GÊNERO E EDUCAÇÃO, INTERFACES COM GRAFITOS EM UMA AMBIÊNCIA ESCOLAR:

POSSIBILIDADES DE PESQUISA

Autores

  • Adriano Rogério Cardoso UEMS-UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL
  • Tânia Regina Zimmermann

Palavras-chave:

Educação. Gêneros. Sexualidade. Grafitos.

Resumo

Este trabalho objetiva reflexões teórico-metodológicas em relação à pesquisa relativa as representações das sexualidades e de gênero em grafitos produzidos por adolescentes em uma Unidade Escolar no interior do Estado de São Paulo entre os anos de 2018 e 2019.  Trata-se de um objeto de estudo de caráter político-pedagógico da educação, das relações sociais e não atrelado a questões meramente técnicas. Para a metodologia optamos pela pesquisa descritiva-exploratória, de cunho qualitativo. Utilizamos elementos da Análise Crítica do Discurso (ACD), pois contribuem para pensarmos o conjunto da produção dos grafitos vistos como textos, examinarmos aspectos linguísticos, imagéticos, sociocultural, reflexões sobre o processo da pedagogia presente nos grafitos, analisarmos as tramas discursivas do poder em nossa sociedade patriarcal e cristã. Nos grafitos coletados em ambiente escolar buscamos identificar e analisar anseios, dúvidas, construção de masculinidades e feminilidades, subjetividades bem como estigmas e preconceitos de gênero.   Os resultados apontam a necessidade de reflexão, discussão, visibilidade dessa temática nos processos de formação profissional e continuada de professores, inclusão curricular, pois devido aos interesses político-pedagógicas na educação invisibilizou de seus documentos oficiais como na Base Nacional Comum Curricular questões de gênero e de sexualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, A. J. O planejamento de pesquisas qualitativas em educação. Referências Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n.77, p. 53-61, mai. 1991. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1042/1050 Acesso em: 16 jul. 2019.

BARDIN, J. L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Martins Fontes, 1977.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, Sari K. Investigação Qualitativa em Educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Ensino. Base Nacional Curricular Comum. Brasília: MEC. 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf Acesso em: 7 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Pluralidade Cultural: orientação sexual. Brasília: MEC.2001.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 07 jul. 2019.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510 de 7 de abril de 2016. Trata das especificidades éticas das pesquisas nas ciências humanas e sociais e de outras que utilizam metodologias próprias dessas áreas. Diário Oficial, 24 de maio de 2016.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

FAIRCLOUGH, N.; WODAK, R. Análisis crítico del discurso. In: VAN DIJK, T. A. El discurso como interacción social. Estudios sobre el discurso II: una introcucción multidisciplinaria. Barcelona, Espanha: Gedisa, 2000, p. 367-404. Disponível em: https://libroschorcha.files.wordpress.com/2017/12/el-discurso-como-interaccic3b3n-social-teun-van-dijk.pdf Acesso em: 18 jul. 2019.

FAIRCLOUGH, N. Language and power. London: Longman, 1989.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FÓRUM Brasileiro de Segurança Pública. 12 Anuário Brasileiro de Segurança Pública, ano 12. 09 ago. 2018. 90 p. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/03/Anuario-Brasileiro-de-Seguran%C3%A7a-P%C3%BAblica-2018.pdf Acesso em: 16 jul. 2019.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: A vontade de saber. 13.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

_________. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GHEDIN, E.; FRANCO, M. A. S. Questões de método na construção da pesquisa em educação. São Paulo: Cortez, 2011.

GIORGI, M. Mães pela Diversidade “nossos filhos não vão ser estatística”. In: Le Mond Diplomatique Brasil. Ano 12, n. 143, jun. 2019. p.6. Disponível em: https://diplomatique.org.br/edicao/edicao-143/. Acesso em: 16 jul. 2019.
GREGOLIN, M.R. V. A análise do discurso: conceitos e aplicações. Alfa, São Paulo, v. 39, p. 13-21,1995.

GERBARA, J. A. S.; SOUZA, F. M. S. Análise do discurso de escritos em carteiras e paredes de sala de aula. Interletras, v.5, n.23, p.1-11, 2016. Disponível em: http://www.interletras.com.br/ed_anteriores/n23/conteudo/artigos/2.pdf Acesso em: 18 jul. 2019.

GUNTHER, H. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 22, n. 2, p. 201-210, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ptp/v22n2/a10v22n2.pdf . Acesso em: 18 jul. 2019.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em revista. Belo Horizonte, n. 46, p. 201-218, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/n46/a08n46 Acesso em: 18 jul. 2019.

MARTINS, J. B. Pichação na escola e a construção da identidade juvenil. In: VIII ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL - ANPED Sul, 2010, Londrina, UEL. 2010, p. 1-25. Disponível em: https://www.academia.edu/1960735/Picha%C3%A7%C3%A3o_na_escola_e_a_constru%C3%A7%C3%A3o_da_identidade_juvenil Acesso em: 18 jul. 2019.

MINAYO, M.C.S.; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, v.9, n.3, p. 239-262, 1993. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/csp/v9n3/02.pdf Acesso em: 17 jul. 2019.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29 ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

NOGUEIRA, C. A análise do discurso. In: ALMEIDA, L.; FERNANDES, E. (Edts). Métodos e técnicas de avaliação: novos contributos para a prática e investigação. Braga: CEEP, 2001.

QUINALHA, R. Os direitos LGBT sob o governo Bolsonaro. In: Le Monde Diplomatique Brasil. Ano 12, n. 143, 2019. p.4-5.Disponível em: https://diplomatique.org.br/edicao/edicao-143/. Acesso em: 16 jul. 2019.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 21.ed., São Paulo: Cortez, 2000.

SCHINDHELM, V. G. A sexualidade na Educação Infantil. Revista Aleph Infâncias. v.5, n. 16, 2011. Disponível em: http://www.revistaleph.uff.br/index.php/REVISTALEPH/article/view/273/205 Acesso em: 18 jul. 2019.

SONTAG, Suzan. Sobre fotografia. São Paulo: Companhia das Letras. 2004.

TEIXEIRA BARTH, E. A Análise de Dados na Pesquisa Científica: importância e desafios em estudos organizacionais. Desenvolvimento em Questão, v. 1, n. 2, jul-dez., 2003, pp. 177-201. Disponível em: https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/desenvolvimentoemquestao/article/view/84 Acesso em: 18 jul. 2019. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2003.2.177-201

VAN DIJK, T. A. Analisis Critico del Discurso. In: Anthropos, Barcelona, 186, set./out., 1999, p.23-36. Disponível em: http://www.discursos.org/oldarticles/El%20an%E1lisis%20cr%EDtico%20del%20discurso.pdf. Acesso em: 24 abr. 2018.

VAN DIJK, T. A. Discurso e Poder.2. ed., São Paulo: Contexto, 2017.

VILELA, G. J. D. Um Estudo sobre representações de sexualidade e atitudes sexuais de adolescentes de uma Escola Pública: análise-descritiva de grafitos em carteiras escolares. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação Sexual) – Universidade Estadual de São Paulo, Araraquara, 2017.

Downloads

Publicado

2019-11-20

Como Citar

Cardoso, A. R., & Zimmermann, T. R. . (2019). GÊNERO E EDUCAÇÃO, INTERFACES COM GRAFITOS EM UMA AMBIÊNCIA ESCOLAR: : POSSIBILIDADES DE PESQUISA. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 16(3), 47–62. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3151

Edição

Seção

DOSSIÊ: RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, GÊNERO E EDUCAÇÃO