palavras-chave: Educação infantil. Formação docente. Políticas educacionais.

Resumo

Este artigo apresenta um breve retrospecto do cenário histórico e político da educação infantil e a legislação pertinente a essa etapa da educação básica, a fim de analisar os sentidos que os professores da educação infantil da rede municipal de Guanambi - BA atribuem  a sua formação. A abordagem metodológica encontra-se ancorada na pesquisa qualitativa (BOGDAN; BIKLEN, 1994) que procura buscar modelos compreensivos do fenômeno estudado. Como instrumento de produção de informações, utilizou-se as conversas interativo-provocativas (NUNES, 2011). As questões abordadas ratificam a desvalorização e o dualismo que envolvem os profissionais que trabalham com este segmento. Refletem ainda a estruturação histórica que compreendeu e ainda compreende a educação infantil como etapa da educação básica voltada apenas ao cuidar e ao âmbito das políticas educacionais centradas no assistencialismo, no voluntariado, o que tem certamente contribuído para as precárias condições de trabalho docente e para precarização do profissionalismo. A análise revelou que, nos últimos anos, foram criadas importantes políticas rumo à educação de qualidade para as crianças pequenas. Entretanto, existem ainda muitos enfrentamentos que envolvem a educação infantil. Dentre eles, o da formação docente se configura como um dos maiores ao se pensar as condições de trabalho docente, pois pressupõe a revisão do status desse profissional, seu plano de carreira, sua remuneração, enfim sua profissionalização. Tais desafios se colocam ainda como impasses no atual momento histórico e político, marcado por um cenário turbulento, instável e ameaçador que se materializa em ações que afetam diretamente setores sociais como a educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADRIÃO, T. et al. Uma modalidade peculiar de privatização da educação pública: a aquisição de “sistemas de ensino” por municípios paulistas. Educação e Sociedade, Campinas, v.30, n.108, p.799-818, out. 2009.

Alarcão, I. Formação continuada como instrumento de profissionalização docente. In: Veiga, Ilma Passos Alencastro (Org.). Caminhos da profissionalização do magistério. Campinas: Papirus, 1998. p. 99-122.

ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

BALL, S. Performatividade e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e Realidade, Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 2, n. 32, p. 37-55, maio/ago. 2010.

BALL, S. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Universidade do Minho, Braga-Portugal, v.15, n.2, p. 3- 23, 2002.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto-Portugal: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Edital CAPES 06/2018 que dispõe sobre a Residência Pedagógica. Disponível em https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/01032018-Edital-6-2018- esidencia-pedagogica.pdf. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/01032018-Edital-6-2018-Residencia-pedagogica.pdf. Acesso em: 01 de out de 2019.

BRASIL. Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea "e" do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Brasília, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11738.htm. Acesso em: 11 set. 2017.

BRASIL. Lei n. 12.014, de 6 de agosto de 2009. Altera o art. 61 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com a finalidade de discriminar as categorias de trabalhadores que se devem considerar profissionais da educação. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 07 ago. 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12014.htm. Acesso em: 12 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília-DF, 1996.

BRASIL. Parecer n. 17/2012. Orientações sobre a organização e o funcionamento da Educação Infantil, inclusive sobre a formação docente, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=14597-pceb017-12-2&category_slug=novembro-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em 03 de out. de 2019.

BRITO, R. S.; PRADO, J. R.; NUNES, C. P. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Sergipe, Brasil, v. 10, n. 23, p. 165-174, set./dez. 2017. Disponível em:
http://dx.doi.org/10.20952/revtee.v10i23.6676. ISSN: 1983-6597 (versão impressa); 2358-1425 (versão online).

CAMPOS, M. M. A formação de professores para crianças de 0 a 10 anos : modelos em debate. Educação e Sociedade, Campinas, v.20, n.68, p. 126-142, 1999.

