A RELAÇÃO MÃE-BEBÊ NO AMBIENTE HOSPITALAR: UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO PSICANALÍTICA BRASILEIRA

Autores

  • Meirize Picoli de Lima Universidade Estadual Paulista - Unesp, campus de Assis
  • Jorge Luís Ferreira Abrão Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - UNESP, campus de Assis

Palavras-chave:

Palavras-chave: Relação mãe-bebê, patologia, internação, psicanálise

Resumo

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo identificar e analisar a produção brasileira sobre a observação e a intervenção psicanalítica da relação pais-bebê nos últimos 20 anos no Brasil por intermédio de artigos publicados em periódico nacionais. A partir do método “Estado da Arte” foi realizado o levantamento bibliográfico que permitiu buscar através de dois bancos de dados “Portal de Periódicos Eletrônicos de Psicologia (PePSIC) e “Scientific Electronic Library Online (SciELO) os artigos relacionados ao tema proposto. A partir desse levantamento foram encontrados oito artigos sobre o nascimento e a internação de bebês com patologia orgânica, dos quais foram divididos em duas temáticas “Função materna e preocupação materna primária” e “Adoecimento e hospitalização do recém-nascido”. A partir da análise desses trabalhos podemos concluir que essas produções tem sido uma importante ferramenta para compreender sobre a atuação dos psicólogos nesse contexto e as dificuldades encontradas pelos pais diante do nascimento e internação do filho com patologia. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Luís Ferreira Abrão, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - UNESP, campus de Assis

Dr. Jorge Luís Ferreira Abrão, Professor Associado/Livre-docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP, campus de Assis.

Referências

Abrão JLF. As vicissitudes da clínica psicanalítica com crianças no século XXI: delimitação de parâmetros técnicos no contexto brasileiro [Tese de Livre Docência]. Assis: Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista de Assis, 2012.

Teperman, D. W. Clínica Psicanalítica com bebês: uma intervenção a tempo. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2005.

Kompinsky E. Observação de bebês: método e sentimentos do observador. In: Caron, N. A (org). A relação Pais-Bebê: da observação à clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2000. p. 9-43.

Mélega MP, Sonzogno MC. (Orgs.). O olhar e a escuta para compreender a primeira infância. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2008.

Dolto, F. Tudo é linguagem. São Paulo: Martins Fontes; 1999.

Szejer, M. Palavras para nascer: a escuta psicanalítica na maternidade. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1999.

Ferreira, NSA. As pesquisas denominadas “Estado da Arte”. Scielo [Internet]. 2002; (79): 257-72. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302002000300013

Jerusalisnky J. Do neonato ao bebê: a estimulação precoce vai à UTI neonatal. Estilos da Clínica [Internet]. 2000; 5 (8): 49-63. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v5i8p49-63

Santos LC, Vorcaro AMR. Implicações da patologia e da hospitalização do bebê ao nascer: a contribuição da psicanálise e de seu método clínico. Estilos clin. [Internet]. 2016 Maio-ago; 21 (2): 282-301. DOI: http://dx.doi.org/http//dx.doi.org/0.11606/issn.1981-1624.v21i2p282-301

Iungano EM, Tosta RM. (2009). A realização da função materna em casos de adoecimento da criança. Boletim Academia Paulista de Psicologia [Internet]. 2009 Jun; 29 (1), 100-119. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2009000100009.

Anauate C, Amiralian MLTM. A importância da intervenção precoce com pais de bebês que nascem com alguma deficiência. Educ. rev [Internet]. 2007; (30): 197-210. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40602007000200013

Martins AO, Rocha GM. O Psicanalista na clínica com bebês hospitalizados. Estilos clin [Internet]. 2017 Set-dez; 22 (3): 507-521. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v22i3p507-521

Hartmann, JB, Santos KR, Antoniassi RPN. Ele ou ela? quando é necessário conceber, ressignificar e renascer no imaginário dos pais – intervenções psicológicas. Rev. SBPH [Internet]. 2010 Jul-dez; 13 (2): 192-209. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582010000200003&lng=pt.

Battikha EC, Faria MCC, Kopelman BI. As Representações Maternas acerca do Bebê que Nasce com Doenças Orgânicas Graves. Psicologia: Teoria e Pesquisa [Internet]. 2007 Jan-mar; 23 (1), 017-024 https://doi.org/10.1590/S0102-37722007000100003

Azevedo CS, Vodopives Pfeil NV. No fio da navalha: a dimensão intersubjetiva do cuidado aos bebês com condições crônicas complexas. Physis: Revista de Saúde Coletiva [Internet]. 2019; 29 (4): 1-17. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312019290406

Downloads

Publicado

2022-07-05

Como Citar

Picoli de Lima, M., & Luís Ferreira Abrão, J. (2022). A RELAÇÃO MÃE-BEBÊ NO AMBIENTE HOSPITALAR: UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO PSICANALÍTICA BRASILEIRA. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 13(3), 62–68. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/cv/article/view/4120