PENFIGÓIDE BOLHOSO INDUZIDO POR FÁRMACO: UM RELATO DE CASO

  • Danielle Ferreira Lonchiati UNOESTE
  • Beatriz Segatto de Oliveira UNOESTE
  • Andressa Leilane Ferreira Silva UNOESTE
  • Beatrice Santos Souza UNOESTE
  • Murilo de Oliveira Lima Carapeba Hospital Regional de Presidente Prudente
  • Luíza Ribeiro Pivaro Hospital Regional de Presidente Prudente
  • Leandra Ernst Kerche UNOESTE
Palavras-chave: Dermatose bolhosa, Penfigóide bolhoso, Farmacodermia.

Resumo

Farmacodermias são reações tegumentares e/ou sistêmicas produzidas pelo uso de medicamentos, sendo o penfigóide bolhoso uma patologia que pode ser desencadeado por diversas drogas. Paciente do sexo feminino, 85 anos, referiu bolhas difusas pelo corpo após internação prévia. Observou-se a presença de bolhas tensas íntegras e rotas, crostas e máculas hipocrômicas em pernas, antebraços e mãos, sem queixa de dor ou prurido. Constava em prontuário uso de diversos medicamentos. Paciente foi internada para investigação da etiologia. Foi solicitada dosagem de coproporfirina e uroporfirina que se apresentaram negativas, descartando a hipótese de porfiria cutânea tarda, e foi realizada biópsia cutânea de uma bolha, sugerindo diagnóstico de penfigóide bolhoso de etiologia farmacológica. Foi suspenso o uso de antibióticos e as medicações de uso contínuo para tratamento de hipertensão arterial e doença arterial obstrutiva periférica foram mantidas. Paciente evoluiu estável e sem intercorrências, com uso de prednisona oral e dexametasona tópica, obtendo melhora das lesões com evolução para ausência de bolhas, observando-se apenas lesões residuais. Pela análise das variáveis do caso pressupõe-se que as quinolonas foram as responsáveis pelo quadro. Ressalta-se a importância do reconhecimento das reações medicamentosas existentes e do questionamento do uso de medicamentos, garantindo assim diagnóstico precoce seguido da suspensão da medicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle Ferreira Lonchiati, UNOESTE
Faculdade de Medicina, UNOESTE, Presidente Prudente, Brasil.
Beatriz Segatto de Oliveira, UNOESTE
Faculdade de Medicina, UNOESTE, Presidente Prudente, Brasil.
Andressa Leilane Ferreira Silva, UNOESTE
Faculdade de Medicina, UNOESTE, Presidente Prudente, Brasil.
Beatrice Santos Souza, UNOESTE
Faculdade de Medicina, UNOESTE, Presidente Prudente, Brasil.
Murilo de Oliveira Lima Carapeba, Hospital Regional de Presidente Prudente
Hospital Regional de Presidente Prudente, Brasil.
Luíza Ribeiro Pivaro, Hospital Regional de Presidente Prudente
Hospital Regional de Presidente Prudente, Brasil.
Leandra Ernst Kerche, UNOESTE
Graduada em Ciências Biológicas pela UEL (2005), Mestre em Biotecnologia pela UEL (2010) e Doutoranda em Biomateriais pela Unesp de Pres. Prudente. Trabalhos com ênfase em Biomateriais, Mutagênese e Genética do Câncer.
Publicado
2020-06-05
Como Citar
Lonchiati, D. F., de Oliveira, B. S., Silva, A. L. F., Souza, B. S., Carapeba, M. de O. L., Pivaro, L. R., & Kerche, L. E. (2020). PENFIGÓIDE BOLHOSO INDUZIDO POR FÁRMACO: UM RELATO DE CASO. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 12(2), 6-11. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/cv/article/view/2508

Outros artigos do(s) mesmo(s) autor(es)