MINHA CASA, MEU CATIVEIRO - ISOLAMENTO SOCIAL E O AUMENTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA EM TEMPOS DE PANDEMIA

Autores

  • Danielle Yurie Moura da Silva Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Claudia Primolan de Rezende Dória Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Mayara Seriane Ventura Butzske Silva Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Romulo Câmara Barleta Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE

Palavras-chave:

Violência Doméstica. Isolamento Social. Direitos da Mulher. COVID-19

Resumo

Desde o nascimento da civilização humana, ao contrário de outros animais, homens e mulheres vivem em um grupo denominado família. Mas, também desde o início, os homens, pela força física e agressividade presentes em seu DNA, alegaram ser o gênero principal, cabendo as mulheres só obedecer. A presente pesquisa envolve o estudo da violência doméstica durante o isolamento social ocasionado pelo COVID-19. O objetivo foi analisar se houve realmente um aumento nos casos de feminicídio por conta do isolamento. A metodologia utilizada foi a qualitativa, por meio da análise hermenêutica de uma série de fatos empíricos e dados disponíveis, com a finalidade de construir uma perspectiva atualizada sobre o tema e corroborar com a narrativa acerca da atual situação da violência doméstica dentro do isolamento social que identificou que essa situação sempre esteve no cotidiano feminino, interpretando as leis e os dados oriundos de pesquisas realizadas por meio de fontes específicas como DataSenado e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A narrativa, em síntese, defende que ainda existe um hiato entre os direitos garantidos pela Constituição Federal de 1988 para com as mulheres e as práticas institucionais das políticas públicas e do próprio Judiciário. Os resultados evidenciam que existe um longo caminho a ser percorrido para que haja uma mudança significativa deste cenário, não apenas por meio da lei com medidas punitivas mais severas, mas mediante a desnaturalização da sociedade que só pode ocorrer através de uma educação libertadora que se compromete em erradicar a Violência Doméstica da nossa realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração sobre a eliminação da

violência contra as mulheres. Proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas na

resolução 48/104, de 20 de dezembro de 1993. 1993.

BLAY, E. A. Feminismo e masculinidade: novos caminhos para enfretar a violência contra a mulher. 1. ed. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. Disponível em: https://apublica.org/wp-content/uploads/2016/03/Feminismos_e_masculinidades-WEB-travado-otimizado.pdf. Acesso em: 03 ago. 2020.

BRASIL. Congresso. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei PL 1444/2020. Altera as Leis nºs 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, e 13.982, de 2 de abril de 2020, para estabelecer medidas excepcionais de proteção à mulher e a seus dependentes em situação de violência doméstica e familiar durante a emergência de saúde pública de importância internacional decorrente da pandemia da Covid-19. Brasília, 2020. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2242763. Acesso em: 28 jul. 2020.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei Maria da Penha. Lei n.º 11.340, de 7 de Agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 01 ago. 2020.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 54. ed. São Paulo, 2017.

BRASIL. Decreto nº Decreto nº 678, de 06 de novembro de 1992. Promulga a Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica), de 22 de novembro de 1969. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d0678.htm

BRASIL, Ministério da Saúde. O que é o Covid -19. 2020. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca#o-que-e-covid. Acesso em: 03 ago. 2020.

BRASIL. Instituto de Pesquisa DataSenado. Observatório da Mulher contra a Violência. Secretaria de Transparência. Aprofundando o Olhar sobre o Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília: Senado Federal. 2018. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasenado/arquivos/conhecer-direitos-e-ter-rede-de-apoio-sao-pontos-de-partida-para-denunciar-agressao-e-interromper-ciclo-de-violencia. Acesso em: 27 jul. 2020.

BRASIL. República Federativa; HUMANOS. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos; MULHERES. Secretaria Nacional de Políticas para. Enfrentando a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília, 2020. Disponível em: https://www.gov.br/ebserh/pt-br/comunicacao/noticias/ebserh-apoia-acao-do-mfdh-que-visa-combater-violencia-contra-a-mulher/enfrentando-a-violencia-domestica-e-familiar-contra-a-mulher.pdf. Acesso em: 04 jul. 2020.

BRASIL. Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República. Rede de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2011. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/entenda-a-violencia/pdfs/politica-nacional-de-enfrentamento-a-violencia-contra-as-mulheres. Acesso em: 03 ago. 2020.

CARNEIRO, A. A.; FRAGA, C. K. A Lei Maria da Penha e a proteção legal à mulher vítima em São Borja no Rio Grande do Sul: da violência denunciada à violência silenciada. Serviço Social & Sociedade, n. 110, p. 369-397, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-66282012000200008&script=sci_arttext&tlng=pt Acesso em: 30 jul. 2020

CAVALCANTI, S.V.S. de F. Violência Doméstica Contra a Mulher no Brasil: análise da Lei “Maria da Penha”, Nº 11.340/06. JusPODIVM, 2012.

DIAS, M.B. A Lei Maria da Penha na Justiça: a efetividade da Lei 11.340/2006 de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. 3ª ed. ver. atual. e ampl. – São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2012.

