AJUSTE DA DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA E SIMILARIDADE FLORÍSTICA PARA ÁREAS CILIARES ATRAVÉS DO USO DE FUNÇÕES DE DENSIDADE DE PROBABILIDADE

Autores

  • Mathaus Messias Coimbra Limeira Universidade Federal do Tocantins / Graduando em engenharia Florestal
  • Walberisa Magalhães Gregório Universidade Federal do Tocantins / Engenheira Florestal
  • Marcos Vinicius Cardoso Silva Universidade federal do Tocantins / Mestrando em ciências Florestais e Ambientais
  • Yasmim Andrade Ramos Universidade federal do Tocantins / Mestranda em ciências Florestais e Ambientais
  • Thiêssa Tamilla de Carvalho Santana Universidade federal do Tocantins / Mestranda em ciências Florestais e Ambientais
  • Thiago Gomes Andrade Universidade federal do Tocantins / Mestrando em ciências Florestais e Ambientais
  • Maria Cristina Bueno Coelho Universidade federal do Tocantins / Drª. em Engenharia Florestal
  • André Ferreira dos Santos Universidade Federal do Tocantins / Dr. em Agronomia

Palavras-chave:

distância euclidiana, dissimilaridade florística, origem nativa

Resumo

Neste trabalho, a área ciliar no cerrado presente em cinco córregos pertencentes a micro bacia urbanizada do município de Gurupi - TO, foi estudada com os seguintes objetivos: ajustar funções matemáticas (logarítmicos, exponenciais, hiperbólicos, lineares e não-lineares) para determinação de funções de densidade de probabilidade por serem usadas como assinatura dos processos ecológicos que ocorrem nas florestas, bem como determinar a similaridade florística. Observa-se os resultados expressos pelos gráficos de frequência, a formação do J-invertido, com uma pequena perturbação entre as classes diamétricas iniciais e intermediarias, indicando presença ações antrópicas. As funções foram selecionadas pelos valores de R²aj, Syx%, análise gráfica dos resíduos e valor de F, sendo elas: y=exp(25,581+(-60,611)/x+(-6,184)*ln(x)) para Água Franca, y=x/(0,639+-0,084*x+0,004*x^2)para Dois Irmãos, y=124,243*exp((ln(x)-2,559)^2/(-0,379)) para Mutuca, y=1/(0,0001*(x+(-15,250))^2+0,020) para Pouso do Meio I e y=(0,497+0,313*x)/(1+(-0,121)*x+0,004*x^2 ) para Pouso do Meio II. As FDPs selecionadas para estimativas dos DAP’s são acurada e podem ser utilizadas em outras áreas de mesma tipologia vegetal. Há dissimilaridade florística entre os córregos e também dentro dos córregos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, S. P. Cerrado ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA – CPAC, 1998. p. 289-556.
Castro, K. B.; Henrique, L. R., Jorge; E. F. W. L.; Sara, F. Aplicação de Série Temporal Mínima para Simulação de Vazões em Bacia Experimental do Cerrado. Revista Brasileira de Cartografia, v. 68, n. 8, 2016. http://www.seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia. 14 de abril de 2019.
Campos, J. C. C.; Leite, H. G. Mensuração florestal: perguntas e respostas. 3.ed. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa, 2009. 543p.
Ceconi, D. E.; Poletto, I., Salvador, S. M.; Allasia, P.;Daniel, G. Composição Florístoca e `Potencial de Regeneração da Mata Ciliar Remanescente de um Tributário do Vacacaí-Mirim, Santa Maria-RS. Ciência Florestal [en linea] 2018, 28 (Oct-Dec): [Fecha de consulta: 31 de marzo de 2019] Disponible en:<http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=53458221016> ISSN 0103-9954.
De Souza, J. M.; Santos, W. F.; Nascimento, M. S. Levantamento florístico e fitossociológico em área de reserva legal no sudoeste de Goiás. Revista de Ciências Agroambientais, v. 16, n. 1, p. 80-87, 2018. doi: 10.5327/Z1677-606220182346.
Dos Santos, M. C. V.; Da Silva, N. M.; Rodrigues, R. Análise Comparativa da Recuperação de Trecho de Mata Ciliar (Rio Cuiabá-MT) Quadrantes Submentidos a diferentes condições de Manejo. Caderno de Publicações Univag, n. 2, 2015.
Ferreira, R. Q. D. S.; Camargo, M. O.; De Souza, P. B.; Andrade, V. C. L. D. Fitossociologia e estrutura diamétrica de um cerrado sensu stricto, Gurupi – TO. Revista Verde, v. 10, n. 1, p. 229-235, 2015. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v10i1.2996 > doi: 10.18378/rvads. v10i1.2996.
Gama, C. C.; Aguiar, B. A. C.; Fernandes, P. R. de S.; Lima, E. N. P.; Santos, A. F. dos e Coelho, M. C. B. Funções Probabilísticas para descrever a distribuição Diamétrica em Peixe –TO. Scientia Agraria Paranaensis – Sci. Agrar. Parana. 2018.
