PROFESSORAS INICIANTES NA EDUCAÇÃO INFANTIL E AS NECESSIDADES FORMATIVAS REVELADAS EM TESES E DISSERTAÇÕES PAULISTAS (2009-2019)

Autores

  • Klinger Teodoro Ciríaco Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP.
  • Bruna Cury de Barros Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP.
  • Carolina Marini Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP.

Palavras-chave:

Professor iniciante. Educação Infantil. Necessidade formativa.

Resumo

Intencionamos caracterizar o que dizem estudos desenvolvidos no período de 2009 a 2019 acerca da temática da "professora iniciante" na Educação Infantil na perspectiva de identificar as necessidades formativas manifestas. Para este fim, mapeamos teses e dissertações defendidas em programas de pós-graduação da área da educação no Estado de São Paulo. O referencial teórico envolve discussões sobre formação de professores, início da docência e as necessidades formativas decorrentes do trabalho pedagógico na Educação Infantil. O percurso metodológico envolveu ampla pesquisa bibliográfica, com enfoque do tipo "Estado da Arte", no sentido de detalhar os focos dos trabalhos, referenciais teóricos, abordagens metodológicas, principais resultados e conclusões. A experiência de localizar a produção do conhecimento dos últimos anos possibilitou-nos compreender que: a) existe poucos estudos que abordam o tema; b) as dificuldades manifestas corroboram dados apresentados pela literatura; c) a identidade docentes das professoras sofre influência da visão histórica do caráter assistencialista da Educação Infantil; d) a necessidade de criar iniciativas de formação em contexto, que se adequem as especificidades desta etapa. Frente aos resultados, defendemos a tese de que o processo de iniciação profissional precisa ser encarado como um projeto coletivo, o qual envolve a formação inicial, a formação continuada e a escola como espaços de aprendizagens que deveriam ser mediadas de forma colaborativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Klinger Teodoro Ciríaco, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP.

Professor Adjunto do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas (DTPP) do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH) da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Instituto de Matemática, linha de pesquisa "Formação de Professores e Currículo", da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Campo Grande-MS. Líder do "MANCALA - Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Cultura e Formação Docente" (CNPq/UFSCar). 

Bruna Cury de Barros , Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP.

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), na linha de pesquisa: Formação de Professores e outros Agentes Educacionais. Graduada em Pedagogia pela USP. Mestra em Educação Escolar pela UNESP. Realiza estudos referentes ao desenvolvimento profissional docente; formação inicial e continuada; formação de formadores; educação infantil.

Carolina Marini , Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP.

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), na linha de pesquisa: Formação de Professores e Outros Agentes Educacionais. Mestra em Educação pela UFSCar. Graduada em Pedagogia pela UFSCar. Realiza estudos referentes a área de formação de professores; formação inicial e continuada de professores; formação de formadores; desenvolvimento profissional docente; identidade docente; indução à docência e mentoria docente.

Referências

BARROS, B. C. de. Ser professora iniciante na Educação Infantil: aprendizagens e desenvolvimento profissional em contexto de enfrentamentos e superações de dilemas. 2015. 159f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" – FACLAR/UNESP. 2015. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/126379/000840607.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12, jul. 2020.

BRASIL, Conselho Nacional de Educação Conselho Pleno. Resolução CNE/CP Nº 1, DE 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 2, abr. 2019.

BRASIL, Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB. 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 13, jun. 2020.

BRASIL, Presidência da República (Casa Civil). Subchefia para Assuntos Jurídicos. Governo Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394, de 20 de Dezembro de 1996. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.html. Acesso em: 15, jul. 2020.

BROSTOLIN, M. R.; OLIVEIRA, E. A. da C. de. Educação Infantil: dificuldades e desafios do professor iniciante. Interfaces da Educação, Paranaíba, v.4, n.11, p.41-56, 2013. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/520/486. Acesso em: 23, maio 2020.

CAMPOS, M. M.; GROSBAUM, M. W.; PAHIM, R. e ROSEMBERG, F. Profissionais de creche. In: Dossiê temático "Educação pré-escolar: desafios e alternativas". Campinas, CEDES/Papirus. 1991, 3ª ed., Cadernos CEDES 9. p.39-66.

CARVALHO, R. P. A literatura infantil e a Matemática: um estudo com crianças de 5 e 6 anos de idade da Educação Infantil. 2010. 117f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica, PUC/SP. São Paulo. 2010. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/10832/1/Regiane%20Perea%20Carvalho.pdf. Aesso em: 23, maio 2020.

CERISARA, A. B. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil no contexto das reformas. Educ. Soc., Campinas, vol. 23, n. 80, setembro/2002, p. 326-345. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v23n80/12935. Acesso em: 13, jan. 2020.

CIRÍACO, K. T.; SILVA, L. M. da. Mapeamento da produção científica brasileira sobre professores iniciantes (2006-2016) – Do "Choque com o real" à "Descoberta". Teoria e Prática da Educação, v. 23, n.1, p.167-197, Janeiro/Abril 2020. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/51861/751375150494. Acesso em: 15, ago. 2020.

