UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA DE VERMICOMPOSTGEM PARA REUTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS E DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS

Autores

  • Melissa Arantes Pinto Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Bianca Soares de Souza Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Isabela Marega Rigolin Fuzeto
  • Leila Maria Sotocorno e Silva Unoeste
  • Monalisa Xavier dos Santos Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE

Palavras-chave:

Eisenia foetida, Resíduos Sólidos, Vermicomposto

Resumo

Atualmente, a destinação final de resíduos orgânicos e de macrófitas aquáticas não ocorre de maneira eficaz, interferindo diretamente no meio ambiente e causando problemas ambientais. Diante disso, o trabalho teve como objetivo, realizar o reaproveitamento dos resíduos orgânicos do Campus 2 da UNOESTE, que são oriundos do restaurante universitário, limpeza urbana e esterco bovino de gado leiteiro, bem como as macrófitas aquáticas da represa da Cica no município de Presidente Prudente, por meio da técnica de vermicompostagem em diferentes tratamentos, analisando propriedades físicas e químicas do composto final e sugerindo uma melhor destinação para tais resíduos. Foram realizados quatro tratamentos, com três repetições cada, sendo eles: T1 (Esterco, Resíduo orgânico), T2 (Macrófita Aquática, Esterco, Resíduo orgânico), T3 (Resíduo de limpeza urbana, Esterco, Resíduo Orgânico) e T4 (Macrófita, Resíduo de limpeza urbana, Esterco, Resíduo orgânico). Após a coleta do composto, foram realizadas análises laboratoriais, onde foi constatado um aumento expressivo na umidade quando comparada aos parâmetros da Instrução Normativa SDA nº 25 de 2009. Nos tratamentos realizados, o T4 se apresentou como destaque pela procriação das minhocas. Portanto, através da execução desse trabalho foi possível confirmar que a aplicação da técnica de vermicompostagem é viável para o tratamento de resíduos orgânicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AQUINO, A. M.; ALMEIDA, D. L.; SILVA, V. F. Utilização de minhocas na estabilização de resíduos orgânicos: vermicompostagem. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Comunicado Técnico, n. 8, p. 1-6, jun. 1992.

AQUINO, A. M.; DE-POLLI, H.; ALMEIDA, D. L. Alternativas para substituição parcial do esterco na vermicompostagem. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Comunicado Técnico, n° 11, p. 1-4, jun. 1994.

AQUINO, A. M.; OLIVEIRA, A. M. G.; LOUREIRO, D. C. Integrando compostagem e vermicompostagem na reciclagem de resíduos orgânicos domésticos. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Comunicado Técnico, Seropédica, jun. 2005.

BRASIL. Presidência da República. Lei N° 12.305, de 02 de agosto de 2010. INSTITUI A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS; ALTERA A LEI N° 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998; E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Casa Civil, Brasília, DF, 02 ago. 2010. Legislativo. Disponível em: < www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 18 fev. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei No 9.795, de 27 de Abril de 1999.

DISPÕE SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL, INSTITUI A POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Casa Civil. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 18 fev. 2019.

CARLESSO, W. M.; RIBEIRO, R.; HOEHNE, L. Tratamento de resíduos a partir de compostagem e vermicompostagem. Revista Destaques Acadêmicos, v. 3, n. 4, p. 105-110, 2011.

CETESB. Emissões do setor de resíduos sólidos e efluentes líquidos. Governo de São Paulo, p. 22 e 24, 2009-2010.

COTTA, J. A. de O.; CARVALHO, N. L. C.; BRUM, T. da S., REZENDE, M. O. de O. Compostagem versus vermicompostagem: comparação das técnicas utilizando resíduos vegetais, esterco bovino e serragem. Engenharia Sanitária Ambiental, v.20, n.1, p. 65-78, jan/mar. 2015. https://doi.org/10.1590/S1413-41522015020000111864

CRUZ, M. B. Macrófitas aquáticas cultivadas em águas de drenagem ácida de mina. 2011. 81 f. Tese (Doutorado em Botânica) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2011.

DORES-SILVA, P. R.; LANDGRAF, M. D.; REZENDE, M. O. de O. Processo de estabilização de resíduos orgânicos: vermicompostagem versus compostagem. Quim. Nova, v. 36, n. 5, p. 640-645, março. 2013. https://doi.org/10.1590/S0100-40422013000500005

E-Cycle. Vermicompostagem: conheça as vantagens dessa técnica que reduz o lixo orgânico. 2018. Disponível em: https://www.ecycle.com.br/component/content/article/67-dia-a-dia/2532-o-que-e-vermicompostagem-passo-a-passo-dicas-como-fazer-compostagem-caseira-minhocas-minhocario-composteira-domestica-apartamento-vantagens-reciclagem-sustentavel-lixo-organico-adubo-natural-onde-encontrar-comprar-adquirir.html. Acesso em: 17 nov. 2019.

