POLÍTICAS EDUCACIONAIS SOB A PERSPECTIVA DA DIFERENÇA: A POTÊNCIA QUEER DAS ESCOLAS NO CONTEXTO DA PRÁTICA

Autores

  • Jeinni Kelly Pereira Puziol UEM
  • Ana Cristina Teodoro da Silva Universidade Estadual de Maringá

Palavras-chave:

Margem, Fronteira, Potência de Vida

Resumo

A proposta deste ensaio teórico é discutir a potência queer no contexto da prática das escolas a partir das políticas educacionais realizadas sob a perspectiva da diferença e não da diversidade. Pensar as políticas educacionais sob a concepção da diferença possibilita transformações na relação com outro e consigo mesmo, de modo a enfrentar os conflitos sociais, econômicos, culturais e históricos, sustentados nos privilégios de gênero, cor, etnia, orientação sexual e classe. A perspectiva da diversidade é pautada na ideia de tolerância e do contorno aos conflitos históricos, colorindo a realidade sem questionar a causa das desigualdades. No contexto da prática das escolas, mesmo diante do discurso hegemônico da diversidade, é possível realizar as políticas educacionais sob a perspectiva da diferença, como por exemplo, a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afro-Brasileira (2003) no ensino fundamental e médio e o Programa Brasil Sem Homofobia (2004), pois mesmo sendo um lugar fundamental da normatização da vida, a escola é também espaço potente, faz parte das margens que levam a repensar a educação incorporando grupos e experiências historicamente subalternizadas, com isso desfazendo fronteiras. O artigo faz dialogar a filosofia da diferença de Deleuze (1996) com a perspectiva queer das discussões sobre gênero e sexualidade de Butler (2015), Scott (2005) e Miskolci (2012), procurando constituir territórios teóricos subversivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Teodoro da Silva, Universidade Estadual de Maringá

Professora no curso de Comunicação e Multimeios da Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Fundamentos da Educação. Pós-doutora pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ). Com experiência em história e teorias da comunicação, além de metodologia da pesquisa. Doutora em História (UNESP). Intrigada com as dicotomias, encantada pelo que integra.

Referências

ABGLT. Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional no Brasil (2016): as experiências de adolescentes e jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais em nossos ambientes educacionais. Curitiba: ABGLT, 2016.

ADICHIE, C. N. O perigo de uma história única. 1a ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA, M. A. B; SANCHEZ, L. P. Implementação da Lei 10.639/2003 – competências, habilidades e pesquisas para a transformação social. Pro.posições, 28, N.1 (82) |jan./abr. 2017 55-80.

AMARO, I. A docência no armário: o silenciamento das relações de gênero nos planos de educação. Espaço Pedagógico, v. 24, n. 1, Passo Fundo, p. 139-159, jan./abr. 2017.

BARROSO, R. R. J; SILVA, L. C. M. Gênero e Sexualidade na Educação brasileira em tempos de Movimento Escola Sem Partido. Revista Diversidade e Educação, v. 8 , n. 1 , p. 427-451, Jan./Jun. 2020.

BALL, S. J. Educação global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2012.

BRASIL. Conselho Nacional de Combate à Discriminação. Brasil sem Homofobia - Programa de Combate à Violência e à Discriminação Contra GLBT e de Promoção da Cidadania Homossexual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 8, de 20 de novembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Brasília: MEC, 2012.

BRASIL. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo da Educação Básica: Sinopse Estatística da Educação Básica – 2015. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/superior/censosuperior/sinopse>.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 1, de 17 de junho de 2004. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o ensino de História da Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, MEC/Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, 2004.

BRASIL. Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF., 26 jun 2014.

BRASIL. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007.

BRASIL. Relatório de Gestão da SECAD – 2004. Brasília: SECAD, 20051)

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 1, de 3 de abril de 2002. Institui diretrizes operacionais para a educação básica nas escolas do campo.

BRASIL. Resolução nº 5, de 22 de junho de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica.

BOBBIO, N. Era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1988.

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. Reforming education & changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

DELEUZE, G. Abecedário. 1996. Disponível em: <http://www.oestrangeiro.net/

index.php?option=com_content&task=view&id=67&Itemid=51>

DELEUZE, G; FOUCAULT, M. Os intelectuais e o poder. In: DELEUZE, G. A ilha deserta e outros textos. São Paulo: Editora Iluminuras, 2005.

DUNKER, Christian; THEBAS, Cláudio. O palhaço e o psicanalista: como escutar os outros pode transformar vidas. São Paulo: Planeta do Brasil, 2019.

