AVALIAÇÕES MORFOFISIOLÓGICAS DO FEIJÃO PÉROLA IRRIGADO

Autores

  • Catariny Cabral Aleman Universidade Federal de Viçosa - UFV
  • Flávia Alessandra Mignacca Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE

Palavras-chave:

Phaseolus vulgaris, estresse hídrico, produtividade

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar as características morfofisiológicas do feijão Pérola submetido a diferentes lâminas de irrigação na região do Oeste Paulista. O experimento foi conduzido na cidade de Pirapozinho, São Paulo, utilizando vasos de 25 x 32 cm, em condições de campo, no período de março a maio. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, com seis lâminas de irrigação: 25%, 50%, 75%, 100%, 125% e 150% evapotranspiração da cultura (ETc) e 5 repetições. Os parâmetros avaliados foram altura das plantas, massa seca de parte aérea, massa seca de raiz, número vagens por planta, peso de vagens, número de sementes por vagem, germinação das sementes e determinação da prolina. Os dados foram submetidos ao teste F e posteriormente ao teste Tukey para comparação de médias ao nível de probabilidade de 5%. Observou-se que os resultados foram significativos para o peso de vagens, o número de grãos por vagem e a concentração da prolina. Conclui-se que a lâmina de irrigação de 75% ETc resultou na maior produção de sementes. A lâmina de irrigação de 25% ETc promoveu déficit hídrico, indicado pela maior concentração de prolina nas folhas frescas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Catariny Cabral Aleman, Universidade Federal de Viçosa - UFV

Departamento de Engenharia Agrícola - DEA Irrigação, Drenagem e Hidráulica

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

Aleman, C. C., & Mignacca, F. A. (2016). AVALIAÇÕES MORFOFISIOLÓGICAS DO FEIJÃO PÉROLA IRRIGADO. Colloquium Agrariae. ISSN: 1809-8215, 11(2), 19–24. Recuperado de http://journal.unoeste.br/index.php/ca/article/view/1358