COMPARAÇÃO DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL E PÓS-CERVICAL SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE SUÍNOS

  • Andrea Francisca Araujo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Goiano
  • Jeferson Corrêa Ribeiro Instituto Federal Goiano - campus Morrinhos
  • Andreia Santos Cezário Instituto Federal Goiano - campus Morrinhos
  • Crislaine Messias de Souza Instituto Federal Goiano - campus Morrinhos
  • Wallacy Barbacena Rosa dos Santos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Goiano – IF
  • Aline Sousa Camargos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Goiano – IF
Palavras-chave: falhas reprodutivas, gestações, inseminação pós-cervical, leitões, matrizes

Resumo

Este trabalho objetivou comparar o efeito da inseminação artificial (IA) convencional e pós-cervical (PC) sobre a eficiência reprodutiva de suínos, avaliando taxa de prenhez, ocorrência de falhas reprodutivas e índices de leitões. O estudo foi conduzido em granja comercial, onde os dados de 364 matrizes suínas foram distribuídos aleatoriamente em três grupos: Convencional (n= 153) – IA convencional 12 e 24 horas após a detecção do cio; PC24 (n = 77) – IA pós-cervical 12 e 36 horas após a detecção de cio; e PC12 (n = 134) – IA pós-cervical 12 e 24 horas após a detecção de cio. Foi registrada a ocorrência das falhas reprodutivas: aborto, micro-aborto e repetição de cio. As gestações e partos foram acompanhados e os leitões nascidos foram avaliados. Os dados foram registrados em software especializado (AGRINESS S2 versão 5.5.6). As taxas percentuais das falhas reprodutivas observadas e os dados foram submetidos à análise estatística pelo teste de Kruskal-Wallis (SAS, 2008), ao nível de significância de 5%. As taxas de aborto e repetição de cio observadas foram baixas e não diferiram entre os grupos de tratamento (p<0,05). A taxa de micro-aborto foi baixa no grupo PC12 e inexistente no grupo PC24, ambos inseminados pela técnica pós-cervical. No entanto, a taxa de micro-aborto do grupo CV foi maior que as demais (p>0,05), mostrando maior taxa de micro-aborto em matrizes suínas submetidas a IA convencional. Não foram observados leitões mortos ao nascer durante o período do estudo. O número de natimortos, mumificados e o peso médio dos leitões não diferiram significativamente entre os grupos avaliados (p<0,05). O número de leitões nascidos vivos e o peso da leitegada foram significativamente maiores no grupo PC12 (p>0,05) comparado aos demais. Conclui-se que a IA pós-cervical com intervalo de 12 horas é a que mais contribuiu para a eficiência reprodutiva de matrizes suínas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jeferson Corrêa Ribeiro, Instituto Federal Goiano - campus Morrinhos
Matemático (UNIFEMM) e Zootecnista(UFV). Doutor em Zootecnia, na área de Melhoramento Genético Animal pela UFV, com pesquisas na área de melhoramento de aves. Fez parte da coordenação do GenMelhor (Grupo de estudos em genética e Melhoramento da UFV) no período de setembro de 2008 a julho de 2010. Atualmente é professor efetivo do Instituto Federal Goiano - Campus Morrinhos, com atuação na área de Genética, Melhoramento dos Animais domésticos e Estatística.
Como Citar
Araujo, A. F., Ribeiro, J. C., Cezário, A. S., Souza, C. M. de, Santos, W. B. R. dos, & Camargos, A. S. (1). COMPARAÇÃO DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL E PÓS-CERVICAL SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE SUÍNOS. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 13(2), 109-115. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ca/article/view/2091