MINICURSO DE CIÊNCIA FORENSE E A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL: UMA INICIATIVA DO PET QUÍMICA E FÍSICA

Autores

  • Taís Andrade dos Santos
  • Gabriel Ernesto Silva Trentin
  • Valdemiro Pereira de Carvalho-Júnior
  • Beatriz Eleutério Goi Faculdade de Ciências e Tecnologia de Presidente Prudente UNESP

Palavras-chave:

Formação de professores, Laboratório Didático Itinerante, Ensino, Pesquisa, Extensão

Resumo

O trabalho estuda o ambiente formativo intrínseco a experiência de um laboratório didático itinerante com a temática forense para licenciandos em Química e Física pertencentes ao Grupo PET Química e Física. O minicurso de ciência forense propicia aos licenciandos a experiência da docência em ambiente escolar além dos estágios supervisionados obrigatórios da graduação. De modo qualitativo e a Luz de Contreras (2002) e Pimenta (1995), os resultados foram obtidos por meio da reflexão sobre as atividades que compõem a prática do minicurso e que interferem diretamente na construção do perfil formativo docente devido a sua estreita ligação teoria e prática. Essa atividade trabalha o potencial reflexivo dos discentes e contribui para que o futuro professor compreenda múltiplas situações educacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANTES, A. P. P.; GEBRAN. R. A. Ensino superior: trajetórias e saberes docentes. Colloquium Humanarum, v.9, n.2, p.79-91, 2012. Disponível em: https://revistas.unoeste.br/index.php/ch/article/view/645/840. Acesso em: 04 jun.2020

ASSIS, R. M.; BONIFÁCIO, N. A. A formação docente na universidade: Ensino, Pesquisa e Extensão. Educação e Fronteiras Online, Dourados, v., n.3, p. 36-50, 2011. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/1515/905. Acesso em 07 jun.2020.

AZEVEDO, M. C. P. S. Situações de ensino-aprendizagem: Análise de uma sequência didática de física a partir da teoria das Situações de Brousseau. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de educação, Universidade de São Paulo, São Paulo,2008.

BRASIL. RESOLUÇÃO nº510, de 07 de abril de 2016. Esta Resolução dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE [2016]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acesso em: 5 jun. 2020

BROUSSEAU, G. La théorie des situations didactiques. Conferénce de Montreal. 1997, MONTREAL. Anais [...]. Montral: I’ Université de Morntréal, 1997. p. 1-57 Disponível em: . http://math.unipa.it/~grim/brousseau_montreal_03.pdf. Acesso em: 5 jun. 2020

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. 1. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

CRUZ, A. A. et. al. A Ciência Forense no Ensino de Química por meio da experimentação investigativa. Quím. Nova esc., São Paulo, v. 38, n.2, p. 167-172, mai. 2016.

FLICK, U. Introdução à pesquisa Qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009, 405p.

GOI, M. E. J.; ELLENSOHN, R. M.; HUNSHE, S. Formação de professores: Aprofundamento Teórico-metodológico de experimentos investigativos. Pesquisa e debate em educação, v.8, n.2, 381-398, 2018

GÜILLICH, R. I. C.; HERMEL, E. E. S. Experimentação e formação inicial de professores: Constituição e docência em ciências. Ensino de ciências e Tecnologia em Revista, v.3, n.2, jul.dez.2013.

KOCHHANN, A. Formação de professores na extensão universitária: Uma análise das perspectivas. TEIAS. v.18, n.51, p.273-294, 2017. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/29206. Acesso em 04 jun. 2020.

KOCHHANN, A.; SILVA, M. E.; AMORIM, M. C. S. Extensão universitária acadêmica processual e orgânica: um projeto de formação de professores. R. UFG, v.18, n. 22, p. 61-89, 2018. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/51563. Aceso em 05 jun. 2020.

