USO DE FERRAMENTAS DA BIOINFORMÁTICA PARA DETERMINAÇÃO DOS POSSÍVEIS EFEITOS DO Β-CAROTENO NO CULTIVO IN VITRO DE PHALAENOPSIS

  • Fernanda Kelly Mezzalira Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Dois Vizinhos
  • Betty Cristiane Kuhn UTFPR-DV
Palavras-chave: ORQUÍDEAS; DAUCUS CARROT; BIOTECNOLOGIA

Resumo

Plantas ornamentais apresentam elevado interesse econômico, entre as ornamentais com maior número de comercialização encontram-se orquídeas do gênero Phalaenopsis. O cultivo in vitro, uma ferramenta biotecnológica, tem como objetivo propagar um número elevado de mudas com qualidade fitossanitária e é amplamente empregado para o cultivo de ornamentais, a bioinformática auxilia na busca por genomas semelhantes de organismos que mantenham seus dados armazenados. O objetivo do trabalho foi determinar o meio de cultura adequado para germinação e desenvolvimento da Phalaenopsis híbrida, e analisar por bioinformática componentes semelhantes que possam substituir o componente estudado. Na metodologia testou-se quatro tratamentos, sendo eles o meio de cultura Knudson, o meio Murashige e Skoog, meio Knudson com incremento de reguladores de crescimento combinando uma citocina com uma auxina (BAP/ANA) e o último tratamento o meio Knudson suplementado com suco de cenoura em 10 %(v/v). Os resultados demonstram que o suco de cenoura é benéfico para a germinação e desenvolvimento de orquídeas do gênero Phalaenopsis, sendo o tratamento que obteve os melhores resultados nas análises realizadas, através da análise de bioinformática com uso do CLUSTAL e do BLAST, verificou-se que um substituto para a cenoura, na elaboração dos meios de cultura, é a laranja, pela semelhança do gene responsável pelo β-caroteno em ambas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, S. M. A bioinformática e sua importância para a biologia molecular. Revista Brasileira de Educação e Saúde, v. 3, n. 4, p. 18–25, 2013.

AMARAL, A. M.; et. al. O Programa BLAST: Guia Prático de Utilização. EMBRAPA. Documentos 224. Brasília, 2007.

BARROS, F. et al. Checklist of the Orchidaceae from the state of Mato Grosso do Sul, Brazil. Iheringia - Serie Botanica, v. 73, p. 287–296, 2018.

BOLELI, I. C.; et. al. Abecedário Genético. Projeto “Ciências da natureza e suas tecnologias: a interdisciplinaridade para o trabalho em grupo”. (Núcleo de Ensino da Unesp – Campus de Jaboticabal, 2004.

CAMELOSI, M. R.; et al. Redução da oxidação na propagação in vitro da bananeira maçã. Ciênc. agrotec., Lavras, v. 31, n. 4, p. 1237-1241, 2007.

COSTA, M. A. P. de C.; et. al. Micropropagação de orquídea. In: JUNGHANS, T. G.; SOUZA, A. da S. (Ed.). Aspectos Práticos da Micropropagação de Plantas. 2. ed. Brasília - DF: Embrapa, 2013, p. 373-392.

CHUGH, S.; GUHA, S.; RAO, U. Micropropagation of orchid: a review on the potential of different explants. Scientia Horticulture, v.122, n.4, p.507-520, 2009.

EMBL-EBI. InterPro – Protein sequence analysis & classification. Disponível em:< http://www.ebi.ac.uk/interpro/sequencesearch/iprscan5-S20190422-190214-0689-28017487-p2m>. Acesso em 22/04/19.

FOGAÇA, C. M.; et. al. Microtuberização in vitro de cultivares de mandioca: aspectos morfológicos e anatômicos. Acta Botânica Brasileira, São Paulo. v. 24, n. 3, Jul/Set 2010.

GNASEKARAN, P.; et. al. A study on the use of organic additives on the protocorm-like bodies (PLBs) growth of Phalaenopsis violaceae orchid. J Phytol. v. 2, p. 29–33, 2010.

GRATTAPAGLIA, D.; MACHADO, M.A. Micropropagação. In: TORRES, A.C.; CALDAS, L.S.; BUSO, J.A. Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. 2. ed. Brasília: EMBRAPA-SPI; EMBRAPA-CNPH. v.1, p.183-260, 1998.

