EMBEBIÇÃO E PROFUNDIDADE DE SEMEADURA DE SEMENTES NÃO REVESTIDAS E REVESTIDAS DE FORRAGEIRAS

  • Luciana de Oliveira Derré FACEM
  • Fabiana Lima Abrantes UNOESTE
  • Elton Anderson Aranda UNOESTE
  • Eduardo Mazetti Feitosa UNOESTE
  • Ceci Castilho Custódio UNOESTE
Palavras-chave: emergência, gramíneas, Urochloa, velocidade de emergência.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos do revestimento de sementes durante a embebição e na emergência e crescimento inicial de seis gramíneas do gênero Urochloa em diferentes profundidades de semeadura. O experimento foi conduzido, na Casa de Vegetação e Laboratório de Análise de Sementes da UNOESTE, localizados em Presidente Prudente (SP), em 2013. Utilizando sementes comerciais, oriundas de um mesmo lote, revestidas e não revestidas com grafite, polímero, fungicidas e inseticidas, dos cultivares La Libertad (MG4), Xaraés, Marandú e Piatã (Urochloa brizantha), Basilisk (U. decumbens), Kennedy (Ruziziensis) (U. ruziziensis), sendo todas do mesmo lote, obtidas junto à empresa SOESP de Presidente Prudente (SP). As curvas de embebição, emergência, produção de massa seca de raiz, parte aérea e massa seca total em diferentes profundidades (zero; 1,75; 2,5; 5,0 e 7,5 cm) foram determinadas. Observou-se que a absorção de água, protrusão da raiz, emergência e índice de velocidade de emergência nas sementes revestidas é mais lenta do que nas sementes não revestidas. Independente do revestimento de sementes, os cultivares Piatã e Ruziziensis tiveram bom desempenho na profundidade de semeadura entre 2,5 e 3,5 cm; MG4 até 4,5 cm; Basilisk entre 4,0 e 5,0 cm; Marandu e Xaraés são as mais tolerantes ao aprofundamento de semeadura na faixa entre 4,0 e 6,0 cm.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-04-07
Como Citar
Derré, L. de O., Abrantes, F. L., Aranda, E. A., Feitosa, E. M., & Custódio, C. C. (2017). EMBEBIÇÃO E PROFUNDIDADE DE SEMEADURA DE SEMENTES NÃO REVESTIDAS E REVESTIDAS DE FORRAGEIRAS. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 12(2), 19-31. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ca/article/view/1627