DESENVOLVIMENTO DE ALTERNARIA SOLANI SOBRE DIFERENTES MEIOS DE CULTURA, FOTOPERÍODO E TEMPERATURA

Autores

  • Camila Hendges PUCPR
  • Márcia Holanda Nozaki Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Palavras-chave:

etiologia, Lycopersicon esculentum, pinta preta.

Resumo

O tomateiro está entre as hortaliças mais cultivadas, porém é altamente susceptível ao ataque de patógenos. A pinta-preta é uma das doenças mais frequentes sendo constatada em condições de alta umidade e temperatura, ou seja, ideais ao desenvolvimento do patógeno. O objetivo do presente trabalho foi avaliar o efeito dos meios de cultura, temperatura e fotoperíodo no crescimento micelial e esporulação de Alternaria solani. Foram realizados diferentes ensaios. O primeiro, de diferentes meios de cultura com os tratamentos: 1) BDA; 2) BDA+Polpa de Tomate; 3) BDA+Folha de Tomate; 4) BDA+Cenoura e 5) Aveia+Ágar, com 4 repetições. O segundo de luminosidade: 1) escuro, 2) fotoperíodo alternado e 3) claro contínuo, com 7 repetições. E, por fim, o de temperatura, constituído por: 1) 25°C; 2) 30°C e 3) temperatura ambiente, com 7 repetições. Foram realizadas avaliações diárias de crescimento micelial e esporulação do patógeno ao final de cada ensaio. Dados foram submetidos à análise pelo teste de Tukey a 5%. Houve interferência no crescimento e esporulação da Alternaria solani, destacando-se o meio BDA+Polpa de Tomate, fotoperíodo escuro e temperatura de 30°C. Conclui-se que, em estudos de etiologia do patógeno, os fatores climáticos e de meio podem interferir no crescimento e reprodução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Hendges, PUCPR

Engenheira agrônoma graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Márcia Holanda Nozaki, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Professora Doutora do Departamento de Agronomia

Downloads

Publicado

2017-08-04

Como Citar

Hendges, C., & Nozaki, M. H. (2017). DESENVOLVIMENTO DE ALTERNARIA SOLANI SOBRE DIFERENTES MEIOS DE CULTURA, FOTOPERÍODO E TEMPERATURA. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 13(1), 16–24. Recuperado de https://journal.unoeste.br/index.php/ca/article/view/1290