GROENIGEN, J. W.; et. al. The soil N cycle: new insights and key challenges. Soil, v. 1, p. 235-256, 2015.

HOFFMANN, A. M.; et. al. Cultura de tecidos: aplicações na propagação de plantas. Universidade Federal de Lavras, Lavras. 1997, 130 p.
HSU, S.; CHUANG, H.-T.; SHEN, T.-M. Breeding Barriers in Red Phalaenopsis Orchids. Acta Horticulturae, v. 878, n. 29, p. 145–152, 2010.

JORDAN, M.I.; ROVERANO, L.; GOUREUX, A. Promotion of Annona cherimoya in vitro shoot morphogenesis as influenced by antioxidants. Gartenbauwissenschaft, Stuttgart, v. 56, n. 5, p. 224-227, 1998.

JORGE, J.; JURAS, M. C. R.; SUZUKI, R. M. Germinação e Crescimento inicial in vitro de Cattleya warneri T. Moore (Orchidaceae). Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre. v.13, n.3, p.134-141, Jul/Set 2015.

KARSBURG, I. V. Germinação de sementes de Dendrobium phalaenopsis em meio de cultura alternativo. 16 º Congresso brasileiro de floricultura e plantas ornamentais, Centro de convenções em Goiânia, 2007.

KNUDSON, L. A new nutrient solution for the germination of orchid seed. American Orchid Society Bulletin, West Palm Beach, v. 14, n. 2, p.214- 217, 1946.

KRINSKY, N. I. The biological properties of carotenoids. Pure & Applied Chemistry, Great Britain, v. 66, n. 5, p. 1003-1010, 1994.

LOPES, F. M. A Bioinformática Aplicada no Melhoramento de Plantas. 2o Encontro Paranaense de Melhoramento de Plantas, p. 1–5, 2012.

MANGELS, A.R.; et al. Carotenoid content of fruits and vegetables: an evaluation of analytic data. Journal of the American Dietetic Association, Chicago, v.93, n.3, p.284-296, 1993.

MINAMIGUCHI, J. Y.; MACHADO NETO, N. B. Embriogênese Somática Direta Em Folhas De Phalaenopsis: Orchidacease. Colloquium Agrariae, v. 3, n. 1, p. 07-13, 2007.

MIYATA, L. Y.; VILLA, F.; PASQUAL, M. Meios de cultura utilizados na micropropagação de híbridos de orquídeas. Semina: Ciências Agrárias, Londrina. V.35, n.4, p. 1731-1738, Jul/Ago 2014.

MURASHIGE T; SKOOG F. A revised medium for rapid growth and bioassays with tobacco tissue cultures. Physiologia Plantarum, v. 15, p. 473-497, 1962.

MURDAD, R.; et. al. Effects of carbon source and potato homogenates on in vitro growth and development of Sabah’s endangered orchid: Phalaenopsis gigantea. Asia-Pac J Mol Biol Biotechnol. v. 18, p. 199–202, 2010.

NAVES, M. M. V. Beta - Caroteno E Câncer. Rev. Nutr. Vol. 11. Nº2. Pág. 99-115. Campinas, 1998.

PASQUAL, M.; HOFFMANN, A.; RAMOS, J.D. Cultura de tecidos vegetais: tecnologia e aplicação. Lavras: UFLA, 1997. 159p.

PROSDOCIMI, F.; SANTOS, F. S. Sobre bioinformática, genoma e ciência. Ciência Hoje, Rio de Janeiro, v. 35, n. 209, p. 54-57, 2004.

RODRIGUEZ-AMAYA, D.B. Carotenoids and food preparation: the retention of provitamin a carotenoids in prepared, processed, and stored foods. Arlington : John Snow, 1997.

RODRIGUEZ-AMAYA, D. B.; KIMURA, M.; AMAYA-FARFAN, J. Fontes brasileiras de carotenoides: tabela brasileira de composição de carotenóides em alimentos. Brasília: MMA/SBF, 2008. 100 p.

ROSA, C. R. E. Identificação de marcadores snp (Single Nucleotide Polymorphism) associados ao gene de resistência RPP4 da soja (Glycine max l. merr.) a ferrugem (Phakopsora pachyrhizi sidow). 2015. 116 f. Dissertação (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Universidade de Brasília. Brasília, 2015.

ROYAL FLORA HOLLAND. Annual report 2018: Top 5 Kamerplanten. Disponível em: . Acesso em: 22/04/19.

