AVALIAÇÃO DA PERCEPÇÃO MATERNA E FREQÜÊNCIA DE ALTERAÇÕES BUCAIS EM RECÉM-NASCIDOS DO HOSPITAL REGIONAL DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP

Autores

  • Luciane Regina Gava Gomes Unoeste
  • Nathalia Amada Jesus Unoeste
  • Roberta Konstansky Novais Unoeste

Palavras-chave:

Alterações bucais, bebês, odontologia, anomalias da boca, cistos de desenvolvimento

Resumo

Comumente em bebês podem aparecer diversas alterações bucais de desenvolvimento, como os cistos de inclusão, que dependendo da localização, são classificados como nódulos de Bohn, cistos da lâmina dentária e pérola de Épstein. O objetivo desta pesquisa foi analisar as alterações que ocorrem com maior frequência em crianças logo após o seu nascimento. Foram examinados 100 recém-nascidos (saudáveis e que estavam no alojamento conjunto com suas mães) na Maternidade do Hospital Regional de Presidente Prudente – SP e suas mães foram entrevistadas. Foi observado que apenas 23% das mães já haviam olhado dentro da boca de seus filhos. Após o exame da cavidade bucal dos recém-nascidos, realizado pelas pesquisadoras deste estudo, observou-se que 28% destes apresentou algum tipo de alteração bucal. Das alterações bucais presentes, 89,2% foram nódulo de Bohn, 5,4% cisto da lâmina dentária e 5,4% freio lingual curto. Quando as mães dos recém-nascidos que apresentavam alguma alteração bucal foram questionadas se essas alterações estavam dificultando a amamentação, 100% responderam que não. Os resultados confirmam que as alterações bucais em recém-nascidos não são raras, sendo assim importante que os cirurgiões-dentistas as conheçam e possam informar aos pais e demais profissionais da equipe de atendimento materno-infantil acerca das mesmas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-03-18

Como Citar

Gomes, L. R. G., Jesus, N. A., & Novais, R. K. (2011). AVALIAÇÃO DA PERCEPÇÃO MATERNA E FREQÜÊNCIA DE ALTERAÇÕES BUCAIS EM RECÉM-NASCIDOS DO HOSPITAL REGIONAL DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 2(1), 34–40. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/cv/article/view/398