BIOCARVÃO DO BIOSSÓLIDO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

Autores

  • Evelin Koyama Paulino Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Melissa Arantes Pinto Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Daniel Ângelo Macena Universidade Virtual do Estado de São Paulo-UNIVESP
  • Angelica Caroline Lima Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Elida Moreira De Lima Santana Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Janardelly Gomes de Souza Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE
  • Marcelo Rodrigo Alves UNOESTE

Palavras-chave:

Biocarvão; Lodo de Esgoto; Condicionador de Solo

Resumo

O biossólido é um material rico em matéria orgânica e outros nutrientes de importância agronômica como nitrogênio e fosfóro. O seu fim quase sempre é em aterros sanitários. Portanto, sua transformação em biocarvão, pelo processo de pirólise, seria uma forma de associar seus benefícios inerentes ao biocarvão, possibilitando um destino final mais adequado. Diante disto o trabalho teve como objetivo produzir o biocarvão a fim de avaliar a viabilidade de uso na agricultura. O biocarvão foi produzido em escala laboratorial, em diferentes temperaturas e por conseguinte foi realizada a caracterização do produto final.  Como resultado, o material comprovou ser rico em matéria orgânica conforme aumento da temperatura, afinando o material e aumento da superfície específica tornando o pH alcalino servindo como sequestro de carbono. Desta forma, com a preocupação constante da produção do lodo de esgoto, o biocarvão se mostrou mais eficiente do que o biossólido puro para aplicação na agricultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGRAFIOTI, E. et al. Biochar production by sewage sludge pyrolysis. Journal of Analytical and Applied Pyrolysis. p. 72-78, 2013. https://doi.org/10.1016/j.jaap.2013.02.010

BETTIOL, W.; CAMARGO, O. A. A disposição de lodo de esgoto em solo agrícola.In: BETTIOL, W.; CAMARGO, O. A. Lodo de esgoto: impactos ambientais na agricultura Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, p. 25-36, 2006.

BEZERRA, F.; et al. Lodo de esgoto em revegetação de área degradada. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 41, n. 3, p. 469-476, 2006. https://doi.org/10.1590/S0100-204X2006000300014

BITTENCOURT, S.; et al. Gestão do uso agrícola do lodo de esgoto: estudo de caso do estado do Paraná, Brasil. Eng. Sanit. Ambient., Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 1129-1139, 2017. https://doi.org/10.1590/s1413-41522017156260

BRASIL, INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA Nº 17, DE 21 DE MAIO 2007.
BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA nº 375, de 29 de agosto de 2006. Define critérios e procedimentos, para o uso agrícola de lodos de esgoto gerados em estações de tratamento de esgoto sanitário e seus produtos derivados, e dá outras providências. Diário Oficial da União,Brasília, DF, 29 de Ago de 2006. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res06/res37506.pdf>. Acesso em: 7 Mar. 2018.

CETESB – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Aplicação de Lodos de Sistemas de Tratamento Biológico em Áreas Agrícolas – Critérios para Projeto e Operação. Norma P.4.230 - São Paulo, agosto de 1999.

CONAMA, Resolução n° 375, de 29 de agosto de 2006, do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA; “Define critérios e procedimentos, para o uso agrícola de lodos de esgoto gerados em estações de tratamento de esgoto sanitário e seus produtos derivados, e dá outras providências”; Brasília, DF.

CONZ, R. Caracterização de matérias-primas e biochars para aplicação na agricultura. Dissertação (Mestrado) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Piracicaba, 2015. 132p.

COSTA, A. M. Influência das propriedades anatômicas, químicas e físicas da madeira de Eucalyptuse Corymbia na qualidade do carvão para uso siderúrgico. 2014. 173 p. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia da Madeira) -Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2014.

COSTA, Aureliano.; COSTA, Adelaide. Manual de uso agrícola e disposição do lodo de esgoto para o Estado do Espírito Santo. Incaper – Vitória – ES, 2011 126p.

DOWNIE, A.; CROSCKY, A.; MUNROE, P. Physical properties of biochar. In: LEHMANN, J.; JOSEPH, S. (Ed.). Biochar for environmental management science and technology. London: Earthscan, 2009. p. 13-29.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Manual de métodos de análise de solo / Centro Nacional de Pesquisa de Solos. – 2. ed. rev. atual. – Rio de Janeiro, 1997. 212p.

ENDERS, A. et al. Characterizationof biocarvões to evaluate recalcitrance and agronomic performance. Bioresource Technology, Oxford, v. 114, p. 644-653, June 2012. https://doi.org/10.1016/j.biortech.2012.03.022

GASKIN, J.W.; STEINER, C.; HARRIS, K.; DAS, K.C. & BIBENS, B. Effect of low-temperature pyrolysis conditions on biochar for agricultural use. Trans. Asabe, 51: 2061-2069, 2008. https://doi.org/10.13031/2013.25409

GONZAGA, M., et al. Sewage sludge derived biochar and its effect on the growth and morphological traits of eucalyptus grandis w.hill ex maiden seedlings. Ciênc. Florest., Santa Maria, v. 28, n. 2, p. 687-695, 2018. ttps://doi.org/10.5902/1980509832067

