DESEMPENHO FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE Zea mays MATRICONDICIONADAS SOB DIFERENTES TEMPERATURAS

  • Alexandre Hack Porto UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ
  • Carlos Kosera Neto UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - Câmpus Pato Branco
  • Jean Carlo Possenti UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - Câmpus Pato Branco
  • Edgar de Souza Vismara UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - Câmpus Dois Vizinhos
  • Lilian de Souza Vismara UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - Câmpus Pato Branco
  • Thayllane de Campos Siega UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - Câmpus Pato Branco
Palavras-chave: : Milho; pré-hidratação; condicionamento osmótico; desempenho fisiológico; vigor

Resumo

O uso de sementes de alta qualidade reflete diretamente sobre o resultado final do plantio, estabelecimento da cultura e produtividade. A velocidade de entrada de água nas sementes e a temperatura são fatores cruciais no processo germinativo. Por isso, objetivou-se quantificar o ganho de água de sementes de milho submetidas a matricondicionamento sob quatro temperaturas (10; 15; 20 e 25 °C), bem como, avaliar a qualidade fisiológica destas sementes em função da pré-hidratação controlada. Foram usadas sementes C1, sem tratamento químico, de dois lotes do híbrido de milho 30F53YH. A curva do teor de água foi determinada a partir de oito repetições de duzentas sementes via análise de regressão da porcentagem de teor de água em função dos intervalos de tempo de, 2; 4; 6; 10; 14; 18 e; 24 horas de embebição. Em sequência, vários testes foram realizados para identificar a qualidade fisiológica das sementes. Ao final das 24 horas de avaliação, ambos os lotes apresentaram maior porcentagem de umidade quando matricondicionadas à temperatura de 25°C. Os resultados permitiram concluir que a qualidade fisiológica das sementes de milho foi afetada pela hidratação controlada e que as maiores temperaturas de embebição proporcionam a expressão de maior vigor nas plântulas e inferindo que a técnica de matricondicionamento se mostrou eficaz para realizar o condicionamento osmótico de sementes desta espécie.

O uso de sementes de alta qualidade reflete diretamente sobre o resultado final do plantio, estabelecimento da cultura e produtividade. A velocidade de entrada de água nas sementes e a temperatura são fatores cruciais no processo germinativo. Por isso, objetivou-se quantificar o ganho de água de sementes de milho submetidas a matricondicionamento sob quatro temperaturas (10; 15; 20 e 25 °C), bem como, avaliar a qualidade fisiológica destas sementes em função da pré-hidratação controlada. Foram usadas sementes C1, sem tratamento químico, de dois lotes do híbrido de milho 30F53YH. A curva do teor de água foi determinada a partir de oito repetições de duzentas sementes via análise de regressão da porcentagem de teor de água em função dos intervalos de tempo de, 2; 4; 6; 10; 14; 18 e; 24 horas de embebição. Em sequência, vários testes foram realizados para identificar a qualidade fisiológica das sementes. Ao final das 24 horas de avaliação, ambos os lotes apresentaram maior porcentagem de umidade quando matricondicionadas à temperatura de 25°C. Os resultados permitiram concluir que a qualidade fisiológica das sementes de milho foi afetada pela hidratação controlada e que as maiores temperaturas de embebição proporcionam a expressão de maior vigor nas plântulas e inferindo que a técnica de matricondicionamento se mostrou eficaz para realizar o condicionamento osmótico de sementes desta espécie.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Hack Porto, UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Agronomia (PPGAG) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR - Via do Conhecimento, KM 01, - Fraron, Pato Branco – PR – Brasil. 85503-390. Orcid: https://orcid.org/0000-0003-3921-7592. Email: porto@alunos.utfpr.edu.br

Carlos Kosera Neto, UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - Câmpus Pato Branco

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Agronomia (PPGAG) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR - Via do Conhecimento, KM 01, - Fraron, Pato Branco – PR – Brasil. 85503-390.

Jean Carlo Possenti, UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - Câmpus Pato Branco

Professor do Programa de Pós-graduação em Agronomia (PPGAG) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR - Via do Conhecimento, KM 01, - Fraron, Pato Branco – PR – Brasil. 85503-390.

Edgar de Souza Vismara, UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - Câmpus Dois Vizinhos

Professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR -Estrada para Boa Esperança, KM 04, - Dois Vizinhos – PR - Brasil. 86660-000.

Lilian de Souza Vismara, UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - Câmpus Pato Branco

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Agronomia (PPGAG) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR - Via do Conhecimento, KM 01, - Fraron, Pato Branco – PR – Brasil. 85503-390.

