SERVIÇOS DE ZOONOSES E O SEU PAPEL NA VIGILÂNCIA EM SAÚDE PARA LEISHMANIOSE VISCERAL

  • Chelsea Pereira de Souza
  • Patrícia Ferreira da Silva Centro Laboratório Regional - Instituto Adolfo Lutz
  • Matheus de Carvalho Moreno Universidade Estadual Paulista – UNESP
  • Lourdes Aparecida Zampieri D’ Andrea Centro Laboratório Regional - Instituto Adolfo Lutz
Palavras-chave: leishmaniose visceral, zoonose, serviços de saúde, vigilância epidemiológica, controle de doenças transmissíveis

Resumo

A leishmaniose visceral (LV) é uma doença zoonótica de grande importância em saúde pública e as ações realizadas pelos Serviços de Zoonoses (SZ) podem minimizar seu transtorno. O objetivo foi avaliar a situação dos Serviços de Zoonose dos municípios na região de saúde de Presidente Prudente/SP e compreender o papel que eles desempenham na vigilância em saúde para LV. Foi realizado tratamento cartográfico da informação sobre a situação epidemiológica da LV e o tipo de SZ ofertado nos municípios de estudo. Dos 45 municípios estudados, 62,2% possuem SZ totalmente estruturado; 1,35% não possuem estrutura física e funcionam parcialmente; 0,9% não funcionam e 5,4% não o possuem. Concluímos que é de grande relevância o papel que os SZs desempenham na vigilância em saúde e há uma elevada quantidade de municípios que não possuem SZ estruturado, fato que pode dificultar no controle da LV, favorecendo a disseminação na região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Organização Mundial da Saúde (OMS). Zoonoses. 2017. Acesso em: 4 jul 2018. Disponível em: http://www.who.int/topics/zoonoses/en/

Acha PN, Szyfres B. Zoonosis y enfermedades transmisibles comunes al hombre y a los animales. 3.ed. Washington: OPAS; 2001. 416p.

Miguel O. A vigilância sanitária e o controle das principais zoonoses. Epistéme. 1996;1(1):141-155.

Guimarães FF, Baptista AAS, Gustavo PMGM, Langoni H. Ações da vigilância epidemiológica e sanitária nos programas de controle de zoonoses. Rev Veterin Zoot. 2010;17(2):151-162.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância, prevenção e controle de zoonoses: normas técnicas e operacionais – Brasília: Ministério da Saúde. 2016; p121.

Rodrigues RCA, von Zuben APB, Lucca T, Castagna CL, Nitsche A, Presotto D, Kemp B et al. De CCZ a UVZ: mudança de paradigma no controle de zoonoses. BEPA. 2017;14(162):33-41.

Reichmann MLAB, Sandoval MRC, Formaggia DME, Presotto D, Nunes VFP, Santos LS et al. Orientação para projetos de centros de controle de zoonoses (CCZ - Manuais 2). São Paulo: Instituto Pasteur; 2004. p.45.

Gomes LH, Menezes RF. Diagnóstico de serviços de controle de zoonoses no Estado de São Paulo. BEPA. 2009;6(72):17-25.

Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Projetos físicos de unidades de controle de zoonoses e fatores biológicos de risco. Brasília: Funasa; 2003.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.138, de 23 de maio de 2014. Define as ações e os serviços de saúde voltados para vigilância, prevenção e controle de zoonoses e de acidentes causados por animais peçonhentos e venenosos, de relevância para a saúde pública. Brasília (DF), 2014.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 758, de 26 de agosto de 2014. Inclui subtipo na Tabela de Tipos de Estabelecimentos de Saúde do SCNES. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2014, ago 27, Seção 1:92.

Secretaria da Saúde, Coordenadoria de Controle de Doenças, Superintendência de Controle de Endemias. Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral Americana do Estado de São Paulo. São Paulo; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde. 1.ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. 773p.

Banuls AL, Hide M, Prugnolle F. Leishmania and the leishmaniases: a parasite genetic update and advances in taxonomy, epidemiology and pathogenicity in humans. Adv Parasitol. 2007;64:1-109. DOI: https://doi.org/10.1016/S0065-308X(06)64001-3

Alvar J, Vélez ID, Bern C, Herrero M, Desjeux P, Cano J et al. Leishmaniasis Worldwide and Global Estimates of Its Incidence. PLoS ONE. 2012;7(5):e35671. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0035671

Organização Mundial da Saúde (OMS). Leishmaniose. 2014. Acesso em: 3 ago 2018. Disponível em: http://www.who.int/leishmaniasis/burden/en/

Souza MA, Nunes RFF, Viana TC, Marinho MJM, Moreira PVSQ, Pereira WO. Leishmaniose visceral humana: do diagnóstico ao tratamento. Rev Ciên Saúde Nov Esp. 2012;10(2):61-69.