HOSSAIN, M. et al. Agronomic properties of wastewater sludge biochar and bioavailability of metals in production of cherry tomato (Lycopersicon esculentum). Chemosphere, 78: 1167-1171, 2010. https://doi.org/10.1016/j.chemosphere.2010.01.009

HOSSAIN, M. et al. Influence of pyrolysis temperature on production and nutrient properties of wastewater sludge biochar. Journal of Environmental Management, 92: 233-228, 2011. https://doi.org/10.1016/j.jenvman.2010.09.008

HWANG, I.H. et al. Characteristics of leachate from pyrolysis residue of sewage sludge.Chemosphere, v. 68, n. 10, p. 1913- 1919, 2007. https://doi.org/10.1016/j.chemosphere.2007.02.060

IBGE. Manual técnico de pedologia, Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. 2 Ed. - Rio de Janeiro: IBGE -: il. - (Manuais técnicos em geociências, ISSN 0103 -9598; n4), 2007.

INSTITUTO TRATA BRASIL (Brasil). Estudo Trata Brasil “Ociosidade das Redes de Esgoto” 2015. Disponível em: <http://www.tratabrasil.org.br/saneamento/principais-estatisticas/no-brasil/esgoto>. Acesso em: 08 ago. 2018.

JOSEPH, S. D. et al. An investigation into the reactions of biocharin soil. Australian Journal of Soil Research,Victoria, v. 48, n. 7, p. 501-515, 2010. https://doi.org/10.1071/SR10009

JOSEPH, S. D. et al. Developing biochar classification and test methods. In: LEHMANN, J.; JOSEPH, S. (Ed.). Biochar for environmental management science and technology. New York: Earthscan, 2009. p. 107-126.

JUNIO, G.; et al. Produtividade de milho adubado com composto de lodo de esgoto e fosfato natural de Gafsa. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 17, n. 7, p. 706-712, 2013. https://doi.org/10.1590/S1415-43662013000700003

KATAYAMA V., et al. Quantificação da produção de lodo de estações de tratamento de água de ciclo completo: uma análise crítica.Eng Sanit Ambient, v.20 n.4, p. 559-569, 2015. https://doi.org/10.1590/S1413-41522015020040105046

Kim KH; Kim JY, Cho TS, Choi JW. Influence of pyrolysis temperature on physicochemical properties of biochar obtained from the fast pyrolysis of pitch pine (Pinus rigida). Biores Technol. 2012;118:158-62. https://doi.org/10.1016/j.biortech.2012.04.094

LEHMANN, J.; GAUNT, J.; RONDON, M. Bio-char sequestration in terrestrial Ecosystems: a review. Mitigation and Adaptation Strategies for Global Change. Springer, n. 11, p. 403–427, 2006. https://doi.org/10.1007/s11027-005-9006-5

LIU, T.; LIU, B.; ZHANG, W. Nutrients and heavy metals in biochar produced by sewage sludge pyrolysis: its application in soil amendment.Polish Journal of Environmental Studies, Poland, v. 23, n. 1, p. 271- 275, 2014.

LOBO, T.; GASSI FILHO, H.; KUMMER, A. Aplicações sucessivas de lodo de esgoto no girasol e efeito residual no trigo e triticale. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 18, n. 9, p. 881-886, 2014. https://doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v18n09p881-886

LOPES, A.; GUILHERME L. Uso eficiente de fertilizantes e corretivos agrícolas: aspectos agronômicos. – 3ª edição – São Paulo, ANDA, 2000.

MARY, G. S. et al. Production, characterization and evaluation of biochar from pod (Pisum sativum), leaf (Brassica oleracea) and peel (Citrus sinensis) wastes. International Journal of Recycling of Organic Waste in Agriculture, New York, v. 5, n. 1, p. 43-53, Mar. 2016. https://doi.org/10.1007/s40093-016-0116-8

MAŠEK, O.; BROWNSORT, P.; CROSS, A.; SOHI, S. Influence of production conditions on the yield and environmental stability of biochar. Fuel, v. 103, 2013. https://doi.org/10.1016/j.fuel.2011.08.044

NEUSATZ GUILHEN, S. Síntese e caracterização de biocarvão a partir do resíduo de coco de macaúba para remoção de urânio de soluções aquosas. 2018. 324p. Tese (Doutorado em Tecnologia Nuclear), Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, IPEN-CNEN/SP, São Paulo. Dispónil em www.teses.usp.br. Acesso em: 29/05/2019

NÓBREGA, Isis P. C.; Efeitos do Biochar nas propriedades físicas e químicas do solo: - Sequestro de carbono no solo. 38pg. 2011. Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Mestrado em Engenharia do Ambiente-Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2011.

PINHEIRO, P. C. C.; FIGUEIREDO, F . J.; SÈYE, O. Influência da temperatura e da taxa de aquecimento da carbonização nas propriedades do carvão vegetal de Eucalyptus. Biomassa & Energia, v. 2, n. 2, p. 159-168, 2005.

