A POSSÍVEL CONTRIBUIÇÃO DA ARQUITETURA PARA O TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA (TEA)

Autores

  • Fernanda Esteves Leirião Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Luiz Felipe da Silva Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Victor Martins de Aguiar Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Yeda Ruiz Maria unoeste

Palavras-chave:

Autismo, Percepção Sensorial, Arquitetura Humanizada, Psicologia Ambiental

Resumo

O autismo é um dos transtornos mais comuns que afetam o neurodesenvolvimento. Um indivíduo autista possui percepções sensoriais diferenciadas, com base nos sentidos de forma fragmentada, seu desenvolvimento é distinto, exigindo muitas vezes tratamentos terapêuticos. Sabendo que os seres humanos assumem comportamentos a partir de suas relações com outros indivíduos e com os espaços, a presente pesquisa busca refletir sobre a influência da ambiência, considerando os elementos de estimulação sensorial como contribuintes para o processo terapêutico e a interação do indivíduo com o meio. Levantou-se estudos bibliográficos referentes ao encontro entre psicologia e arquitetura como aliados para um projeto arquitetônico humanizado que promove a evolução do tratamento do autista. Enfim, relaciona-se a arquitetura como facilitadora para o desenvolvimento do autista trazendo diretrizes projetuais e viabilizando a otimização dos ambientes assistenciais. Além de ampliar o estudo sobre a humanização dos espaços na melhora psíquica e comportamental da pessoa dentro do espectro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9050/2015: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2015. Acesso em: 07 jul. 2022.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). DSM-5: Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 5ª ed. atual. Porto Alegre: Editora Artmed, 2014. 992 p. ISBN 978-85-8271-183-5. Disponível em: https://books.google.com.br/books/about/DSM_5.html?id=QL4rDAAAQBAJ&printsec=frontcover&source=kp_read_button&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 6 mar. 2021.

BAEZA, Alberto de Campo. La Ideia Construída: La Arquitectura a la Luz de las Palabras. 2015. Editora: General de Ediciones de Arquitetura, S.L. 63 p. ISBN 978-8494347580. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:LwOtIeOn0mkJ:oa.upm.es/ 30439/1/Idea1_opt. pdf+&cd=6&hl=pt-PT&ct=clnk&gl=pt. Acesso em 15 set. 2021.

BEAVER, Christopher. Designing Environvents for Children and Adults with ASD. 2006. Disponível em: https://www.autism.org.uk/~/media/nas/documents/working-with/creating-autism-friendlyplaces/designing_environments_for_children_adults_with_asd.ashx?la=en-gb. Acesso em: 13 jul. 2022.

GAINES, Kristi et al. Design For Autism Spectrum Disorders. New York: Routledge, 2016. 215 p. ISBN 978-1-315-85687-2. Disponível em: file:///C:/Users/feres/Downloads/9781315856872_previewpdf.pdf. Acesso em: 6 mar. 2021.

GIL, Antonio Carlos. Métodos E Técnicas De Pesquisa Social. 6ª Edição. ed. São Paulo: Editora Atlas S.A, 2008. 248 p. ISBN 978-85-224-5142-5. Acesso em: 6 mar. 2021.

LAUREANO, Claudia de Jesus Braz. Recomendações Projetuais para ambientes com atendimento de terapia sensorial direcionados a crianças com autismo. Florianópolis, 2017. Dissertação (Mestrado em

Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina. Acesso em: 13 jul. 2022.

LEITÃO, Elenara. Arquitetura: Uma experiência sensorial. Porto Alegre, 18 jul. 2011. Disponível em: https://www.elenaraleitao.com.br/2011/07/arquitetura-uma-experiencia-sensorial.html. Acesso em: 10 abr. 2021.

MIGLIANI, Audrey. Neuroarquitetura aplicada a projetos para crianças. 2 jul. 2021. Disponível em: https://www.archdaily.com.br/br/941959/neuroarquitetura-aplicada-aarquiteturas-para-criancas. Acesso em: 21 mar. 2022.

MOSTAFA, Magda. O índice de design ASPECTSS™ do autismo. 2015. Disponível em: https://www.autism.archi/aspectss. Acesso em: 07 jul. 2022.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). CID-10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10a rev. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1997. Acesso em: 6 mar. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Folha informativa: Transtorno do Espectro Autista (OMS/OPAS). 2017. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?Itemid=1098. Acesso em: 6 mar. 2021.

PAIVA, Francisco. O que é autismo? Revista Autismo, 20??. Disponível em: https://www.revistaautismo.com.br/o-que-e-autismo/. Acesso em: 10 abr. 2021.

PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele: a arquitetura e os sentidos. Tradução: Alexandre Salvaterra Porto Alegre: Bookman, 2011. 76 p. Disponível em: file:///C:/Users/feres/Downloads/os-olhos-da-pele-a-arquitetura-e-os sentidospdf_compress.pdf. Acesso em: 19 out. 2021.

QUIRK, Vanessa. Entrevista com Magda Mostafa: Pioneira no design para o autismo. 09 Out. 2013. ArchDaily. Disponível em: https://www.archdaily.com/435982/an-interview-withmagda-mostafa-pioneer-in-autism-design. Acesso em 23 jul. 2021.

SAMPAIO, Ana Virgínia Carvalhães de Faria. Arquitetura Hospitalar: projetos ambientalmente sustentáveis, conforto e qualidade. São Paulo, 2005. Dissertação (Doutorado em estruturas ambientais urbanas). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Acesso em 23 jul. 2021.

SILVA, Anny Jessyca Garcia. O espaço do desenvolvimento da criança autista: um estudo de caso exploratório a partir de procedimentos de Avaliação Pós-Ocupação. Maceió, 2018. Dissertação (Mestrado em dinâmicas do espaço habitado). Faculdadede Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Alagoas. Acesso em 08 jul. 2022.

SILVA, Germano Santos da. Como algumas pessoas autistas percebem o ambiente. 1 jul. 2017. Disponível em: https://pt.linkedin.com/pulse/como-algumas-pessoas-autistas-percebem-o-ambiente-da-silva. Acesso em: 07 jul 2022.

Downloads

Publicado

2023-01-17

Como Citar

Leirião, F. E., Silva, L. F. da, Aguiar, V. M. de, & Maria, Y. R. (2023). A POSSÍVEL CONTRIBUIÇÃO DA ARQUITETURA PARA O TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA (TEA). Colloquium Socialis. ISSN: 2526-7035, 6(1), 20–32. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/cs/article/view/4539

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)