FOLHA DE SÃO PAULO. Veja falas preconceituosas de Bolsonaro e o que diz a lei sobre injúria e racismo. 26 jan. 2020. Disponível em: < https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/01/veja-falas-preconceituosas-de-bolsonaro-e-o-que-diz-a-lei-sobre-injuria-e-racismo.shtml>.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

HOFFMAN KM, TRAWALTER S, AXT JR, OLIVER MN. Racial bias in pain assessment and treatment recommendations, and false beliefs about biological differences between blacks and whites. Proc Natl Acad Sci, USA, 2016; 113:4296-301.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2018. Disponível em: www.ibge.gov.br

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resumo Técnico: Censo da Educação Básica 2015. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2015.

JUNQUEIRA, R. D. Pedagogia do armário: A normatividade em ação Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 13, p. 481-498, jul./dez. 2013. Disponível em:

LAZZARATO, Maurizio. As Revoluções do Capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

LEAL MC, GAMA SGN, CUNHA CB. Racial, sociodemographic, and prenatal and childbirth care inequalities in Brazil, 1999-2001. Rev. Saúde Pública, n. 39, 2005, p. 100-7.

MÉNDEZ, M. L. Procesos de subjetivación: ensayos entre antropologia y educación. Entre Ríos: Editorial Fundación la Hendija, 2011.

MISKOLCI, R. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica Editora/UFPO, 2012.

MOEHLECKE, S. As políticas de diversidade na educação no governo Lula. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 137, maio/ago. 2009, p.461-487.

MONITOR DA VIOLÊNCIA. Cresce o nº de mulheres vítimas de homicídio no Brasil; dados de feminicídio são subnotificados, 2018. https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/cresce-n-de-mulheres-vitimas-de-homicidio-no-brasil-dados-de-feminicidio-sao-subnotificados.ghtml

MONITOR DA VIOLÊNCIA. Mesmo com queda recorde de mortes de mulheres, Brasil tem alta no número de feminicídios em 2019. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/2020/03/05/mesmo-com-queda-recorde-de-mortes-de-mulheres-brasil-tem-alta-no-numero-de-feminicidios-em-2019.ghtml

NEGRI, A. Exílio. São Paulo: Iluminuras, 2001.

ONU. Declaração Universal de Direitos Humanos. 1948 Disponível em: http://www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pdf.

PELBART, P. P. O poder sobre a vida, potência de vida. Lugar Comum, nº 17, 2002, p. 33-43.

PINTO, Isabella Vitral et al. Perfil das notificações de violências em lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais registradas no Sistema de Informação de Agravos de Notificação, Brasil, 2015 a 2017. Rev. bras. epidemiol. Rio de Janeiro , v. 23, supl. 1, e200006.SUPL.1, 2020.

ROSA, Guimarães. Grande Sertão: Veredas. 22a ed. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

SCOTT, J. O enigma da igualdade. Estudos Feministas, Florianópolis, 13(1): 216, janeiro-abril/2005.

UNESCO. Declaração de Princípios sobre a Tolerância, 1995

UNESCO. Declaração de Princípios sobre a Tolerância. 1995 Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001315/131524porb.pdf Acesso em 7 maio 2018.

UNESCO. Compromisso de Dakar. 2000. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001275/127509porb.pdf>.

UNESCO. Declaração de Nova Delhi. 1993. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001393/139393por.pdf>.

UNESCO. Declaração do Milênio. 2000. Disponível em: <https://www.unric.org/html/portuguese/uninfo/DecdoMil.pdf>.

UNESCO. Declaração Universal sobre Diversidade Cultural. 2002. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127160por.pdf>.

UNIVERSA. Número de casos de feminicídio no Brasil cresce 22% durante a pandemia. Acesso em: https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2020/06/01/numero-de-casos-de-feminicidio-no-brasil-cresce-22-durante-a-pandemia.htm

VIANNA, C. P. O movimento LGBT e as políticas de educação de gênero e diversidade sexual: perdas, ganhos e desafios. Educação e Pesquisa, vol. 41, núm. 3, julio-septiembre, 2015, pp. 791-806.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Brasília: OPAS/OMS, ONU Mulheres, SPM e Flacso, 2015.

ZENAIDE, M. N. T. Educação em direitos humanos e democracia: história, trajetórias e desafios nos quinze anos do PNEDH. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 7, p. 137-161, jan./abr. 2018.

Publicado

2020-12-18

Como Citar

Pereira Puziol, J. K., & Silva, A. C. T. da. (2020). POLÍTICAS EDUCACIONAIS SOB A PERSPECTIVA DA DIFERENÇA: A POTÊNCIA QUEER DAS ESCOLAS NO CONTEXTO DA PRÁTICA . Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 17, 346-358. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3772