VIVENDO E NARRANDO O “SER PROFESSORA” DA EDUCAÇÃO INFANTIL: INCURSÕES DE FRANCISCA

Autores

  • Sílvia Adriana Rodrigues Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
  • Andreia Guilhen Pinto Secretaria Municipal de Educação de Presidente Prudente-SP

Palavras-chave:

Identidade para a docência; Saberes da profissão; Narrativa.

Resumo

A discussão ora apresentada é um recorte de uma investigação coletiva, em andamento, que objetiva compreender os caminhos de constituição da profissionalidade e identidade docente a partir de narrativas escritas por professora(e)s da Educação Básica e Ensino Superior. Assim, nos limites desse artigo são trazidas as reflexões desencadeadas pela história de uma professora atuante na Educação Infantil. A leitura dos escritos de nossa narradora, pautada no dialogismo e na alteridade, nos levou a (re)afirmar o potencial formativo e reflexivo das narrativas não só para quem narra, mas também para quem as lê; bem como, o quanto os caminhos de construção/constituição da docência - mesmo sendo particulares e singulares - recebem influência de elementos plurais e coletivos do contexto sócio-cultural (concreto e subjetivo) que os sujeitos estão inseridos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANGOTTI, Maristela. Educação Infantil: para que, para quem e por quê. In: ANGOTTI, M. (org.). Educação Infantil: para que, para quem e por quê? Campinas: Alínea, 2006. p. 15-32.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: BENJAMIN, W. Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 1987. (volume 1).

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Tradução João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação, Campinas, n. 19, p. 20-28, jan./fev./mar./abr., 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf. Acesso em: 28 abr. 2020.

BRASIL. Lei no. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Poder legislativo: Brasília, DF, 23.12.1996, Ano CXXXIV, n. 248, seção 1, p. 27766-27841,1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 20 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Coordenadoria de Educação Infantil. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF/COEDI, 2010.

CLANDININ, D. Jean; CONNELLY, F. Michael. Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. Uberlândia: EDUFU, 2011.

DUARTE JR., José Francisco. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. 2000. 233f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, 2000. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253464. Acesso em: 27 ago. 2020.

FERRAROTTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, Antonio; FINGER, M. (org.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Departamento de Recursos Humanos/ Ministério da Saúde. 1988. p. 17-34.

FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1993

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 44. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARCÍA, Carlos Marcelo O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 3, n. 3, p. 11-49, ago./dez. 2010. Disponível em: http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br>. Acesso em: 17 ago. 2020.

GATTI, Bernadete Angelina. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355 - 1379, out. – dez., 2010.

GOBBI, Márcia. Múltiplas linguagens de meninos e meninas no cotidiano da educação infantil. 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6678-multiplaslinguagens&category_slug=setembro-2010-pdf&Itemid=30192. Acesso em 28 ago. 2020.

GOMES, Alberto. A.; RODRIGUES, Silvia Adriana; SOUZA, Leandro Aparecido. Por que ser professor(a)? Reflexões sobre motivações para o ingresso na carreira docente In: Congresso de Educação do CPAN, IV, 2019. Anais on line. Corumbá, 2019. v.1. p.1 – 13

GUIMARÃES, Célia Maria; GARMS, Gilza Maria Zauhy. Currículo para a educação e o cuidado da criança de 0 a 5 anos? Revista Educação, PUC-Campinas, Campinas, n. 18, v. 1, p. 19-35, jan./abr., 2013. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/1895/1723. Acesso em: 20 ago. 2020.

NACARATO, Adair Mendes; MENGALI, Brenda Leme da Silva; PASSOS, Carmem Lúcia Brancaglin. A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar e do aprender. 1. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

NASCIMENTO, M. E. P. Os profissionais da Educação Infantil e a nova Lei de Diretrizes e Bases da

Educação Nacional. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart; PALHARES, M. S. (org.). Educação Infantil pós-LDB: rumos e desafios. Campinas: Autores Associados, 1999. p. 99-110.

OLIVEIRA, Zilma Moraes Ramos; FERREIRA, Marisa Vasconcelos; BARROS, Joseane Aparecida Bonfim. Formação continuada em educação infantil: a construção de uma agenda de possibilidades. In: GUIMARAES, Célia Maria; REIS, Pedro Guilherme da Rocha dos (org.). Professores e infâncias: estudos e experiências. Araraquara: Junqueira e Marin, 2011. p. 13-28.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias de suas vidas. In: NÓVOA, António (org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992.

PASSEGI, Maria da Conceição. Narrativas da experiência na pesquisa-formação: do sujeito epistêmico ao sujeito biográfico. Roteiro, Joaçaba, v. 41, n. 1, p. 67-86, jan./abr. 2016. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/6195624.pdf. Acesso em: 20 ago. 2020.

RODRIGUES, Sílvia Adriana. Viajando pela educação da primeiríssima infância: sentidos, crenças e valores que sustentam os saberes e as práticas pedagógicas na/da creche. 2016. 253f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2016. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/144379. Acesso em: 20 ago. 2020.

RODRIGUES, Sílvia Adriana. Mudanças e persistências na formação para docência em creches e pré-escolas. Revista Zero-a-seis, Florianópolis, v. 19, n. 36 p.328-348 | jul.-dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/19804512.2017v19n36p328/35622. Acesso em: 20 ago. 2020.

RODRIGUES, Sílvia Adriana; GOMES, Alberto Albuquerque. Sobre formação, identidade, profissionalização e histórias de vida de professores In: SITRE, VII 2018, Belo Horizonte-MG. Anais on-line. Belo Horizonte-MG: UFMG, 2018. v.1. p. 1 -14.

RODRIGUES, Sílvia Adriana; SAMBUGARI, Márcia Regina do Nascimento Linguagem escrita na Educação Infantil: produções apresentadas na ANPed (2000-2017). Revista Contemporânea de Educação, v. 13, n. 28, set./dez. 2018. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/16637/pdf. Acesso em: 20 ago. 2020.

RODRIGUES, Sílvia Adriana et al. Narrativas sobre os caminhos da profissionalidade docente: a história e os olhares de Ângela. Revista Interfaces Científicas – Educação (ahead of print), 2020.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 1999.

WEFFORT, Madalena Freire. Observação, registro, reflexão. Espaço pedagógico: São Paulo, 1995.

Publicado

2020-12-18

Como Citar

Rodrigues, S. A., & Pinto, A. G. (2020). VIVENDO E NARRANDO O “SER PROFESSORA” DA EDUCAÇÃO INFANTIL: INCURSÕES DE FRANCISCA. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 17, 336-349. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3718

Edição

Seção

Dossiê: Formação de Professores