DUARTE, L. Mortes por Covid-19 no Brasil podem chegar a 125 mil até agosto, diz estudo. CNN Brasil, 2020. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/saude/2020/05/26/mortes-por-covid-19-no-brasil-podem-chegar-a-125-mil-ate-agosto-diz-estudo. Acesso: 09 de julho de 2020.

FORUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PUBLICA. INSTUTUTO DATAFOLHA. Visível e Invisível: a vitimização de mulheres no Brasil. 2. ed. São Paulo, 2019. Disponível em: http://www.iff.fiocruz.br/pdf/relatorio-pesquisa-2019-v6.pdf. Acesso em: 21 jul. 2020.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Violência doméstica durante a pandemia de covid-19. 2. ed. São Paulo, 2020. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/publicacoes-posts/violencia-domestica-durante-pandemia-de-covid-19-edicao-02/. Acesso em 21 de julho de 2020.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. 56. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018a.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 65. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018b.

GOMES, C. M. Marcas da violência contra a mulher na literatura. Revista Diadorim - Revista de Estudos Linguísticos e Literários do Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Volume 13, jul. 2013. https://revistas.ufrj.br/index.php/diadorim/article/view/3981 - Acesso em: 25 jul. 2020

IHME. Projeções COVID-19, 2020. Disponível em: https://covid19.healthdata.org/brazil. Acesso em: 08 jul. 2020.

IMP Instituto Maria da Penha, Ciclo da Violência: Saiba identificar as três principais fases do ciclo e entenda como ele funciona. Fortaleza, 2009. Disponível em: https://www.institutomariadapenha.org.br/violencia-domestica/ciclo-da-violencia.html. Acesso em 12 de julho de 2020.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. ATLAS DA VIOLÊNCIA 2019. São Paulo, 2019. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/06/Atlas-da-Violencia-2019_05jun_vers%C3%A3o-coletiva.pdf. Acesso em 5 de jul. 2020.

INSTITUTO IGARAPÉ. EVA. Evidências sobre Violência e Alternativas para Mulheres e Meninas. 2019. Disponível em: https://eva.igarape.org.br/. Acesso em: 03 ago. 2020.

JUSTIÇA. Conselho Nacional de; BRASILEIROS, Associação dos Magistrados. Sinal vermelho contra a violência doméstica. Disponível em: https://www.amb.com.br/wp-content/uploads/2020/06/cartilha-sinal-vermelho-AMB-6.pdf. Acesso em: 28 de julho de 2020.

LIMA, C. M. O caso Maria da Penha no Direito Internacional. A pressão externa fomentando mudanças em uma nação. Revista Jus Navigandi, Teresina, v. 23, n. 5369, 14 mar. 2018. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/58908. Acesso em: 31 jun. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. OPAS BRASIL. Brasil confirma primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus. OPAS/OMS Brasil, 2020. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6113:brasil-confirma-primeiro-caso-de-infeccao-pelo-novo-coronavirus&Itemid=812. Acesso em: 09 jul. 2020.

PUCRS. Cartilha aborda consequências do isolamento e a violência doméstica. Porto Alegre, 2020. Disponível em: http://www.pucrs.br/blog/cartilha-aborda-consequencias-do-isolamento-e-a-violencia-domestica/. Acesso em: 04 ago. 2020.

SANTIAGO, R. A. A violência contra a mulher: antecedentes históricos. Seminário Estudantil de Produção Acadêmica, v. 11, n. 1, 2007. Disponível em: https://revistas.unifacs.br/index.php/sepa/article/view/313 Acesso em: 15 jul. 2020

SANTOS, B. S. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SILVA, S. G. da. Preconceito e discriminação: as bases da violência contra a mulher. Psicologia: ciência e profissão, v. 30, n. 3, p. 556-571, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932010000300009&script=sci_arttext. Acesso em 03 ago. 2020

TAVORA, N.; ALENCAR, R. R. Curso de direito processual penal. 11. ed. Bahia: Jus Podivm, 2016.

TOKARSKI , C. P. ; ALVES, I. Covid 19 e Violência Doméstica: pandemia dupla para as mulheres, ANESP, 5 abr. 2020. Disponível em:

http://anesp.org.br/todas-as-noticias/2020/4/6/covid-19-e-violncia-domstica-pandemia-dupla-para-as-mulheres. Acesso em: 03 ago. 2020.

VIEIRA, B. M. Casos de feminicídio crescem 41,4% em SP durante pandemia de Covid-19, diz estudo. G1, São Paulo, 02 jun. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/06/02/casos-de-feminicidio-crescem-414percent-em-sp-durante-pandemia-de-covid-19-diz-estudo.ghtml. Acesso em: 14 jul. 2020

Downloads

Publicado

2021-02-25

Como Citar

Silva, D. Y. M. da, Dória, C. P. de R., Silva , M. S. V. B., & Barleta, R. C. (2021). MINHA CASA, MEU CATIVEIRO - ISOLAMENTO SOCIAL E O AUMENTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA EM TEMPOS DE PANDEMIA. Colloquium Socialis. ISSN: 2526-7035, 4(4), 130–142. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/cs/article/view/3770

Edição

Seção

Dossiê: Pandemia de COVID-19 e suas repercussões jurídicas e sociais no Brasil