A MÚSICA SERTANEJA COMO REFLEXO DE TRANSFORMAÇÕES DOS LUGARES DE ESCUTA

  • Luciana Carolina Fernandes Faria Unoeste
  • João Pedro Turino Silva
Palavras-chave: Lugar de escuta, Música Sertaneja Brasileira, Êxodo Rural, Geografia Cultural, Geografia Humanista

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar e comparar músicas sertanejas brasileiras, de diferentes décadas, a fim de identificar quais os elementos se conservaram, quais se alteraram com o tempo e as possíveis associações entre estas transformações e o aumento da população urbana. Para isso, foram selecionadas duas músicas sertanejas, uma de 1926 e outra de 2028, a fim de identificar os quais os elementos musicais se transformaram e quais foram conservados com o tempo e sob a influência do processo do êxodo rural. Por pesquisa bibliográfica constatamos que nosso país passou por uma urbanização significativa, principalmente a partir da década de 60 e este fato, agravado pela influência da indústria cultural, causou mudanças de hábitos, ações e, consequentemente provocou alterações nos lugares de escuta das pessoas; as escutas que se faziam e se produziam no ambiente rural se diferem em muitos das escutas que se faz e se produz nos ambientes urbanos hoje. Tais mudanças implicam diretamente na forma de expressão e na produção artística das pessoas. Por pesquisa analítica dos elementos narrativos e musicais essa transformação dos lugares de escuta fica evidente, e demonstra a cultura, as práticas e conceitos de dois contextos sertanejos (rural e urbano) muito diversos. Os lugares de escuta são produzidos pelos seres viventes e, em reciprocidade, também os produz enquanto seres; desta forma, se torna um objeto de investigação importante para a compreensão da sociedade hoje.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, T. W. Introdução à sociologia da música: doze preleções teóricas. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

CALDAS, W. Revendo a música sertaneja. Revista USP, n. 64, p. 58-67, 1 fev. 2005

FARIA, L. C. F. O jogo eletrônico como lugar de escuta. 2019. 123 f. Tese (doutorado em Tecnologias da Inteligência e Design Digital) - Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

FAUSTINO, J. C. Rosinha e Catimbau: análise de um processo de transformação social através da música caipira. História Social, n. 13, p. 221-239, 11.

FERREIRA, L. F. Acepção recentes do conceito de lugar e sua importância para o mundo contemporâneo. Revista Território, Rio de Janeiro, ano V, n. 9, pp. 65- 83, jul/dez, 2000.

INGOLD, T. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

TUAN, Y. F. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

ZAN, J. R. (Des)Territorialização e Novos Hibridismos na Música Sertaneja. Sonora, v. 1, n. 2, 2016.
Publicado
2020-04-29
Como Citar
Faria, L. C. F., & Turino Silva, J. P. (2020). A MÚSICA SERTANEJA COMO REFLEXO DE TRANSFORMAÇÕES DOS LUGARES DE ESCUTA. Colloquium Socialis. ISSN: 2526-7035, 4(1), 1-8. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/cs/article/view/3455
Seção
Dossiê: O desenvolvimento das sociedades a partir das práticas culturais