FARIAS, C. A. Resíduos orgânicos alternativos nos processos de compostagem e vermicompostagem. 2001. 119 f. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2001.

GAZANÊO, L. Pensando a compostagem como ferramenta de aprendizagem significativa. 2012. 45 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Biológicas) – Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos, 2012.

KIEHL, E. J. Fertilizantes orgânicos. São Paulo: Agronômica Ceres, 1985.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Secretaria de Defesa Agropecuária. Instrução Normativa Nº 25, de 23 de Julho de 2009. NORMAS SOBRE AS ESPECIFICAÇÕES E AS GARANTIAS, AS TOLERÂNCIAS, O REGISTRO, A EMBALAGEM E A ROTULAGEM DOS FERTILIZANTES ORGÂNICOS SIMPLES, MISTOS, COMPOSTOS, ORGANOMINERAIS E BIOFERTILIZANTES DESTINADOS À AGRICULTURA. Embrapa. Disponível em: <https://www.embrapa.br/documents/1355242/0/Biog%C3%A1sFert+-+Instru%C3%A7%C3%A3o+Normativa+25%2C+normas+sobre+fertilizantes+destinados+%C3%A0+agricultura.pdf>. Acesso em: 19 fev. 2019.

NUNES, R. R. Vermicompostagem como tecnologia aplicada à valorização e reaproveitamento dos resíduos de curtume: um estudo químico e agronômico com vistas à produção orgânica de pimentão em ambiente protegido. 2017. 279 f. Tese (Doutorado em Química Analítica e Inorgânica) – Universidade de São Paulo, São Carlos, 2017.

PANISSON, R. Avaliação de diferentes processos de compostagem em pequena escala com adição de microrganismos eficientes. 2017. 52 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental) – Universidade Federal da Fronteira Sul, Erechim, 2017.

PENNA, P. S. Larvas no Minhocário Caseiro/Doméstico. 2016. Disponível em: http://quintalflorestal.com.br/larvas-no-minhocario-caseiro-domestico/. Acesso em: 14 nov. 2019.

PIGATIN, L. B. F. Estudo químico e espectroscópico da dinâmica da vermicompostagem de resíduos agroindustriais para manejo sustentável em agricultura orgânica. 2017. 226 f. Tese (Doutorado em Química Analítica e Inorgânica) – Universidade de São Paulo, São Carlos, 2017.

RIBEIRO, M. F. F. Uso da vermicompostagem como forma de destinação de orgânicos. 2019. 24 f. Monografia (Especialização) – Centro Universitário de Goiás - Uni-ANHANGUERA, Goiânia, 2019.

RICCI, M. dos S. T. Manual de vermicompostagem. Porto Velho, RO: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 1996.

SILVA, R. F.; VASCONCELLOS, N. J. S. DE; STEFFEN, G. P. K.; DOTTO, R. B.; GRUTKA, L. Caracterizações microbiológicas e químicas em resíduos orgânicos submetidos à vermicompostagem. R. Bras. Agrociência, Pelotas, v.17, n.1-4, p.108-115, jan-mar. 2011.

SODRÉ, G. A. Minhocas: biologia, comportamento e sistemas de criação. Ilhéus: CEPLAC/DEPED, 1988.

TAVARES, F. F.; COSTA, L. V.; FERNANDES, L. T.; SOUSA, M. T.; FERNANDES, M. B.; ANDRAUS, M. DE P. Vermicompostagem: uma alternativa sustentável. Sistema Integrado de Publicações Eletrônicas da Faculdade Araguaia, Araguaia, v.7, p. 41-49, dez. 2018.

VERAS, L. R. V.; POVINELLI, J. A vermicompostagem do lodo de lagoas de tratamento de efluentes industriais consorciada com composto de lixo urbano. Eng. sanit. ambient., v. 9, n. 3, p. 218-224, jul/set, 2004. https://doi.org/10.1590/S1413-41522004000300008

Downloads

Publicado

2021-02-23

Como Citar

Pinto, M. A. ., Souza, B. S. de, Fuzeto, I. M. R., Silva, L. M. S. e, & Santos, M. X. dos. (2021). UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA DE VERMICOMPOSTGEM PARA REUTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS E DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS. Colloquium Exactarum. ISSN: 2178-8332, 12(4), 89–100. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ce/article/view/3831