INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO ÍNDICE DE CAPACIDADE FUNCIONAL SUBMÁXIMA E MOBILIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS

  • Elaine Aparecida Lozano da Silva
  • Giovanna Neves Bresqui
  • Andressa Sampaio Pereira
  • Alan José Barbosa Magalhães
  • Vinícius Gustavo Gimenes Turato Universidade Estadual Paulista – FCT/UNESP
  • Juliana Rosini da Silva
  • Cláudia Regina Sgobbi de Faria
  • Regina Celi Trindade Camargo
Palavras-chave: envelhecimento, atividade física, aptidão física, idosos dependentes, qualidade de vida

Resumo

Os idosos tornam-se mais dependente com o avançar da idade, apresentando declínios da capacidade funcional, marcha, equilíbrio e mobilidade. A preservação das mesmas pode mantê-los autônomos e ativos, proporcionando assim um envelhecimento mais saudável. O objetivo foi avaliar a influência da prática regular de atividade física na capacidade funcional submáxima e mobilidade funcional de idosas. Trata-se de um estudo transversal com 39 idosas com idade média de 69 ± 8,70 anos. Foram aplicados os testes de caminhada de seis minutos e o Timed Up and Go. Os resultados mostraram que houve aumento significativo entre os resultados da avaliação inicial e final do teste de caminhada de seis minutos, mas em relação ao teste Timed Up and Go, não foi verificada diferença significativa. Dessa forma conclui-se que idosos que praticam atividade física regular apresentam redução e ou manutenção dos níveis de capacidade e mobilidade funcional.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-06-03
Como Citar
Lozano da Silva, E. A., Neves Bresqui, G., Sampaio Pereira, A., Barbosa Magalhães, A. J., Gimenes Turato, V. G., Rosini da Silva, J., Sgobbi de Faria, C. R., & Celi Trindade Camargo, R. (2015). INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO ÍNDICE DE CAPACIDADE FUNCIONAL SUBMÁXIMA E MOBILIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 6(3), 76-82. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/cv/article/view/1254

Outros artigos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>