UM ESTUDO SOBRE A INCIDÊNCIA DE DENGUE EM MUNICÍPIOS DA REGIÃO DA ALTA PAULISTA

Autores

  • Rayane Arissa Aikawa
  • Sandra Cristina Oliveira UNESP-Tupã

Palavras-chave:

Aedes aegypti, Modelos de séries temporais, Previsão

Resumo

Atualmente a dengue é considerada um dos maiores problemas de saúde pública no Brasil e no mundo, especialmente em regiões tropicais, onde as condições ambientais (temperatura, precipitação pluviométrica, processo de urbanização, etc.) favorecem a presença de criadouros, que permitem o desenvolvimento e a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, o vetor da doença. O aumento do número de casos de dengue é resultado de vários fatores, que facilitam a introdução, a transmissão e a dispersão do vírus, tais como: a utilização de meios de transportes cada vez mais rápidos; o aumento do processo de migração humana; a urbanização desordenada; a fragilidade da estrutura e planejamento, principalmente das periferias; o acréscimo do uso de recipientes descartáveis e a falta de saneamento ambiental. Assim, o objetivo geral deste trabalho foi analisar a incidência de dengue em municípios da região da Alta Paulista. Especificamente, foram ajustados modelos fixos de séries temporais para séries históricas de incidência de dengue nos seis principais municípios da referida região e foram obtidas previsões de incidência, usando as modelagens que proporcionaram melhores ajustes aos dados. Os resultados mostraram que os modelos de alisamento exponencial são os mais robustos para ajustar os dados de incidência de dengue e, consequentemente, para realizar previsões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, M. G.; OLIVEIRA, S. C. A comparative study of Bayesian and maximum likelihood approaches for Arch models with evidence from Brazilian financial series. New Mathematics and Natural Computation, v. 07, p. 347-361, 2011.

ARAQUAN, R. B. Análise da incidência de dengue nos distritos regionais de Belo Horizonte-MG, entre os anos de 2005 a 2013. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Viçosa, UFV, Viçosa, 2014.

CLARO, L. B. L.; TOMASSINI, H. C. B.; ROSA, M. L. G. Prevenção e controle do dengue: uma revisão de estudos sobre conhecimentos, crenças e práticas da população. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 6, p. 1447-1457, Dec. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2004000600002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 jun. 2020.

GABRIEL, A. F. B.; ABE, K. C.; GUIMARAES, M. de P.; MIRAGLIA, S. G. El K. Avaliação de impacto à saúde da incidência de dengue associada à pluviosidade no município de Ribeirão Preto, São Paulo. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro, v. 26, n. 4, p. 446-452, Dec. 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-462X2018000400446&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 jun. 2020.

MAKRIDAKIS, S.; WHEELWRIGHT, S.; HYNDMAN, R. Forecasting: Methods and Applications. New York: John Wiley & Sons, 1998.

MONTEIRO, V. B.; ARAÚJO, J. A. Aspectos socioeconômicos e climáticos que impactam a ocorrência de dengue no Brasil: análise municipal de 2008 a 2011 por regressões quantílicas para dados em painel. Revista Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 5, p. 28126-28145, maio. 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-311>. Acesso em: 07 jun. 2020.

OLIVEIRA, S. C.; PEREIRA, L. M. M.; HANASHIRO, J. T. S.; VAL, P. C. A study about the performance of time series models for the analysis of agricultural prices. GEPROS. Gestão da Produção, Operações e Sistemas, v. 3, p. 11-27, 2012.

OLIVEIRA, S. C.; ANDRADE, M. G. Comparison between the complete Bayesian method and empirical Bayesian method for ARCH models using Brazilian financial time series. Pesquisa Operacional, v. 32, p. 293-313, 2012.

OPAS. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Casos de dengue nas Américas ultrapassam 3 milhões em 2019. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6108:casos-de-dengue-nas-americas-ultrapassam-3-milhoes-em-2019&Itemid=812>. Acesso em: 07 jun. 2020.

PINDYCK, R.; RUBINFELD, D. Econometria: Modelos e Previsões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

RIBEIRO, S. G. B.; OLIVEIRA, S. C.; SCALCO, A. R.; PINTO, L. B. O comportamento do preço do leite tipo C pago ao produtor no estado de São Paulo confrontado com a realidade dos produtores da microrregião de Marília. Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas, v. 5, p. 117-127, 2011.

SCANDAR, S. A S. Dengue no município de Paraíso. São Paulo/Brasil 1993. 1998. Dissertação (Mestrado em Epidemiologia) – Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, São Paulo, 1998.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE. Dados Estatísticos. Disponível em: <http://saude.sp.gov.br/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica-prof.-alexandre-vranjac/oldzoonoses/dengue/dados-estatisticos#>. Acesso em: 02 jun. 2020.

TAUIL, P. L. Urbanização e ecologia do dengue. Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade de Medicina, Universidade de Brasília. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2001.

VARELLA, D.; JARDIM, C. Coleção Doutor Drauzio Varella: Dengue e Febre Amarela. Barueri: Gold, 2009. 63p.

WANKE, P.; JULIANELLI, L. (Orgs.) Previsão de vendas: Processos organizacionais e métodos quantitativos e qualitativos. São Paulo: Atlas, 2006.

Downloads

Publicado

2021-05-11

Como Citar

Aikawa, R. A., & Oliveira, S. C. (2021). UM ESTUDO SOBRE A INCIDÊNCIA DE DENGUE EM MUNICÍPIOS DA REGIÃO DA ALTA PAULISTA. Colloquium Exactarum. ISSN: 2178-8332, 13(1), 46–53. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/ce/article/view/3968