Thayllane de Campos Siega, UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - Câmpus Pato Branco

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Agronomia (PPGAG) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR - Via do Conhecimento, KM 01, - Fraron, Pato Branco – PR – Brasil. 85503-390.

Referências

BARROS, A. S. R.; DIAS, M. C. L. L.; CICERO, S. M; KRZYZANOWSKI. F. C. “Teste de frio”. In: KRZYZANOWSKi, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES. pp.5.1–5.15. 1999.

BATISTA, T. B.; BINOTTI, F. F. D. S.; CARDOSO, E. D.; COSTA, E.; Nascimento, D. M. D. Appropriate hydration period and chemical agent improve priming in brachiaria seeds. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 46, n. 3, p. 350-356. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/1983-40632016v4638422.

BEWLEY, J. D.; BLACK, M. Physiology and biochemistry of seed in relation to germination. Berlin: Springer Verlag,306 p. 1978.

BINOTTI, F. F. S.; SUEDA JÚNIOR, C. I.; CARDOSO, E. D.; HAGA, K. I.; NOGUEIRA, D.C. Tratamentos pré-germinativos em sementes de Brachiaria. Agrária - Revista Brasileira de Ciências Agrárias. v. 9, n. 4, p. 614–618. 2014. DOI:10.5039/agraria.v9i4a2781.

BOX, G. E. P.; COX, D. R. An analysis of transformations. Journal of the royal statistical society. v. 26, p. 211–252. 1964.

BRASIL. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Secretaria Nacional de defesa Agropecuária. Brasília. 398 pp. 2009.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: Ciência, Tecnologia e Produção. 4ed., FUNEP. 588pp. 2000.

COSTA, C. J.; VILLELA, F. A.; BERTONCELLO, M. R.; TILLMANN, M. A. A.; MENEZES, N.L. Pré-hidratação de sementes de ervilha e sua interferência na avaliação do potencial fisiológico. Revista Brasileira de Sementes, v. 30, p. 198–207. 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222008000100025.

DIAS, L. B. X.; QUEIROZ, P. A. M.; FERREIRA, L. B. S.; SANTOS, W. V.; FREITAS, M. A. M.; SILVA, P. P.; NASCIMENTO, W. M.; LEÃO-ARAÚJO, E. F. Teste de condutividade elétrica e embebição de sementes de grão-de-bico. Brazilian Journal of Agricultural Sciences/Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 14, n. 2, 2019. http: //dx.doi.org/10.5039/agraria.v14i2a5641.

FREITAS, R. A.; NASCIMENTO, W. M. Accelerated aging test on lentil seeds. Revista Brasileira de Sementes, v.28, n.3, p.59-63, 2006. http://www.scielo.br/pdf/rbs/v28n3/09.

GRZYBOWSKI, C. R. S.; VIEIRA, R. D.; PANOBIANCO, M. Testes de estresse na avaliação do vigor de sementes de milho. Revista Ciência Agronômica, v. 46, n. 3 p. 590–596. 2015. http://www.scielo.br/pdf/rca/v46n3/0045-6888-rca-46-03-0590.pdf.

GUIMARÃES, M. A.; TELLO, J. P. J.; DAMASCENO, L. A.; VIANA, C.S.; MONTEIRO, L. R. Pré-embebição de sementes e seus efeitos no crescimento e desenvolvimento de plântulas de melancia. Revista Ceres, v. 60, n. 3, p. 442–446. 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-737X2013000300020.

HAESBAERT, F. M.; LOPES, S. J.; MERTZ, L. M.; LÚCIO, A. D.; HUTH, C. Tamanho de amostra para determinação da condutividade elétrica individual de sementes de girassol. Bragantia, v.76, n.1, p.54-61, 2017. https://doi.org/10.1590/1678-4499.389.

KHAJEH-HOSSEINI, M.; LOMHOLT, A.; Matthews, S. "Mean germination time in the laboratory estimates the relative vigour and field performance of commercial seed lots of maize (Zea mays L.)." Seed Science and Technology, v. 37, n. 2, p. 446-456. 2009. DOI: 10.15258/sst.2009.37.2.17.