PIRES, A. Produção e caracterização de palha de cana-de-açucar (Saccharum sp.) em Sorocaba-SP. 2017. 42 f. Dissertação (Mestrado em Ciência dos Materiais) – Universidade Federal de São Carlos, campus Sorocaba Disponível em: < https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/9192/Vers%C3%A3o%20Final%20PDF.pdf?sequence=1>. Acesso em: 08 jul. 2018.

PIRES, A.; ANDRADE, C. Recomendação de dose de lodo de esgoto: a questão do nitrogênio. Comunicado técnico, EMBRAPA, 2014. 7p

POGGIANI, F.; GUEDES, M.; BENEDETTI, V. Aplicabilidade de biossólido em plantações florestais: I. Reflexo no Ciclo dos Nutrientes. In: BETTIOL, W. e CAMARGO, O. A. (Eds) Impacto Ambiental do Uso Agricola do Lada de Esgoto. Jaguariúna: EMBRAPA Meio Ambiente, 2000, cap. 8, p. 163 – 178.

POGGIANI, F.; SILVA, P. Biossólido aumenta produtividade de eucalipto. Visão Agrícola, nº4, p. 105 – 107, 2005. Disponível em: < http://www.esalq.usp.br/visaoagricola/sites/default/files/va04-ciencia-e-tecnologia09.pdf > Acesso em: 15 mai. 2018.

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS: Fertilizantes. Disponível em: <http://www.dequi.eel.usp.br/~acsilva/10%20-%20Fertilizantes.pdf>. Acesso em: 06 maio 2018.

RAIJ, B. Van., ANDRADE, J.C., CANTARELLA, H., QUAGGIO, J.A. (Ed.). Análise química para avaliação da fertilidade de solos tropicais. Campinas: Instituto Agronômico, 2001. 285p.

RAJKOVICH, S.; ENDERS, A.; HANLEY, K.; HYLAND, C.; ZIMMERMAN, A.R.; LEHMANN, J. Corn growth and nitrogen nutrition after additions of biochars with varying properties to a temperate soil. Biology and Fertility of Soils, New York, v. 48, p. 271-284, 2011. https://doi.org/10.1007/s00374-011-0624-7

SINGH, B. P. et al. Influence of Biochars on Nitrous Oxide Emission and Nitrogen Leaching from Two Contrasting Soils. Journal of Environment Quality, v. 39, n. 4, p. 1224, 2010. https://doi.org/10.2134/jeq2009.0138

SOUSA, A. Biochar de lodo de esgoto: efeitos no solo e na planta no cultivo de rabanete. Brasília: UnB, 2015. 63p.

SOUZA, J.; LIMA, T. Uso de lodo de esgoto como alternativa ao uso de adubos guímicos em solos arenosos e de baixa fertilidade natural. Presidente Prudente – SP: Unoeste, 2017. 27p.

TAMANINI, C.; et al. Land reclamation recovery with the sewage sludge use. Brazilian Archives of Biology and Technology, v. 51, n. 4, p. 643-655, 2008. https://doi.org/10.1590/S1516-89132008000400023

TRUGILHO, P. F.; SILVA, D. A. da. Influência da temperatura final de carbonização nas características físicas e químicas do carvão vegetal de Jatobá (Himenea courbaril L.). Scientia Agraria, Piracicaba, v. 2, n. 1/2, 2001. https://doi.org/10.5380/rsa.v2i1.976

VALE, A. T. do et al. Charactherization of biomass energy and carbonization of coffee grains (Coffea arabica, L) and (Cedrelinga catenaeformis), duke wood residues. Cerne, Lavras, v. 13, p. 416-420, 2007.
VEIGA, T.L.R. Síntese e caracterização de biocarvões de biomassa de casca de café e de madeira de eucalipto. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO.– Universidade Federal de Lavras, 2016.

YUAN, H. et al. Influence of temperature on product distribution and biochar properties by municipal sludge pyrolysis. Journal Material Cycles Waste Management, p. 361-375, 2013. https://doi.org/10.1007/s10163-013-0126-9

ZELAYA, K. Caracterização de biocarvão de lodo de esgoto e bagaço de cana-de-açúcar e efeitos no cultivo de beterraba. Montes Claros: UFMG, 2016. 72p.

ZHANG, A. et al. Effect of biochar amendment on maize yield and greenhouse gas emissions from a soil organic carbon poor calcareous loamy soil from Central China Plain. Plant and Soil, Dordrecht, v. 351, n. 1/2, p. 263-275, 2012. https://doi.org/10.1007/s11104-011-0957-x

ZHAO, L. et al. Heterogeneity of biochar properties as a function of feedstock sources and production temperatures.Journal of Hazardous Materials, Amsterdam, v. 256/257, p. 1-9, July 2013. https://doi.org/10.1016/j.jhazmat.2013.04.015

Publicado

2019-11-26

Como Citar

Koyama Paulino, E., Arantes Pinto, M., Ângelo Macena, D., Caroline Lima, A., Moreira De Lima Santana, E., Gomes de Souza, J., & Rodrigo Alves, M. (2019). BIOCARVÃO DO BIOSSÓLIDO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP. Colloquium Exactarum. ISSN: 2178-8332, 11(4), 46-61. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ce/article/view/3271

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>