PORTADORES ASSINTOMÁTICOS DE STREPTOCOCCUS PYOGENES E STAPHYLOCOCCUS AUREUS ENTRE CRIANÇAS ATENDIDAS EM UMA CRECHE

Autores

  • Alexandre Braoios UNOESTE
  • Luciana Ruano de Oliveira UNOESTE
  • Izadora Barbosa Silva UNOESTE
  • Kendrew Everton Saes de Lima UNOESTE

Palavras-chave:

Streptococcus pyogenes, Staphylococcus aureus, faringites, febre reumática

Resumo

Streptococcus pyogenes e Staphylococcus aureus são reconhecidos como importantes patógenos infantis. Faringites provocadas por esses microrganismos são comuns em indivíduos de 0 a 12 anos de idade. Em crianças atendidas em creches pode se tornar um grave problema de saúde, uma vez que a transmissão se dá via aérea e a convivência prolongada com portadores assintomáticos pode desencadear surtos de faringite. Além da faringite, S. pyogenes pode desencadear seqüelas imunológicas graves. A febre reumática e a glomerulonefrite aguda são distúrbios imunológicos que podem causar lesões cardíacas e renais. Essas patologias exigem tratamento continuado para evitar re-infecção. A detecção precoce de portadores assintomáticos pode ajudar na prevenção dessas seqüelas, através de tratamento profiláticos com antibióticos adequados. Após o desenvolvimento da seqüela não há tratamento disponível para a cura do paciente. Este trabalho tem por objetivo detectar portadores assintomáticos de S. pyogenes e S. aureus entre crianças atendidas na creche “Associação Municipal de Proteção ao Menor” na cidade de Presidente Bernardes – SP. Para tanto, foram coletadas amostras orofaríngeas com o auxílio de swab embebido em solução fisiológica estéril. Após o cultivo das amostras, bactérias suspeitas de pertencerem a um dos gêneros citados, foram submetidas à identificação bioquímica convencional. Foram coletadas amostras de 122 crianças de 0 a 6 anos. Em 10 crianças (8,2%) foram isoladas amostras de S. aureus e em 2 crianças (1,6%) foram isolados S. pyogenes. Apesar do baixo índice de portadores, essas poucas crianças que carreiam estes microrganismos podem se tornar fontes de contágio para os indivíduos que convivem junto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-02-16

Como Citar

Braoios, A., Oliveira, L. R. de, Silva, I. B., & Lima, K. E. S. de. (2009). PORTADORES ASSINTOMÁTICOS DE STREPTOCOCCUS PYOGENES E STAPHYLOCOCCUS AUREUS ENTRE CRIANÇAS ATENDIDAS EM UMA CRECHE. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 1(1), 25–29. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/cv/article/view/142