CAMPOS, M. M. Balanço analítico da educação infantil: direitos em risco e consensos possíveis. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (ANPEd), 38., 01 a 05 de outubro de 2017, São Luís-Maranhão. Disponível em: http://www.38reuniao.anped.org.br/.../trabalhoencom_38anped_2017_gt07_textomariamaltacam. Acesso em: 06 de out de 2019.

CAMPOS, M. M. et al. A gestão da educação infantil no Brasil. In: Fundação Victor Civita. Estudos realizados em 2011, FVC, 2012, p.29-102. (Estudos e pesquisas Educacionais n.3).

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GOMES, M. O. Formação de professores na educação infantil. São Paulo: Cortez, 2009.

HYPOLITO, Á. M. Trabalho docente na educação básica no Brasil: as condições de trabalho. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; VIEIRA, Lívia Maria Fraga (Org.). Trabalho na educação básica: a condição em sete estados brasileiros. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012. p. 211-229.

MANIFESTAÇÃO das entidades educacionais sobre a política de formação de professores anunciada pelo MEC. ABdC – ABRAPEC – ANFOPE – ANPAE – ANPEd – CEDES – FINEDUCA – FORUMDIR. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/notadaentidades_-_31.10.17comlogo.pdf. Acesso em: 05 de out. de 2019.

NUNES, C. P. Ciências da educação e prática pedagógica: sentidos atribuídos por estudantes de Pedagogia. Ijuí: Unijuí, 2011.

OLIVEIRA, D. A.; VIEIRA, L. M. F. Condições de trabalho docente: uma análise a partir de dados de sete estados brasileiros. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade Oliveira; VIEIRA, Lívia Maria Fraga. (Org.). Trabalho na educação básica: a condição em sete estados brasileiros. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2012. p. 153-190.

OLIVEIRA, D. A.; VIEIRA, L. M. F. (Org.). Trabalho docente: desafios e cotidiano da educação básica. Campinas: Editora Mercado de Letras, 2013. p. 153-190.

PASCAL, C.; BERTRAN, A.; HEASLIP, P. Mudanças no contexto da formação do educador infantil na Europa. In: ROSEMBERG, Fúlvia; CAMPOS, Maria Malta (Org.). Creches e pré-escolas no hemisfério Norte. São Paulo: Cortez, 1994. p. 299-322.

PINTO, M. F. O trabalho docente na educação infantil pública em Belo Horizonte. 2009. 194f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, UFMG, Belo Horizonte, 2009.

ROSEMBERG, F. Políticas de educação infantil e avaliação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 148, p. 44-75, jan./abr. 2003.

SCHEIBE, L. Valorização e formação dos professores para a educação básica: questões desafiadoras para um novo plano nacional de educação. Educação Sociedade, Campinas, v. 31, n.112, p.981-1000, jul./set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v31n112/17.pdf. Acesso em: 25 out. 2016.

TEIXEIRA, E. C. N. S. Impactos da lei do piso salarial nacional no município de Pindaí - BA e suas implicações na valorização docente: sentidos dos/as professores/as. 2016. 241f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Vitória da Conquista, 2016.

VEIGA, I. P. A. Profissão docente: novos sentidos, novas perspectivas. Campinas: Papirus, 1998.

VIEIRA, L. M. F.; SOUZA, G. Trabalho e emprego na educação infantil no Brasil: segmentações e desigualdades. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. especial 1, p. 119-139, 2010.

VIEIRA, L. M. F.; DUARTE, A. Professores da educação infantil no Brasil: Desigualdades no trabalho docente e no status social. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; FELDFEBER, Myriam; ESCOBAR, Ronal Garbelo (compiladores). Educación y trabajo docente em el nuevo escenario latino-americano: entre la mercantilización del conocimiento. Peru: Fondo Editorial, 2012. p. 195-2016.
Publicado
2020-01-08
Como Citar
Prado, J. R., Brito, R. dos S., & Nunes, C. P. (2020). A FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: LEVANTAMENTO DE NUANCES. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(4). Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3306
Seção
DOSSIÊ: EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAÇÃO DE PROFESSORES, CURRÍCULO E PRÁTICAS