SANTOS, R. I. Metabolismo básico e origem dos metabólitos secundários. In: SIMÕES, C. M. O.; et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 3.ed. Porto Alegre/Florianópilis: Ed.Universidade/UFRGS/Ed.UFSC, 2001.

SANTOS, E. C. Uma introdução à Bioinformática através da análise de algumas ferramentas de software livre ou de código aberto utilizadas para o estudo de alinhamento de sequências. 2004. 88 f. Monografia (Especialização) - Administração em Redes Linux, Universidade Federal de Lavras, 2004.

SAMUNI-BLANK, M.; et. al. Intraspecific directed deterrence by the mustard oil bomb in a desert plant. Current Biol., v. 13, n. 22, p. 1218-1220, 2012.

SAVITHRAMMA, N.; et. al. Screening of medicinal plants for secondary metabolites. Middle-East J. Sci. Res., n. 8, p. 579-584, 2011.

SIGMA-ALDRICH. Murashige and Skoog Basal Medium. Disponível em: https://www.sigmaaldrich.com/catalog/search?term=meio+murashige+e+skoog&interface=All&N=0&mode=match%20partialmax&lang=pt®ion=BR&focus=product.


SIGMA-ALDRICH. Knudson C Modified Orchid Medium. Disponível em: https://www.sigmaaldrich.com/catalog/product/sigma/k4003?lang=pt®ion=BR&gclid=CjwKCAjw7MzkBRAGEiwAkOXexE3k2Md9WYDcxd67mXkZhI2xBVL_yMMQkhg9SXV2EqueQsfcv07qJhoCPnMQAvD_BwE.

SILVA, A. R.; et al. Extração de pigmentos fotossintéticos em folhas das espécies de café (coffea arábica), acálifa (acalypha hispida) e urucum (bixa orellana) por meio de cromatografia em papel. VIII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil 25 a 28 de novembro de 2013, Salvador - BA.

SU, M. J.; SCHNITZER, J. A.; FARIA, R. T. Polpa de banana e fertilizantes comerciais no cultivo in vitro de orquídea. Científica, Jaboticabal, v.40, n.1, p.28–34, 2012.

SCHAAF, J.; et. al. Primary metabolism in plant defense. Plant Physiol., n. 108, p. 949-960, 1995.

STREIT, M. N.; et al. As Clorofilas. Ciência Rural, v. 3, n. 35, p.748-755, 2005.


SOUZA, A. S.; CORDEIRO, Z. J. M.; TRINDADE, A. V. Produção de mudas. In: CORDEIRO, Z. J. M. Banana: produção. Brasília, DF: Embrapa Comunicação para Transferência de Tecnologia, 2000. p. 39-46.

SCHOENMAKER, K. Boletim Informativo Ibraflor. v. 81, 2017.

TOMBOLATO, A. F. C.; COSTA, A. M. M. Micropropagação de plantas ornamentais. Campinas: Instituto Agronômico (Boletim técnico, 174). 1998. 72 p.

UNIPROT. UniProtKB – A0A164WWP2-Daucus. Disponível em:< https://www.uniprot.org/uniprot/A0A164WWP2>. Acesso 22/04/19.

VASIL, V.; HILDERBRANDT, A. C. Differentiation of tobacco plants from single, isolated cells in microcultures. Science, Washington, v. 150, p. 889-892, 1965.

WEIL, J. H. Bioquímica geral. Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa, 2ª ed., p. 316, 2000.

ZAHARA, M. et al. The effects of different media, sucrose concentrations and natural additives on plantlet growth of Phalaenopsis hybrid “pink”. Brazilian Archives of Biology and Technology, v. 60, n. December, p. 1–15, 2017.

ZAHARA, M.; DATTA, A.; BOONKORKAEW, P. Effects of sucrose, carrot juice and culture media on growth and net CO2 exchange rate in Phalaenopsis hybrid ‘Pink’. Sci Hortic. v. 205, p. 17–24, 2016.
Publicado
2020-05-05
Como Citar
Mezzalira, F. K., & Kuhn, B. C. (2020). USO DE FERRAMENTAS DA BIOINFORMÁTICA PARA DETERMINAÇÃO DOS POSSÍVEIS EFEITOS DO Β-CAROTENO NO CULTIVO IN VITRO DE PHALAENOPSIS. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 16(2), 101-113. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ca/article/view/3237