Giácomo, R. G.; Carvalho, D. C.; Pereira, M. G.; Souza, A. B.; Gaui, T. D. Florística e fitossociologia em áreas de campo sujo e cerrado sensu stricto na estação ecológica de Pirapitinga–MG. Ciência Florestal, v. 23, n. 1, p. 29-43, 2013. ISSN 1980-5098. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5902/198050988437 doi: 10.5902/198050988437.
Jesus, C. M. Funções de densidade de probabilidade para estimativa das distribuições de variáveis dendrométricas em um povoamento clonal de eucalipto no Distrito Federal. 2016. 45 f., il. Monografia (Bacharelado em Engenharia Florestal). Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Lima, R.A.F.; Batisita, J.L.F.; Prado, P.I. Modeling tree diameter distributions in natural forests: An evaluation of 10 statistical models. Forest Science, 61(2), 320-327.
Maragon, L. C.; Soares, J. J.; Feliciano, A. L. P.; Lins, C. F.; Brandão, S. Regeneração natural em um fragmento de floresta estacional semidecidual em Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, v. 32, n. 1, p. 183-191, 2008. ISSN 0100-6762. Disponível em: http: //dx.doi.org/10.1590/S0100-67622008000100020 doi: 10.1590/S0100-67622008000100020.
Mendonça, R. C. de; Felfili, J. M.; Walter, B. M. T.; Silva Junior, M. C. da; Rezende, A. V.; Filgueiras, T. S.; Nogueira, P. E. Flora vascular do cerrado. In: SANO, S. M.;
Nascimento, R.G.M.; Machado, S.A.; Figueiredo Filho, A. e Higuchi, N. 2012. Modelo de projeção por classe diamétrica para florestas nativas: enfoque na função probabilística de Weibull. Pesquisa Florestal Brasileira 32: 209.
Netto, C. C. & Schneider, P. R. Distribuição diamétrica para povoamento de Pinus taeda em função da idade. In: 4º Simpósio Latino-Americano sobre Manejo Florestal, Santa Maria - RS. Anais do 4º Simpósio Latino-Americano sobre Manejo Florestal. Santa Maria - RS: Gráfica e Editora Pallotti (2008).
Rodrigues, Ricardo Ribeiro; Nave, A G. Heterogeneidade florística das matas ciliares. In: Matas ciliares: conservação e recuperação [S.l: s.n.], 2000.
Santos M. J.; Andrade V. C. L.; Freitas, B. C. , Ferrerira, R. Q. de S. ;Bandeira, S. S.; PB de S (2017) Fitossociologia e Estrutura Diamétrica de um Fragmento de Cerrado sensu stricto. Sul do Tocantins. Scientia Agraria Paranaensis 16(3): 328-334.doi:10.18188/1983-1471/sap.v16n3p328-334.
Scolforo, J. R. S. Biometria florestal: modelos de crescimento e produção florestal. Lavras, UFLA/FAEPE, 2006. 393 p.
Schimidt, L. N. Dinâmica da distribuição diamétrica de povoamentos de eucalipto na região central de Minas Gerais. 2017. http://hdl.handle.net/1884/47859.
Schineider, G; Rocha, F. S. Levantamento florístico e fitossociológico do componente arbóreo de um fragmento de Floresta Estacional Decidual em São Miguel do Oeste, Santa Catarina. Biotemas, v. 27, n. 2, p. 43-55, 2014. http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2014v27n2p43.
Silva Júnior, M. C. Análise da flora arbórea de Matas de Galeria no Distrito Federal: 21 levantamentos. Pp. 143-185. In: J. F. Ribeiro; C. E. L. Fonseca & J. C. Souza-Silva (orgs.). Cerrado: caracterização e recuperação de matas de galeria. EMBRAPA, CPAC, Planaltina.
Sneath, P.H.A. & Sokal, R.R. Numerical taxonomy. The principles and practice of numerical classification. San Francisco: W. H. Freeman,1973. 573 p.
Souza, P. B.; Junior, A. W. S.; Soares, M. P.; Viana, R. H. O.; Camargos, V. L. de; Neto, J. A. A. M. Florística de uma Área do Cerradão dentro da Floresta Nacional da Paraopeba- Minas Gerais. Cerne. v. 16, n. 1, p. 086-093, maio de 2015. ISSN 2317-6342. Disponível em: < http://cerne.ufla.br/site/index.php/CERNE/article/view/169 >. Data de acesso: 01 abr. 2019.

Publicado

2020-07-28

Como Citar

Limeira, M. M. C., Gregório, W. M., Silva, M. V. C., Ramos, Y. A., Santana, T. T. de C., Andrade, T. G., Coelho, M. C. B., & Santos, A. F. dos. (2020). AJUSTE DA DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA E SIMILARIDADE FLORÍSTICA PARA ÁREAS CILIARES ATRAVÉS DO USO DE FUNÇÕES DE DENSIDADE DE PROBABILIDADE. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 16(4), 1-16. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ca/article/view/3017

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##