Silva MRB. Avaliação da acurácia de testes imunocromatográficos rK39 no diagnóstico da leishmaniose visceral em pacientes coinfectados com HIV. [Tese de Doutorado] Goiânia: Universidade Federal de Goiás – UFG; 2014.

Lemos EM, Carvalho SFG, Dietze RC. Avaliação do teste rápido utilizando o antígeno recombinante K39 no diagnóstico da leishmaniose visceral no Brasil. Rev Soc Bras Med Tropical. 2003;36:36-38. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822003000700011

Lindoso JAL, Goto H. Leishmaniose visceral: situação atual e perspectivas futuras. BEPA. 2006;3(26):7-11.

Zuben APB, Donalísio MR. Dificuldades na execução das diretrizes do Programa de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral em grandes municípios brasileiros. Cad Saúde Púb. 2016;32:e00087415. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00087415

Werneck GL. Controle da leishmaniose visceral no Brasil: o fim de um ciclo? Cad Saúde Púb. 2016;32(6):eED010616. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00ED010616

D'Andrea LAZ. Leishmaniose visceral na região de Presidente Prudente, São Paulo: distribuição espacial e rotas de dispersão. [Tese de doutorado]. Pós-graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2017.

Cardim MFM, Rodas LAC, Dibo MR, Guirado MM, Oliveira AM, Chiaravalloti Neto F. Introdução e expansão da leishmaniose visceral americana em humanos no Estado de São Paulo, 1999-2011. Rev Saúde Púb. 2013;47(4):691-700. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004454

Cardim MFM, Guirado MM, Dibo MR, Neto FC. Leishmaniose visceral no estado de São Paulo, Brasil: análise espacial e espaço-temporal. Rev Saúde Púb. 2016;50:48. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1518-8787.2016050005965

Mestre GLC, Fontes CJF. A expansão da epidemia da leishmaniose visceral no estado de Mato Grosso, 1998-2005. Rev Soc Bras Med Tropical. 2007;40(1):42-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822007000100008

Borges LFNM, Lopes EGP, Freitas ACP, Silva MX, Haddad JPA, Silva JÁ, et. al. Prevalência e distribuição espacial da leishmaniose visceral em cães do município de Juatuba, Minas Gerais, Brasil. Ciên Rural. 2014;44(2):352-357. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782014000200025

Oliveira CL, Assunção RM, Reis IA, Proietti FA. Spacial distribution of human and canine visceral leishmaniasis in Belo Horizonte, Minas Gerais State, Brazil, 1994-1997. Cad Saúde Púb. 2001;7(1):1231-1239. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2001000500023

Gomes LH, Menezes RF, Aranda CMSS, Vieira PA. Serviços municipais de controle de zoonoses no Estado de São Paulo: diagnóstico situacional. BEPA. 2011;8(96):11-31.

Rangel O, Hiramoto RM, Henriques LDF, Taniguchi HH, Ciaravolo RMDC, Tolezano JE et al. Classificação epidemiológica dos municípios segundo o Programa de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral Americana no estado de São Paulo, para 2013. BEPA. 2013;10(111):3-14.

D'Andrea, LAZ, Guimarães, RB. A importância da análise de distribuição espacial da leishmaniose visceral humana e canina para as ações de vigilância em saúde. Hygeia. 2018;14(28):121-138. DOI: http://dx.doi.org/10.14393/Hygeia142810

Publicado
2019-04-17
Como Citar
Pereira de Souza, C., Ferreira da Silva, P., de Carvalho Moreno, M., & Aparecida Zampieri D’ Andrea, L. (2019). SERVIÇOS DE ZOONOSES E O SEU PAPEL NA VIGILÂNCIA EM SAÚDE PARA LEISHMANIOSE VISCERAL. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 11(1), 24-32. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/cv/article/view/2835
Seção
Artigos Originais

Outros artigos do(s) mesmo(s) autor(es)