VIGOR DE SEMENTES DE CENOURA RECOBERTAS COM BIOESTIMULANTE DE Solieria filiformis

Autores

  • Leticia Camara Vieira UFFS
  • Douglas Cristian Lucas UFFS
  • Mariana Bertoncini Peixoto da Silva UFFS
  • Flavia Bedin UFFS
  • Vanessa Neumann Silva UFFS

Palavras-chave:

Daucus carota, alga vermelha, estresse térmico

Resumo

Para garantir sementes com alta qualidade fisiológica resultando em um estande de plantas uniforme, resiliente e tolerante a estresses abióticos, procedimentos que possam melhorar o potencial da semente, como a utilização de bioestimulantes, necessitam ser estudados. O objetivo deste trabalho foi verificar o efeito do recobrimento de sementes de diferentes cultivares de cenoura com bioestimulante a base da alga Solieria filiformis na germinação de sementes e desenvolvimento de plântulas em estresse térmico. O experimento foi conduzido em delineamento experimental inteiramente casualizado, com esquema fatorial 4 x 4 (cultivares e doses), com cinco repetições. Foram utilizadas sementes de cenoura das cultivares Brasília, Danvers, Esplanada e Planalto, e o recobrimento das sementes foi realizado com as doses de 0, 2, 4 e 8 mL.L-1 de bioestimulante. Após o recobrimento as sementes foram submetidas as seguintes avaliações: porcentagem e velocidade de germinação, comprimento de plântulas, massa seca de plântulas e envelhecimento acelerado.   Os resultados obtidos foram submetidos à análise de variância e à análise de regressão (doses) e teste de Tukey (cultivares). Não houve melhorias na germinação e crescimento de plântulas de cenoura em condições adequadas de temperatura, contudo observou-se maior velocidade de germinação na temperatura de 30°C para a cultivar Brasília, incremento no crescimento de parte aérea e de raiz de plântulas na temperatura de 30°C para as cultivares Esplanada e Planalto e massa seca de raiz para a cultivar Brasília na temperatura ideal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, A.S.; TILLMANN, M.A.A.; VILLELA, F. A.; PINHO, M. da S. Bioativador no desempenho fisiológico de sementes de cenoura. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 3, p. 87-95, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/s0101-31222009000300010.
BOLTON, A.; NIJABAT, A.; MAHMOOD-UR-REHMAN, M.; NAVEED, N.H.; MANNAN, A.T.M. ALI, A.; SIMON, P. Variation for Heat Tolerance During Seed Germination in Diverse Carrot [Daucus carota (L.)] Germplasm. HORTSCIENCE, v. 54, n.9, p.1470–1476. 2019. https://doi.org/10.21273/HORTSCI14144-19
BRASIL. Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil. Mapeamento e qualificação da cadeira produtiva das hortaliças do Brasil. Brasília: CAN, 2017. 79p. (a)
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de Análise Sanitária de Sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília, DF: Mapa/ACS, 2009. 200p (b).
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília, DF: Mapa/ACS, 2009. 395p (c).
CASTRO, P.R.C.; PITELLI, A.M.C.M.; PERES, L.E.P.; ARAMAKI, P.H. Análise da atividade hormonal de tiametoxam através de biotestes. Revista de Agricultura, v. 83, p.208-213, 2008.
CECATO, A.; MOREIRA, G. C. Aplicação de extrato de algas em alface. Cultivando O Saber, Cascavel, v. 6, n. 2, p. 89-96, 2013.
FERRAZ, A.; SILVA, V. N.; RADUNZ, A. L. Condicionamento fisiológico de sementes de chicória com Ascophyllum nodosum. Cultura Agronômica: Revista de Ciências Agronômicas, v. 28, n. 2, p. 215-226, 2019. Revista Cultura Agronomica. http://dx.doi.org/10.32929/2446-8355.2019v28n2p215-226.
GEHLING, V. M.; BRUNES, A. P.; DIAS, L. W.; AISENBERG, G. R.; AUMONDE, T. Z. Desempenho fisiológico de sementes de trigo tratadas com extrato de alga Ascophyllum nodosum (L.). Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 10, n. 19, p. 743-749, 2014.
ISLA SEMENTES: Cenoura Danvers Meio Comprida. Cenoura Danvers Meio Comprida. Disponível em: https://isla.com.br/produto/cenoura-danvers-meio-comprida/92. Acesso em: 20 maio 2020.
ISTA. 2015. International rules for seed testing. Basserdorf, Switzerland: International Seed Testing Association.
JAN, S.A. Impact of salt drought, heat and frost stresses on morphobiochemical and physiological properties of Brassica species: An updated review. Journal of Rural Development and Agriculture, v.2, n.1, p. 1-10, 2017.
LUZ, J. M. Q.; A SILVA JÚNIOR, J.; TEIXEIRA, M. S.; SILVA, M. A.; SEVERINO, G. M; MELO, B. de. Desempenho de cultivares de cenoura no verão e outono-inverno em Uberlândia-MG. Horticultura Brasileira, v. 27, n. 1, p. 96-99, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-05362009000100019 .
NASCIMENTO, W.M. Temperatura x Germinação. SeedNews, v.4, p.44-45, 2000.
