INFLUÊNCIA DA INCORPORAÇÃO DE VINHAÇA NAS PROPRIEDADES DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS NO ESTADO FRESCO

Autores

  • Victor Nehring Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Rayssa Silva Menezes Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Lucas Henrique Pereira Silva Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Jacqueline Roberta Tamashiro Berguerand Xavier Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Fabio Friol Guedes de Paiva Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Angela Mitie Otta Kinoshita Universidade do Oeste Paulista

Palavras-chave:

tempo de pega, vinhaça, calorimetria

Resumo

Na utilização do Cimento Portland em grandes volumes de concreto, tensões de tração e compressão são introduzidas no sistema que podem apresentar patologias como microfissuras relacionadas a variações bruscas de volume e temperatura. Estudos tratam do uso da sacarose como aditivo retardador da hidratação do cimento e apresentam bons resultados. Neste sentido a vinhaça é uma fonte de sacarose ainda pouco explorada. A vinhaça é um subproduto da indústria sucroalcooleira, produzida em grandes volumes, tornando-a bastante atrativa nessa aplicação. Este estudo buscou analisar a influência da vinhaça na hidratação de pastas de cimento. Para isso a vinhaça foi caracterizada em relação ao teor de açúcares redutores totais (ART) e açúcares solúveis totais (AST) pelo método Fehling e utilizada em substituição a água nas quantidades de 25%, 50% e 100%. As pastas produzidas foram analisadas a partir da consistência, tempo de pega e variação de temperatura na hidratação. Os resultados apontam que a menor quantidade de substituição (25%) acarreta aumento nos tempos iniciais e finais de pega enquanto quantidades maiores não causaram os mesmos benefícios. O teste de calorimetria confirmou os resultados obtidos pelo ensaio do tempo de pega mostrando menor variação de temperatura da pasta com 25% de substituição da água pela vinhaça.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABNT. NBR 16606: Cimento Portland — Determinação da pasta de consistência normal. Rio de Janeiro: ABNT, 2018a.

ABNT. NBR 16607: Cimento Portland — Determinação dos tempos de pega. Rio de Janeiro: ABNT, 2018b.

AHMAD, S.; LAWAN, A.; AL-OSTA, M. Effect of sugar dosage on setting time, microstructure and strength of Type I and Type V Portland cements. Case Studies in Construction Materials, v. 13, p. e00364, dez. 2020. https://doi.org/10.1016/j.cscm.2020.e00364

AMBROZEWICZ, P. H. L. Materiais de Construção Civil: Normas, especificações, aplicação e ensaios de laboratório. São Paulo: PINI, 2012.

ARAÚJO, J. M. Tensões térmicas em blocos de concreto armado. Teoria e Prática na Engenharia Civil, v. 22, p. 1–14, 2013.

ASSI, L. N.; DEAVER, E. (EDDIE); ZIEHL, P. Using sucrose for improvement of initial and final setting times of silica fume-based activating solution of fly ash geopolymer concrete. Construction and Building Materials, v. 191, p. 47–55, dez. 2018. https://doi.org/10.1016/j.conbuildmat.2018.09.199

IAL, I. A. L. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo, Brasil: [s.n.]. v. 4

JAMIL, N. N. B. The effect of natural retarder on geopolymer concrete with different curing regime. [s.l.] Universiti Teknologi Petronas, 2010.

JUMADURDIYEV, A. et al. The utilization of beet molasses as a retarding and water-reducing admixture for concrete. Cement and Concrete Research, v. 35, n. 5, p. 874–882, maio 2005. https://doi.org/10.1016/j.cemconres.2004.04.036

KUMAR, M.; SINGH, S. K.; SINGH, N. P. Heat evolution during the hydration of Portland cement in the presence of fly ash, calcium hydroxide and super plasticizer. Thermochimica Acta, v. 548, p. 27–32, nov. 2012. https://doi.org/10.1016/j.tca.2012.08.028

KUSBIANTORO, A. et al. Development of Sucrose and Citric Acid as the Natural based Admixture for Fly Ash based Geopolymer. Procedia Environmental Sciences, v. 17, p. 596–602, 2013. https://doi.org/10.1016/j.proenv.2013.02.075

LEME FILHO, J. R. A. Estudo comparativo dos métodos de determinação e de estimativa dos teores de fibra e de açúcares redutores em cana-de-açúcar (Saccharum spp.). Piracicaba: Universidade de São Paulo, 2005.

LEONHARDT, F.; MONNIG, E. Construções de concreto - volume 1: princípios básicos do dimensionamento de estruturas de concreto armado. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 1977.

NEVILLE, A. M. Propriedades do concreto. Porto Alegre: Bookman, 2016.

RATTANASAK, U.; PANKHET, K.; CHINDAPRASIRT, P. Effect of chemical admixtures on properties of high-calcium fly ash geopolymer. International Journal of Minerals, Metallurgy, and Materials, v. 18, n. 3, p. 364–369, 29 jun. 2011. https://doi.org/10.1007/s12613-011-0448-3

SOTOLONGO, R.; GAYOSO, R.; GÁLVEZ, M. Contribución al estudio de la sacarosa como aditivo retardador de la hidratación del cemento. Materiales de Construcción, v. 43, n. 230, p. 37–39, 30 jun. 1993. https://doi.org/10.3989/mc.1993.v43.i230.682

VALIN JR, M. DE O. et al. Influência de diferentes climas urbanos na qualidade do concreto. Revista Engenharia e Construção Civil, v. 3, p. 40–54, 2016.

VIECILI, M. J. C.; HASTENPFLUG, D.; GIRARDI, R. Comparativo entre o teste de Vicat e a calorimetria semi-adiabática para determinação do tempo de início e fim de pega em cimentos Portland. Matéria (Rio de Janeiro), v. 23, n. 3, 18 out. 2018. https://doi.org/10.1590/s1517-707620180003.0506

Publicado

2020-12-03

Como Citar

Nehring, V., Menezes, R. S., Silva, L. H. P., Xavier, J. R. T. B., Paiva, F. F. G. de, & Kinoshita, A. M. O. (2020). INFLUÊNCIA DA INCORPORAÇÃO DE VINHAÇA NAS PROPRIEDADES DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS NO ESTADO FRESCO. Colloquium Exactarum. ISSN: 2178-8332, 12(2), 38-44. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ce/article/view/3813

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##