KHAN, A. Z.; IMRAN, MUHAMMAD, A.; KHALIL, A.; GUL, H.; AKBAR, H.; WAHAB, S. Impact of Fertilizer Priming on Seed Germination germination behavior and vigor of maize. International Society of Pure and Applied Biology, v. 5, n. 4, p. 183-192. 2016. http://dx.doi.org/10.19045/bspab.2016.50024

KHAN, A. A.; MIURA, H.; PRUSINKI, J.; ILYAS, S. Matriconditioning of seed to improve emmergence. Procedings of The Symposium on Stand Establishment of Horticultural Crops. 4-6 April, Minneapolis. 26 p. 1990.

KHAN, A. A.; JAMES D. M.; GEORGE, S. A.; SATRYAS, I. Matriconditioning of vegetable seeds to improve stand establishment in early field plantings. Journal American Society Horticulture Science v. 117, n. 1, p. 41-47. 1992. DOI: 10.21273/JASHS.117.1.41.

KHATAMI, S. R.; SEDGHI, M.; SHARIFI, R.S. Influence of priming on the physiological traits of corn seed germination under drought stress. Annals of West University of Timişoara, Series of Biology, v. 18, n. 1, p. 1–6. 2015. https://biologie.uvt.ro/annals/vol_18_1/AWUTSerBio_June2015_1-6.pdf.

MARCOS FILHO, J. Seed vigor testing: an overview of the past, present and future perspective. Scientia Agricola, v. 72, n. 4, p. 363–374. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/0103-9016-2015-0007

MARTINS, C. C.; MACHADO, C. G.; CAVASINI, R. Temperatura e substrato para o teste de germinação de sementes de pinhão-manso. Ciência e Agrotecnologia, v. 32, p. 863–8688. 2008. http://www.scielo.br/pdf/cagro/v32n3/a24v32n3.pdf.

MATTHEWS, S.; KHAJEH-HOSSEINI, M. Length of the lag period of germination and metabolic repair explain vigour differences in seed lots of maize (Zea mays). Seed Science and Technology, v. 35, n. 1, p. 200–212. 2007. https://doi.org/10.15258/sst.2007.35.1.18.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho de plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes, p. 2.1–2.24. 1999.

PASSOS, M. A. A.; SILVA, F. J. B. C.; SILVA, E. C. A.; PESSOA, M. M. L.; SANTOS, R.C. Luz, substrato e temperatura na germinação de sementes de cedro-vermelho. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 43, n. 2, p. 281–284. 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2008000200019.

SBRUSSI, C. A. G.; ZUCARELI, C. Germinação sob altas temperaturas para avaliação do potencial fisiológico de sementes de milho. Ciência Rural, v. 45, p. 1736–174. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/0103-8478cr20130906.

SCHEEREN, B. R.; PESKE, S. T.; SCHUCH, L. O. B.; BARROS, A. C. A. Qualidade fisiológica e produtividade de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 3, p. 35–41. 2010. http://www.scielo.br/pdf/rbs/v32n3/v32n3a04.pdf.

TAIZ, L., ZEIGER, E., MOLLER, I.M., MURPHY, A. Fisiologia e Desenvolvimento Vegetal. Artemed 6. Ed, Porto Alegre, Brasil. 858p. 2017.

TEAM, R. (2016). Development Core. The R project for statistical computing. Available in: https://www.r-project.org/.

TIAN, Y.; GUAN, B.; ZHOU, D.; YU, J.; LI, G.; LOU, Y. Responses of Seed Germination, Seedling Growth, and Seed Yield Traits to Seed Pre treatment in Maize (Zea mays L.). The Scientific World Journal, p. 1–8. 2014. http://dx.doi.org/10.1155/2014/834630.

ULLMANN, R.; RESENDE, O.; CHAVES, T. H.; OLIVEIRA, D. E. C.; COSTA, L.M. Qualidade fisiológica das sementes de sorgo sacarino submetidas à secagem em diferentes condições de ar. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 19, p. 64–69. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v19n1p64-69.

ZUCARELI, C.; CAVARIANI, C.; OLIVEIRA, E. A. P.; NAKAGAWA, J. Métodos e temperaturas de hidratação na qualidade fisiológica de sementes de milho. Revista Ciência Agronômica, v. 42, p. 684–692. 2011. http://ccarevista.ufc.br/seer/index.php/ccarevista/article/view/1420.
Publicado
2020-06-03
Como Citar
Porto, A. H., Kosera Neto, C., Possenti, J. C., Vismara, E. de S., Vismara, L. de S., & Siega, T. de C. (2020). DESEMPENHO FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE Zea mays MATRICONDICIONADAS SOB DIFERENTES TEMPERATURAS. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 16(3), 60-71. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ca/article/view/3126