RECICLAGEM AGRÍCOLA DE BIOSSÓLIDOS: ASPECTOS AMBIENTAIS E ACEITAÇÃO PÚBLICA

Autores

  • Renata Delfino Pereira UNOESTE
  • Edilene M. Murashita Takenaka UNOESTE
  • Antonio Fluminhan Jr PRPPG-UNOESTE

Palavras-chave:

Águas residuais, Biossólido, Reciclagem agrícola, Sociedade

Resumo

A população humana, enquanto parte do ecossistema terrestre, possui comportamentos que agem em sentido contrário à manutenção do equilíbrio do meio ambiente. Os principais fatores que alteram este equilíbrio estão relacionados ao consumo de recursos e energia e à produção de resíduos. As águas residuais domésticas são, basicamente, compostas por águas de banho e lavagem, urina, fezes, restos de alimentos, sabões e detergentes e o seu tratamento, além de ser uma questão de saúde pública, é uma medida de preservação ambiental. O lodo é produzido nas Estações de Tratamento de Esgoto em quantidades significativas e sua destinação final é um sério problema ambiental. Quanto ao gerenciamento deste resíduo, pode-se optar pelo descarte controlado ou a utilização para outras atividades humanas. As alterações benéficas nas características físicas, químicas e biológicas do solo, o aumento da produtividade agrícola e os consequentes benefícios socioeconômicos tornam a reciclagem agrícola a prática mais adequada dentre as formas de disposição final dos lodos residuais. Porém, a falta de aceitação pública da utilização de biossólidos, tanto por parte dos produtores quanto pelos consumidores finais, pode ser um fator de inviabilidade da atividade. O presente trabalho tem como objetivo realizar uma reflexão sobre a aceitação dos alimentos cultivados em solos tratados com biossólidos por parte da sociedade e possíveis propostas de pesquisas futuras sobre a reciclagem agrícola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-05-08

Como Citar

Pereira, R. D., Takenaka, E. M. M., & Fluminhan Jr, A. (2014). RECICLAGEM AGRÍCOLA DE BIOSSÓLIDOS: ASPECTOS AMBIENTAIS E ACEITAÇÃO PÚBLICA. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 10(2), 90–101. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/997