MARCOS FILHO, J. Seed vigor testing: an overview of the past, present and future perspective: an overview of the past, present and future perspective. Scientia Agricola, v. 72, n. 4, p. 363-374, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/0103-9016-2015-0007
MIRANDA, R. M. de et al. Physiological quality, anatomy and histochemistry during the development of carrot seeds (Daucus carota L.). Ciência e Agrotecnologia, v. 41, n. 2, p. 169-180, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/1413-70542017412009216.
PEREIRA, R. S.; NASCIMENTO, W. M.; VIEIRA, J. V. Germinação e vigor de sementes de cenoura sob condições de altas temperaturas. Horticultura Brasileira, v. 25, n. 2, p. 215-219, 2007.
RODRIGUES, E. R. de O. Extratos alcalinos das algas pardas ascophyllum nodosum e sargassum cymosum como bioestimulantes de cultivares de oryza sativa. 2018. 119 f. Tese (Doutorado em biotecnologia e biociências)-Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.
SHUKLA, P. S.; BORZA, T.; CRITCHLEY, A. T.; PRITHIVIRAJ, B. Carrageenans from Red Seaweeds As Promoters of Growth and Elicitors of Defense Response in Plants. Frontiers In Marine Science, v. 3, p. 1-9, 2016. http://dx.doi.org/10.3389/fmars.2016.00081.
SILVA, C. P.; GARCIA, K. G. V.; SILVA, R. M. da; OLIVEIRA, L. A. de A.; TOSTA, M. da S. Desenvolvimento inicial de mudas de couve-folha em função do uso de extrato de alga (Ascophyllum nodosum). Revista Verde, v. 6, n. 1, p. 7-11, 2012.
SILVA, G. O. da; VIEIRA, J.V.; NASCIMENTO, W. M. Estratégias de seleção para germinação de sementes de cenoura em altas temperaturas. Semina: Ciências Agrárias, v. 32, n. 3, p. 849-854, 2011. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2011v32n3p849.
SANTOS, P. L. F. dos; ZABOTTO, A. R.; JORDÃO, H. W. C.; VILLAS BOAS, R. L.; BROETTO, F.; TAVARES, A. R. Use of seaweed-based biostimulant (Ascophyllum nodosum) on ornamental sunflower seed germination and seedling growth. Ornamental Horticulture, v. 25, n. 3, p. 231-237, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/2447-536x.v25i3.2044.
SORGATTO, K. P.; SILVA, V. N. Embebição de sementes de salsa com Ascophyllum nodosum: efeitos na germinação e crescimento de plântulas sob estresse térmico. : efeitos na germinação e crescimento de plântulas sob estresse térmico. Acta Biológica Catarinense, v. 5, n. 3, p. 98-106, 2018. http://dx.doi.org/10.21726/abc.v5i3.518.
SOUZA, B. G. de A.; PEREIRA, L. A. Freitas; SOUZA, J.V.G.A.; ALBUQUERQUE, J.R.T.S.; SOUSA, L.V.; BARROS JÚNIOR, A.P. Crescimento e desenvolvimento de mudas de tomate sob efeito de extrato Ascophyllum nodosum. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 12, n. 4, p. 712-716, 2017. http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v12i4.4932.
TORRES, P.; NOVAES, P.; FERREIRA, L. G.; SANTOS, J. P.; MAZEPA, E.; DUARTE, M. E. R.; NOSEDA, M. D.; CHOW, F.; SANTOS, D. Y. A.C. Effects of extracts and isolated molecules of two species of Gracilaria (Gracilariales, Rhodophyta) on early growth of lettuce. Algal Research, v. 32, p. 142-149, 2018. http://dx.doi.org/10.1016/j.algal.2018.03.016.
VAN OOESTEN, M. J.; PEPE, O.; PASCALE, S. de; SILLETTI, S.; MAGGIO, A. The role of biostimulants and bioeffectors as alleviators of abiotic stress in crop plants. Chemical and Biological Technologies in Agriculturen, v. 4, n.5, p.1-12, 2017. http://dx.doi.org/10.1186/s40538-017-0089-5
VIEIRA, J.V.; CRUZ, C.D.; NASCIMENTO, W.M.; MIRANDA, J.E.C. Seleção de progênies de meio-irmãos de cenoura baseada em características de sementes. Horticultura Brasileira, v. 23, p.44-47, 2005.
VIEIRA, J.V.; SILVA, G.O.; CHARCHAR, J.M.; FONSECA, M.; SILVA, J.B.C.; NASCIMENTO, W.M.; BOITEUX, L.S.; PINHEIRO, J.B.; REIS, A.; RESENDE, F.V.; CARVALHO, A.D.F. BRS Planalto: cultivar de cenoura de polinização aberta para cultivo de verão. Horticultura Brasileira, v. 30, p.359-363, 2012. https://doi.org/10.1590/S0102-05362012000200030.
VIEIRA, J. V.; CHARCHAR, J.M.; RESENDE, F.V.; FONSECA, M.E.N.; CARVALHO, A.M.; MACHADO, C.M.M.Esplanada: cultivar de cenoura de verão para fins de processamento. : cultivar de cenoura de verão para fins de processamento. Horticultura Brasileira,, v. 23, n. 3, p. 851-852, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-05362005000300032
VIEIRA, J.V.; PESSOA, H.B.S.V.; MAKISHIMA, N. A cultura da cenoura. Embrapa Hortaliças. Brasília, (Coleção plantar; 43), 1999. 77p.

Downloads

Publicado

2021-03-08

Como Citar

Camara Vieira, L., Cristian Lucas, D., Bertoncini Peixoto da Silva, M., Bedin, F., & Neumann Silva, V. (2021). VIGOR DE SEMENTES DE CENOURA RECOBERTAS COM BIOESTIMULANTE DE Solieria filiformis. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 17(1), 93–103. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/ca/article/view/3538