SENSIBILIZANDO PROFESSORAS DE CRECHE: A ESCUTA DE BEBÊS NO CONTEXTO DA PANDEMIA

Autores

  • Ligia de Carvalho Abões Vercelli Universidade Nove de Julho
  • Adriana da Costa Santos Prefeitura de São Bernardo do Campo

Palavras-chave:

Creche; Escuta; Sensibilização; Professores.

Resumo

O objeto da presente pesquisa é a sensibilização de professores no que se refere à escuta de bebês no período da pandemia da Covid-19. Orienta-se pela seguinte pergunta: Como sensibilizar as educadoras, em momentos de formação, para que elas avancem na escuta dos bebês? O objetivo geral é verificar como ocorre a sensibilização, por parte das professoras, para a escuta de bebês numa creche no contexto da pandemia. Como objetivos específicos buscamos sensibilizar as educadoras, em momentos de formação, para que elas avancem na habilidade de escuta dos bebês e como elas materializam tal conceito no cotidiano da instituição. Partimos da hipótese que tal escuta ainda não ocorre de forma a propiciar o protagonismo infantil, pois as educadoras, por muitas vezes, possuem discursos prontos na defesa da escuta, mas não conseguem efetivamente realizá-la de forma transformadora. O universo da pesquisa é uma Escola Municipal de Educação Básica localizada no município de São Bernardo do Campo, que atende exclusivamente a etapa creche, e as participantes são duas professoras e uma auxiliar em educação da turma Berçário (bebês de 1 ano). A metodologia utilizada é de natureza qualitativa e o instrumento de coleta de dados para a sensibilização são três propostas acordadas em conjunto. Todo material coletado foi analisado com base na análise de conteúdo de Laurence Bardin. O referencial teórico pautou-se em autores da Pedagogia Crítica.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana da Costa Santos, Prefeitura de São Bernardo do Campo

Mestra pelo Programa de Mestrado Profissional em Gestão e Práticas Educacionais, da Universidade Nove de Julho (Progepe/Uninove). Graduada em Pedagogia, com especialização em Educação Infantil, Didática e Supervisão Escolar. Atua como coordenadora pedagógica em uma creche na Rede Municipal de São Bernardo do Campo.

Referências

BARBOSA, Maria C. S.; RICHTER, Sandra R. S. Os bebês interrogam o currículo: as múltiplas linguagens na creche. Revista Educação, Santa Maria, v. 35, n. 1, p. 85-96, jan./abr. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/1605/900. Acesso em: 9 set. 2021.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS, Manoel de. Memórias inventadas: as infâncias de Manoel de Barros. São Paulo: Planeta do Brasil, 2008.

CORALINA, Cora. As cocadas. São Paulo: Global, 2007.

ESLAVA, Juan J.; ESLAVA, Clara. O gesto criativo e suas marcas originais. In: AGUILERA, Maria Isabel et al. Ritmos infantis: tecidos de uma paisagem interior. São Carlos: Pedro & João, 2020. p. 113-118.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FRIEDMANN, Adriana. A arte de adentrar labirintos infantis. In: FRIEDMANN, Adriana; ROMEU, Gabriela (org.). Quem está na escuta? Diálogos, reflexões e trocas de especialistas que dão vez e voz às crianças. São Paulo: Núcleo de Estudos e Pesquisas em Simbolismo, Infância e Desenvolvimento, 2016. p. 17-25. Disponível em: https://openaccess.blucher.com.br/article-list/9788580393514-406/list#undefined. Acesso em: 16 jan. 2022.

FRIEDMANN, Adriana. A vez e a voz das crianças: escutas antropológicas e poéticas das infâncias. São Paulo: Panda Books, 2020.

