EVOLUÇÃO DA APTIDÃO MOTORA DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

  • Vinícius Gustavo Gimenes Turato Universidade Estadual Paulista – FCT/UNESP
  • Regina Celi Trindade Camargo
  • Alan José Barbosa Magalhães
  • José Carlos Silva Camargo Filho
Palavras-chave: Idoso, Institucionalização, Aptidão Motora, Exercício, EMTI

Resumo

Objetivo: Analisar e comparar a evolução da aptidão motora em idosos institucionalizados antes e após dois anos e verificar se realmente há associação entre institucionalização e perda de aptidão motora. Metodologia: A população de estudo constituiu-se de sete idosos institucionalizados, que possuíam diagnóstico específico para uma patologia psiquiátrica. A coleta de dados foi realizada antes e após dois anos, sendo que os testes aplicados tinham como objetivo graduar a aptidão motora da população por meio da Escala Motora para a Terceira Idade – EMTI. Resultados: A princípio, há suposição de que a aptidão motora dos pacientes institucionalizados com o decorrer dos anos e aumento da idade tende a diminuir. Os achados estatísticos e bibliográficos apresentam alguma relação com as características do próprio processo de envelhecimento e institucionalização. Conclusão: Houve significante queda nos valores correspondentes à aptidão motora no decorrer desses anos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-06-01
Como Citar
Gimenes Turato, V. G., Celi Trindade Camargo, R., Barbosa Magalhães, A. J., & Silva Camargo Filho, J. C. (2015). EVOLUÇÃO DA APTIDÃO MOTORA DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, 6(3), 62-68. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/cv/article/view/1252

Outros artigos do(s) mesmo(s) autor(es)