A BUSCA PELA REALIZAÇÃO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO INSTITUTO DA ADOÇÃO

Autores

  • Sarah Carolina Colorado Borges Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Ana Augusta Rodrigues Westin Ebaid

Palavras-chave:

adoção, morosidade, adoção tardia

Resumo

O instituto da adoção sofreu ao longo dos anos inúmeras modificações, e a partir da Constituição Federal de 1988 foi quando as inovações mais importantes começaram a entrar em vigor. A partir desse momento, a adoção começou a ganhar uma nova significativa roupagem para a proteção do direito das crianças e adolescentes. No presente trabalho, através de pesquisas doutrinárias e jurisprudenciais, por meio de livros e artigos, tem a finalidade de fazer uma análise do histórico e processo da adoção que é um assunto sempre muito pertinente e discutido na sociedade, trazendo aspectos positivos, como as inovações que mudaram o foco dos pretendentes para os menores, e trouxeram uma maior garantia aos seus direitos; e aspectos negativos como os preconceitos, adoção tardia e a lentidão do nosso ordenamento jurídico. A metodologia incluiu levantamento bibliográfico. O foco principal é analisar o processo da adoção com base nos princípios da dignidade da pessoa humana encontrados em nossa Carta Magna, e os princípios que regem o instituto da adoção, e como isso tem sido aplicado no dia-a-dia das crianças e adolescentes, para assegurar seus direitos fundamentais e a convivência familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988

BRASIL. Lei n. 10.406, 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 jan. 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10406compilada.htm>. Acesso em: 10 nov. 2019.

BRASIL. LEI No 6.697, DE 10 DE OUTUBRO DE 1979. Institui o Código de Menores. Brasília, em 10 de outubro de 1979 Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1970-1979/L6697.htm> Acesso em: 07 nov. 2019.

BRASIL. LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da república Federativa do Brasil. Brasília, 13 de julho de 1990. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm>. Acesso em: 07 de novembro de 2019.

DIAS, Maria Berenice. Filhos do Afeto: questões jurídicas. In: Paulo Lôbo. 2º ed. ver. e atual. São Paulo, Revista dos Tribunais, 2017.

DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias (livro eletrônico, e-book). 4º ed. São Paulo, Revista dos Tribunais, 2016. PDF.

DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro. 5. Direito de Família. 25ª ed. São Paulo: Ed Saraiva, 2009/2010.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro, volume 6: direito de família, 11 ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

LÔBO, Paulo Luiz Netto. Direito Civil: Famílias. 4.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

MORAES, Alexandre de. Constituição do Brasil Interpretada. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2005. p. 129.

SOUZA, Radindranath Valentino A. Capelo de. A adoção: constituição da relação adoptiva. Coimbra: 1973. Op. Cit., p. 15 e 16.

Downloads

Publicado

2020-12-11

Como Citar

Borges, S. C. C., & Ebaid, A. A. R. W. (2020). A BUSCA PELA REALIZAÇÃO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO INSTITUTO DA ADOÇÃO . Colloquium Socialis. ISSN: 2526-7035, 4(2), 19–30. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/cs/article/view/3847