GARCIA, Andréa C. Bebês e suas professoras no berçário: estudo de interações à luz de pedagogias participativas. 2018. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LEITE, Maria Isabel; OSTETTO, Luciana Esmeralda. Formação de professores: o convite da arte. In: LEITE, Maria Isabel; OSTETTO, Luciana Esmeralda. Arte, infância e formação de professores: autoria e transgressão. Campinas: Papirus, 2004. (Coleção Ágere). p. 11-24.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: EPU, 2020.

MELLO, Suely A. A escuta como método nas relações na Escola da Infância. In: COSTA, Sinara A.; MELLO, Suely A. (org.). Teoria histórico-cultural na educação infantil: conversando com professoras e professores. Curitiba: CRV, 2017. p. 87-96.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. Pedagogia(s) da Infância: reconstruindo uma práxis de participação. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia et al. Pedagogia(s) da infância: dialogando com o passado, construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007. p. 13-36.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. A documentação pedagógica: revelando a aprendizagem solidária. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia; PASCAL, Christiane. Documentação pedagógica e a avaliação na Educação Infantil. Porto Alegre: Penso, 2019. p. 111-136.

OSTETTO, Luciana E. (org.). Registros na Educação Infantil: Pesquisa e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2017.

RINALDI, Carla. A pedagogia da escuta: a perspectiva da escuta em Reggio Emilia. In: EDWARDS, Carolyn et al. (org.). As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emilia em transformação. Porto Alegre: Penso, 2016. p. 236-247.

RINALDI, Carla. Diálogos com Reggio Emilia: escutar, investigar e aprender. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017. ROGGERO, Rosemary. Apresentação. In: ROGGERO, Rosemary (org.). Caixa de pandora: práticas sociais de gestão educacional e de gestão escolar em tempos de pandemia. São Paulo: BT Acadêmica, 2021. E-book.

SANCHES, Emilia et al. A educação na pandemia: as relações escola e família permeadas pela tecnologia. Revista Interdisciplinar em Educação e Territorialidade (RIET), Dourados, ano II, v. 2, n. 2, p. 129-147, jan./jun. 2021.

SÃO BERNARDO DO CAMPO. Prefeitura Municipal. Decreto Municipal nº 21.111, de 16 de março de 2020. Decreta Estado de Emergência, pelo prazo máximo de até 180 dias, e adota as medidas iniciais para o fim de conter o avanço da pandemia de COVID-19 no âmbito da Administração Municipal e no Município de São Bernardo do Campo e dá outras providências. São Bernardo do Campo, 2020a.

SÃO BERNARDO DO CAMPO. Prefeitura Municipal. Decreto Municipal nº 21.116, de 24 de março de 2020. Reconhece o Estado de Calamidade Pública, decorrente da pandemia do COVID-19, que atinge o Município de São Bernardo do Campo, e dá outras providências. São Bernardo do Campo, 2020b.

SÃO BERNARDO DO CAMPO. Prefeitura Municipal. Lei nº 4.681, de 26 de novembro de 1998. Dispõe sobre o Ensino Público Municipal, o Estatuto do Magistério do Município de São Bernardo do Campo, criação do Quadro Técnico Educacional, Plano de Cargos e Carreiras dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. São Bernardo do Campo, 1998.

TARDIF, Maurice; RAYMOND, Danielle. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, São Paulo, ano XXI, n. 73, p. 209-244, dez. 2000.

TOQUETÃO, Sandra C.; LIBERALI, Fernanda C. Exploração dos sentidos: revelações de uma escola de educação infantil no contexto de pandemia. In: SANCHES, Emilia M. et al. (org.). Retratos da educação da Infância em tempos de pandemia. Campinas: Pontes Editores, 2021. p. 23-42

Downloads

Publicado

2023-01-12

Como Citar

Vercelli, L. de C. A., & da Costa Santos, A. (2023). SENSIBILIZANDO PROFESSORAS DE CRECHE: A ESCUTA DE BEBÊS NO CONTEXTO DA PANDEMIA . Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 20(1), 1–26. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/4482