CRUZ, S. P. da S.; BATISTA NETO, J. A polivalência no contexto da docência nos anos iniciais da escolarização básica: refletindo sobre experiências de pesquisas. Rev. Bras. Educ. [online]. 2012, vol.17, n.50, p.385-398. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v17n50/v17n50a08.pdf. Acesso em: 28, abr. 2019

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Handbook of qualitative research. London, Sage Publication: 1994.

FERREIRA, N. S. de A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 79, Agosto/2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10857.pdf. Acesso em: 25, jun. 2020.

FONTANA, R. C. Trabalho e subjetividade. Nos rituais da iniciação, a constituição do ser professora. Cad. CEDES [online]. 2000, vol.20, n.50, pp.103-119. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v20n50/a08v2050.pdf. Acesso em: 12, mar. 2019.

FREITAS, M. N. de C. Organização escolar e socialização profissional de professores iniciantes. Cadernos de Pesquisa, n. 155, p. 155-172, março/2002. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/cp/n115/a06n115.pdf. Acesso: 2, fev. 2019.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto, 2000. p.31-61.

KUHLMANN JR., M. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação. Mai/Jun/Jul/Ago 2000 Nº 14 (5-19). Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a02.pdf. Acesso em: 20, abr. 2020.

LIMA, E. F. Começando a ensinar: começando a aprender? 1996. 136f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos, CECH/UFSCar, 1996. (Versão Impressa).

LORENZATO, S. Educação Infantil e percepção matemática. Campinas: Autores Associados. 2008.

MARCELO GARCÍA, C. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Revista Brasileira sobre Formação Docente. Belo Horizonte, v. 02, n. 03, p. 11-49, ago./dez. 2010. Disponível em: http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br/artigo/exibir/8/18/1. Acesso em: 25, fev. 2019.

MARIANO, A. L. S. A construção do início da docência: um olhar a partir das produções da ANPEd e do ENDIPE. 2006. 156f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos – CECH/UFSCar. 2006. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/2796/DissALSM.pdf?sequence=1. Acesso em: 25, maio 2020.

NOVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cad. Pesqui. 2017, vol.47, n.166, p.1106-1133. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/v47n166/1980-5314-cp-47-166-1106.pdf. Acesso em: 15, abr. 2020.

NÚÑEZ, I. B. Estudo das necessidades formativas de professores(as) do Ensino Médio no contexto das reformas curriculares. In: 27ª Reunião Anual da ANPEd, 2004. Caxambu-MG. Disponível em: http://27reuniao.anped.org.br/gt08/t089.pdf. Acesso em: 4, mar. 2019.

OLIVEIRA, M. O. de. A inserção profissional e a atuação docente na Educação Infantil. 2018. 300f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP. 2018. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/20927/2/Midi%c3%a3%20Olinto%20de%20Oliveira.pdf. Acesso em: 15, jul. 2020.

ROCHA, E. A. C. A pesquisa em educação infantil no Brasil: trajetória recente e perspectiva de consolidação de uma pedagogia. Florianópolis: UFSC: Centro de Ciências da Educação: Núcleo de Publicações –NUP, 1999.

RODRIGUES, A.; ESTEVES, M. A análise de necessidade na formação de professores. Porto: Porto Editora, 1993.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 8ª edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

TOSTA, T. D. O. Aprendizagem da docência: o que revelam as trajetórias das professores de Educação Infantil da rede municipal de Ribeirão Preto. 2019. 115f. Dissertação (Mestrado em Educação) – – Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos – CECH/UFSCar. 2019. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/11181/Disserta%c3%a7%c3%a3o%20Tawana%20Tosta%20.pdf?sequence=6&isAllowed=y. Acesso em: 16, jun. 2020.

VEENMAN, S. Problemas percebidos de professores iniciantes. Review of Educational Research, v. 54, n. 2. 1984.

VOLTARELLI, M. A. Aprendizagem profissional da docência: que saberes o(a) professor(a) tem para atuar em creche? 2013. 247f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos – CECH/UFSCar. 2013. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/2643/4896.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 15, jul. 2020.

YAMASHIRO, C. R. C.; LEITE, Y. U. F. A emergência da análise de necessidades de formação de professores: pesquisas afins. In: Anais ANPED SUL – Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 2012. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/787/558.Acesso: 12, fev. 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Como Citar

Ciríaco, K. T., Cury de Barros , B. ., & Marini , C. . (2020). PROFESSORAS INICIANTES NA EDUCAÇÃO INFANTIL E AS NECESSIDADES FORMATIVAS REVELADAS EM TESES E DISSERTAÇÕES PAULISTAS (2009-2019). Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 17, 169–187. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3707

Edição

Seção

Dossiê: Formação de Professores

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)