LÜBECK, K. R. M.; SOUZA, J. R.; BEZERRA, R. C. A importância dos projetos de extenção da formação do professor de matem ética. Revista do Centro de Educação. Letras e Saúde da Unioeste. Foz do Iguaçu, v.17, n.2, p. 28-44, 2015.

MANCHUR, J.; SURIANI, A. L. A.; CINHA, M. C. A contribuição de projetos de extensão na formação profissional de graduandos de Licenciaras. Unicentro, Ponta Grossa, v. 9, n. 2, p. 334-341, jul./dez. 2013.

MARCHAN, G. S. Discursos presentes nas políticas curriculares no processo de formação docente: A configuração do perfil pedagógico. 2017. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas,2017.

OLIVEIRA, M. F. Química Forense: A Utilização da Química na Pesquisa de Vestígios de Crime. Química Forense, São Paulo, n.24, p. 17-19 2016.

PAULA, M. S. Atividades experimentais de demonstração no ensino de ciências dos anos iniciais: contribuições para uma formação crítica na educação em ciências. R. Labore Ens. Ci., Campo Grande, v.1, n.especial, p. 17-28, 2016

PIMENTA , S. G. O estágio na formação de professores: unidade entre teoria e prática. Cad. Pesq., n.94, p. 58-73, 1995. Disponível em: http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/cp/arquivos/612.pdf. Acesso: 06 jun. 2020.

RHODEN, J. L. M.; RHODEN, V. Formação de professores: um espaço que possibilita trabalhar a educação emocional e compreender o estresse do professor. Rev. Ciênc. Ext. v.10, n.2, p. 118-135, 2014. Disponível em: https://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/article/view/754/984 Acesso: 04 jun.2020.

ROSA, J. K. L. R.; WEIGERT, C; SOUZA, A. C. G. A. Formação docente: Reflexões sobre o Estágio curricular. Ciência & Educação, Bauru, v.18, n.3, p. 675-688, 2012.

SANTOS FILHO, J. C; GAMBOA, S.S. (Org). Pesquisa Educacional: quantidade qualidade.7. ed. São Paulo: Questões da nossa época, 2009, 111p.

SANTOS, et al. Formação de professores: uma proposta de pesquisa a partir da reflexão dobre a prática docente. Rev. Ensaio. V.8, n.1, p.69-82, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v8n1/1983-2117-epec-8-01-00069.pdf. Acesso em 26 jun. 2020.

SILVA, K. C. P.C. Epistemologia da práxis na formação de professores: perspectiva crítico-emancipatória. Rer. Ciências Humanas, Frederico Westphalen, v. 18, n.2, p. 121-135, set./dez. 2017.

SILVA, V.G. A importância da experimentação no ensino de Química e Ciências. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso. 2016. Monografia – Faculdade de ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2016.

SOUZA, A. C. A Experimentação no ensino de ciências: importância das aulas práticas no processo de ensino aprendizagem. 2013. Monografia de especialização (Especialização em educação: métodos e técnicas de ensino), Diretoria de pesquisa e pós-graduação, Universidade Tecnológica do Paraná, Medianeira, 2013.

VALÉRIO, M. CONTRERAS, José. Autonomia de professores. Trad. Sandra Trabuco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2002, 296p. Educar em revista, Curitiba, n.66, p. 372-332, out./dez. 2017.

VEIGA, I. P. A. Educação Superior: Projeto Político-Pedagógico. 5. ed. São Paulo: Papirus, 2004.

Publicado

2020-12-18

Como Citar

Andrade dos Santos, T., Ernesto Silva Trentin, G., Pereira de Carvalho-Júnior, V., & Eleutério Goi, B. (2020). MINICURSO DE CIÊNCIA FORENSE E A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL: UMA INICIATIVA DO PET QUÍMICA E FÍSICA. Colloquium Humanarum. ISSN: 1809-8207, 17, 385-396. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/3679

Edição

Seção

Dossiê: Formação de Professores

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##